Estratégias de ensino por metodologias alternativas em anatomia humana: influência na aprendizagem de universitários

Autores

  • Rafaela Morais da Silva Universidade de Pernambuco, Colegiado de Nutrição, Laboratório de Ensino, Pesquisa e Extensão em Anatomia e Patologia https://orcid.org/0000-0002-4897-3456
  • Diego Pires Rocha Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências https://orcid.org/0000-0002-5124-0077
  • Paulo Adriano Schwingel Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências https://orcid.org/0000-0002-2935-3403
  • Iracema H. Pires de Mélo Montenegro Universidade de Pernambuco, Colegiado de Nutrição, Laboratório de Ensino, Pesquisa e Extensão em Anatomia e Patologia https://orcid.org/0000-0003-2770-8060

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v27e2022a5209

Palavras-chave:

Anatomia, Educação superior, Ensino, Metodologias alternativas, Educação Integral. Ensino Médio. Gestão Escolar. Qualidade Educacional.

Resumo

Este estudo traz uma análise do uso complementar de metodologias alternativas no ensino de Anatomia Humana em uma universidade pública do Vale do São Francisco, uma vez que o processo de ensino-aprendizagem se aprimora constantemente para a melhoria da educação. A elaboração de novos métodos de ensino é uma estratégia para agregar e tornar mais prazerosas as aulas de uma disciplina e driblar os desafios da aula tradicional, como, neste caso, a dificuldade para a obtenção de cadáveres para dissecação. Dessa forma, discentes matriculados na disciplina Anatomia Humana Sistêmica oferecida em cursos da área de saúde de uma universidade brasileira (n=79) realizaram algumas aulas práticas de maneira tradicional (utilização de modelos plásticos e cadavéricos) e outras nas quais foram empregadas metodologias alternativas. Para cada conteúdo foi aplicada uma atividade, como: pintura corporal, tapete facial, jogo Imagem e Ação, modelagem com argila, livro de história, papercraft e pintura em papel. Cada aula ministrada foi avaliada quanto à obtenção de conhecimentos pelos estudantes por meio de pré e pós-testes e questionários específicos, e a satisfação discente de acordo com a metodologia utilizada foi mensurada através de questionário com escala do tipo Likert. Ficou evidente que as metodologias alternativas promoveram a aprendizagem em Anatomia Humana, propiciando melhor retenção do conhecimento adquirido, tendo sido bem aceitas por universitários dos cursos de ciências da saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bacich, L.; Moran, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

Berquó, E. S.; Cavenaghi, S. M. Tendências dos diferenciais educacionais e econômicos da fecundidade no Brasil entre 2000 e 2010. In: Anais do XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2016, São Pedro-SP. Anais [...]. São Pedro: Associação Brasileira de Estudos Populacionais, 2016. p. 1-21.

Bonini-Rocha, A. C. et al. Satisfação, percepção de aprendizagem e desempenho em vídeo aula e aula expositiva. Ciências & Cognição, v. 19, n. 1, p. 47-57, 2014.

Borochovicius, E.; Tortella, J. C. B. Aprendizagem baseada em problemas: um método de ensino-aprendizagem e suas práticas educativas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 22, n. 83, p. 263-294, 2014.

Boruchovitch, E.; Bzuneck, J. A motivação do aluno: contribuições da Psicologia Contemporânea. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.

Braid, F.; Williams, S. B.; Weller, R. Design and validation of a novel learning tool, the ‘‘anato-rug,’’ for teaching equine topographical anatom. Anatomical Sciences Education, v. 5, n. 1, p. 256-263, 2012.

Braid, L. M. C.; Machado, M. F. A. S.; Aranha, A. C. Estado da arte das pesquisas sobre currículo em cursos de formação de profissionais da saúde: um levantamento a partir de artigos publicados entre 2005 e 2011. Interface – Comunicação, Saúde, Educação. v. 16, n. 42, p. 679-692, 2012.

Bunicoski, M. M. Escultura em papel: fazendo arte na educação básica. 2013. Monografia (Graduação em Licenciatura em Arte) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

Carvalho, M. M.; Waltenberg, F. D. Desigualdade de oportunidades no acesso ao ensino superior no Brasil: uma comparação entre 2003 e 2013. Economia Aplicada, v. 19, n. 2, p. 369-396, 2015.

Damasceno, S. A. N.; Cória-Sabini, M. A. Ensinar e aprender: saberes e práticas de professores de anatomia humana. Revista Psicopedagogia, v. 20, n. 63, p. 243-254, 2003.

Derdyk, E. O desenho da figura humana. São Paulo: Scipione, 1990.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Escolaridade e trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos. Estudo & Pesquisas, v. 3. n. 37, p. 1-34, 2007.

Ferreira, S. G.; Veloso, F. A. Mobilidade in’tergeracional de educação no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 33, n. 3, p. 481-513, 2003.

Fofonca, E. et al. Metodologias pedagógicas inovadoras: contextos da educação básica e da educação superior. Curitiba: Editora IFPR, 2018.

Fonseca, R. S. et al. O perfil sociodemográfico dos estudantes universitários: estudo descritivo-correlacional entre uma universidade portuguesa e brasileira. Educação em Foco, v. 24, n. 1 p. 341-366, 2019.

Fornaziero, C. C. et al. O Ensino da Anatomia: integração do corpo humano e meio ambiente. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 34, n. 2 p. 290-297, 2010.

Goulart, L. et al. A pintura corporal como recurso metodológico para o ensino da anatomia humana para estudantes de medicina da Universidade Federal do Amazonas, Brasil. Lecturas: Educación Física y Deportes, v. 20, n. 209, p. 2, 2015.

Hargreaves, A. O ensino como profissão paradoxal. Pátio: Revista Pedagógica, v. 4, n. 16, p. 13-18, 2011.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior: divulgação dos principais resultados. Brasíla: Ministério da Educação, 2016.

Kapit, W.; Elson, L. M. Anatomia: manual para colorir. São Paulo: ROCA, 2002.

Kishimoto, T. M. Jogos tradicionais infantis: o jogo a criança e a educação. Petropólis: Vozes, 1998.

Machado, J. M. A formação de professores: o planejamento das contações de histórias. 2016. Monografia (Graduação em Pedagogia) – Universidade Regional Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Santa Rosa, 2016.

Pereira, K. A. et al. D. A contação de história como mecanismo de ensino de história regional. Ciclo Revista, v. 1, n. 2, p. 1-6, 2016.

Ramos, A. M. et al. Satisfação com a experiência acadêmica entre estudantes de graduação em Enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, v. 24, n. 1, p. 187-195, 2015.

Silva, A. V.; Aguiar Junior, O.; Cespedes, I. C. O ser humano em sua dimensão biológica: metodologias ativas de ensino e de avaliação na graduação em saúde em um contexto interprofissional. In: PBL Congresso Internacional, 2010, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Universidade de Sao Paulo, 2010. p. 1-5.

Silva, J. H.; et al. O ensino-aprendizagem da anatomia humana: avaliação do desempenho dos alunos após a utilização de mapas conceituais como uma estratégia pedagógica. Ciência & Educação, v. 24, n. 1, p. 95-110, 2018.

Silva, N. V.; Hasenbalg, C. Recursos familiares e transições educacionais. Cadernos de Saúde Pública, v. 18, p. 67-76, 2002.

Skinder-Meredith, A. E. Innovative activities for teaching anatomy of speech production. Anatomical Sciences Education, v. 3, n. 5, p. 234-243, 2010.

Strini, P. J. S. A. et al. Exposição e integração entre a anatomia humana e as manifestações artísticas. Revista UFG, v. 16, n. 19, p. 7-22, 2016.

Downloads

Publicado

2022-06-20

Como Citar

da Silva, R. M., Rocha, D. P., Schwingel, P. A., & Montenegro, I. H. P. de M. (2022). Estratégias de ensino por metodologias alternativas em anatomia humana: influência na aprendizagem de universitários . Revista De Educação PUC-Campinas, 27, 1–14. https://doi.org/10.24220/2318-0870v27e2022a5209