Institucionalização do racismo religioso: reflexões sobre o racismo religioso institucionalizado na gestão de Sérgio Camargo na Fundação Cultural Palmares

Autores

  • Eduardo Bonine Universidade Católica de São Paulo, Centro de Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Religião

DOI:

https://doi.org/10.24220/2447-6803v47e2022a5634

Palavras-chave:

Ciência da Religião, Decolonialidade, Empoderamento, Intolerância religiosa

Resumo

Este artigo pretende refletir sobre o racismo religioso institucionalizado na gestão de Sérgio Camargo na Fundação Cultural Palmares. Para a análise, lança-se mão da leitura do edital lançado pelo Governo Federal promovendo a troca do logo da Fundação. O percurso analítico ocorre em duas vias: o conceito de racismo religioso à luz urgente de sua aplicabilidade na produção da Ciência da Religião e a ideia social de empoderamento enquanto um dispositivo fluido pela apropriação hegemônica do termo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abumanssur, E. S. Religião e democracia, questões à laicidade do Estado. In: Conselho Regional de Psicologia SP (org.). Laicidade, religião, direitos humanos e políticas públicas. São Paulo: Conselho Regional de Psicologia de São Paulo, 2016. p. 17-25. (Coleção Psicologia, Laicidade e as Relações com a Religião e a Espiritualidade).

Berth, J. Empoderamento. São Paulo: Jandaíra, 2020.

Bonine, E. Embranquecimento do candomblé? Uma análise da linha sucessória do Axé Ilê Obá, terreiro de nação gueto no bairro do Jabaquara, em São Paulo. 2020. Dissertação (Mestrado em Ciência da Religião) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2020.

Bonine, E. Encruzilhadas epistemológicas na Ciência da Religião: uma reflexão sobre as categorias analíticas de “teologia” e “cosmopercepção” para a construção da disciplina. Revista Identidade, v. 26, p. 243-250, 2021. Disponível em: http://revistas.est.edu.br/index.php/Identidade/article/view/1204. Acesso em: 8 nov. 2021.

Camargo, S. Página inicial. 2021a. Instagram: @sergiodireita. Disponível em: https://www.instagram.com/ sergiodireita/. Acesso em: 1 nov. 2021.

Camargo, S. Página inicial. 28 maio 2021b. Twitter: @CamargoDireita. Disponível em: https://twitter.com/ sergiodireita1/status/1457778566150516737?ref_src=twsrc%5Egoogle%7Ctwcamp%5Eserp%7Ctwgr%5Etweet. Acesso em: 8 nov. 2021.

Fundação Cultural Palmares. Lançamento para Edital: Criação de novo logotipo e logomarca da FCP. Fundação Cultural Palmares, Brasília, 17 ago. 2021b. Disponível em: https://www.palmares.gov.br/?p=58727. Acesso em: 8 nov. 2021.

Fundação Cultural Palmares. Somos todos irmãos: a época digna do movimento negro. Fundação Cultural Palmares, Brasília, 13 ago. 2021a. Disponível em: https://www.palmares.gov.br/?p=58691. Acesso em: 8 nov. 2021.

Mari, J. Presidente da Fundação Palmares Decide tirar ‘machado de Xangô’de logotipo: “será trocado por um símbolo não religioso”. Yahoo Notícias. São Paulo, 2 jun. 2021. Disponível em: https://br.noticias.yahoo.com/presidente-da-fundacao-palmares-decide-tirar-machado-de-xango-de-logotipo-sera-trocado-por-simbolo-nao-religioso-135950165.html. Acesso em: 8 nov. 2021.

Mbembe, A. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 Edições, 2018.

Mbembe, A. Política da inimizade. São Paulo: n-1 Edições, 2021.

Nogueira. S. Intolerância religiosa. São Paulo: Jandaíra, 2020.

Silva, V. G. Intolerância Religiosa, impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: EDUSP, 2007.

Downloads

Publicado

2022-09-21

Como Citar

Bonine, E. (2022). Institucionalização do racismo religioso: reflexões sobre o racismo religioso institucionalizado na gestão de Sérgio Camargo na Fundação Cultural Palmares. Reflexão, 47. https://doi.org/10.24220/2447-6803v47e2022a5634