Narrativas autobiográficas produzidas por futuras professoras: representações sobre a matemática escolar

Autores

  • Adair Mendes Nacarato Universidade São Francisco
  • Maria da Conceição Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v18n3a2365

Palavras-chave:

Ensino de matemática. Escritas de si. Pesquisa-formação.

Resumo

A pesquisa analisada neste texto foi produzida num contexto institucional de um curso de Pedagogia na disciplina de Fundamentos e Metodologia do Ensino de Matemática, no qual as graduandas, futuras professoras que ensinam matemática, produziram diferentes escritas de si, dentre as quais elegeu-se para análise a autobiografia produzida no início do curso. O olhar centrou-se nas vivências e nas representações dessas graduandas em relação à matemática escolar. Embora a maioria tenha frequentado a escola básica após as reformas curriculares da década de 1980, as futuras docentes ainda trazem lembranças de práticas tecnicistas de ensino de matemática, muitas com marcas negativas referentes à matemática, principalmente decorrentes das relações com os professores.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adair Mendes Nacarato, Universidade São Francisco

Professora Doutora, Universidade São Francisco, Programa de Pós-Graduação em Educação. R. Alexandre Rodrigues Barbosa, 45, Centro, 13251-040, Itatiba, SP, Brasil. Correspondência para/Correspondence to: A.M. NACARATO. E-mail: <adamn@terra.com.br>.

Maria da Conceição Passeggi, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professora Doutora, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Educação, Departamento de Fundamentos e Políticas da Educação. Natal, RN, Brasil.

Referências

Barbosa, I.C. A experiência humana e o ato de narrar: Ricouer e o lugar da interpretação. Revista Brasileira de História, v.17, n.33, p.293-305, 1997.

Bruner, J.; Weisser, S. A invenção do ser: a autobiografia e suas formas. In: Olson, D.; Torrance, N. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática, 1995. p.141-161.

Chartier, R. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 1988.

Chené, A. A narrativa de formação e a formação de formadores. In: Nóvoa, A.; Finger, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010. p.129-142.

Dartigues, A. Paul Ricouer e a questão da identidade narrativa. In: Cesar, C.M. (Org.). Paul Ricouer: ensaios. São Paulo: Paulus, 1998. p.7-25.

Dominicé, P. O processo de formação e alguns dos seus componentes relacionais. In: Nóvoa, A.; Finger, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010. p.81-95.

Ferrarotti, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: Nóvoa, A.; Finger, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010. p.31-57.

Fiorentini, D. Alguns modos de ver e conceber o ensino da Matemática no Brasil. Zetetiké n.4, p.1-37, 1995.

Goodson, I. Currículo, narrativa e futuro social. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.35, p.241-252, 2007.

Julia, D. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n.1, p.9-43, 2001.

Larrosa, J. Notas sobre narrativa e identidad (A modo de presentatión). In: Abrahão, M.H.M.B. (Org.). A aventura (auto)biográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2004. p.11-22.

Larrosa, J. Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação, v.19, n.2, p.4-27, 2011.

Nacarato, A.M. A formação matemática das professoras das séries iniciais: a escrita de si como prática de formação. Bolema: Boletim de Educação Matemática – UNESP, v.23, p.905-930, 2010.

Passeggi, M.C. Memoriais: injunção institucional e sedução autobiográfica. In: Passeggi, M.C.; Souza, E.C. (Org.). (Auto)biografia: formação, territórios e saberes. São Paulo: Paulus, 2008. p.103-131.

Passeggi, M.C. Narrar é humano! Autobiografar é um processo civilizatório. In: Passeggi, M.C.; Silva, V.B. (Org.). Invenções de vidas, compreensão de itinerários e alternativas de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p.103-130.

Passeggi, M.C. A experiência em formação. Educação, v.34, n.2, p.147-156, 2011.

Passeggi, M.C.; Souza, E.C. O método (auto)biográfico: pesquisa e formação. In: Nóvoa, A.; Finger, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. São Paulo: Paulus,

p.11-14.

Ricouer, P. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1997. Ricouer, P. Educación y política: de la historia personal a la comunión de libertades. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2009.

Souza, E.C. Pesquisa narrativa e escrita (auto)biográfica: interfaces metodológicas e formativas. In: Souza, E.C.; Abrahão, M.H.M.B. (Org.). Tempos, narrativas e ficções: ainvenção de si. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p.135-147.

Downloads

Publicado

2014-06-06

Como Citar

Nacarato, A. M., & Passeggi, M. da C. (2014). Narrativas autobiográficas produzidas por futuras professoras: representações sobre a matemática escolar. Revista De Educação PUC-Campinas, 18(3), 287–299. https://doi.org/10.24220/2318-0870v18n3a2365

Edição

Seção

Seção Temática: Escritas, narrativas & formação docente em Educação Matemática