Precarização do trabalho do tradutor e intérprete de Libras educacional: impactos no ensino e saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a5361

Palavras-chave:

Educação dos surdos, Intérprete para surdos, Língua Brasileira de Sinais, Tradução para surdos.

Resumo

Este artigo apresenta um recorte específico da dissertação em que se baseia, que trata da precarização do trabalho do tradutor e intérprete de Libras educacional, um campo investigativo ainda pouco explorado. A metodologia envolveu levantamento e análise de pesquisas já realizadas no campo da tradução e interpretação de Libras-Português e buscas nos sites das universidades públicas que formam intérpretes, do Sindicato Nacional dos Tradutores, da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos e da Federação Brasileira das Associações dos Profissionais Tradutores e Intérpretes e Guia-intérprete em Língua de Sinais, com o objetivo de identificar os desafios encontrados pelos intérpretes em diferentes frentes, como: carga de trabalho, funções, remuneração, tempo na escola, saúde laboral e formação. A parte empírica foi apenas um ensaio piloto, que pode ser ampliado em outro estudo, a fim de verificar se os achados na literatura coincidiam com aqueles vivenciados por tradutores experientes e com nível superior. Os resultados apontam para a necessidade da ampliação dos cursos de formação inicial e continuada do tradutor e intérprete, exigência de formação universitária nos editais de concurso, melhora dos salários e adequação das funções de modo a não haver sobreposição com o trabalho do professor ou ser dele um substituto, contexto esse que aumenta os riscos de adoecimento laboral.

Biografia do Autor

Thaisa Cristina França, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Campinas, SP, Brasil. 

Regina Maria de Souza, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Av. Bertrand Russell, 801, Cidade Universitária Zeferino Vaz, 13083-865, Campinas, SP, Brasil. Correspondência para/Correspondence to: R. M. SOUZA. E-mail: <monobere@gmail.com>.

Referências

Albres, N. A. Afetividade e subjetividade na interpretação educacional. Rio de Janeiro: Ayvu, 2019.

Brasil. Cadastro nacional de cursos e instituições de educação superior: cadastro e-Mec. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: https:// emec.mec.gov.br/. Acesso em: 20 mar. 2021.

Brasil. Lei nº 12.319, de 1 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de tradutor e intérprete da Língua Brasileira de Sinais – Libras. Brasília: MEC, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm. Acesso em: 22 mar. 2021.

Brasil. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: Secretaria-Geral, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/ l13146.htm. Acesso em: 11 abr. 2021.

Brasil. E-Mec. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/e-mec-sp-257584288. Acesso em: 22 mar. 2021.

Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais. Adaptações Curriculares: estratégias para a educação de alunos com necessidades especiais. Brasília: MEC, 1999.

Brasil. Projeto de Lei nº 9.382-A, de 2017. Dispõe sobre o exercício profissional e condições de trabalho do profissional tradutor, guia-intérprete e intérprete de Libras, revogando a Lei nº 12.319, de 1º de setembro de 2010. Brasília: Câmara dos Deputados, 2017. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=828E58CB58A4B761889D 75308991DB23.proposicoesWebExterno1?codteor=1843108&filename=Avulso+-PL+9382/2017#:~:text=AO%20PROJETO%20 DE%20LEI%20N%C2%BA,int%C3%A9rprete%20e%20int%C3%A9rprete%20de%20Libras. Acesso em: 22 mar. 2021.

Bühring, M. A. (Re) definição de fronteira(s) e cidades gêmeas: Brasil e Uruguai. Revista de Direito de Família e Sucessão, v. 1, n. 2, p. 230-260, 2015. Disponível em: https://www.indexlaw.org/index.php/direitointernacional/article/view/854. Acesso em: 22 mar. 2021.

Federação Brasileira das Associações dos Profissionais Tradutores e Intérpretes e Guia-intérpretes de Língua de Sinais. Nota técnica sobre a atuação do tradutor, intérprete e guia-intérprete de libras e língua portuguesa em materiais audiovisuais televisivos e virtuais. Brasília: FEBRAPILS, 2017. Disponível em: http://febrapils.org.br/wp-content/uploads/2017/07/nota-tcnica-febrapils-feneis-materiais-audiovisuais.pdf. Acesso em: 21 mar. 2021.

França, T. C. Os desafios encontrados pelo Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais – TILS – na escola. 2020. 136 f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2020. Disponível em: http://www.repositorio. unicamp.br/handle/REPOSIP/358818. Acesso em: 21 mar. 2021.

Martins, V. R. O.; Nascimento, V. Da formação comunitária à formação universitária (e vice e versa): novo perfil dos tradutores e intérpretes de língua de sinais no contexto brasileiro. Cadernos de Tradução, v. 35, n. 2, p. 78-112, 2015. Disponível em: https:// periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/2175-7968.2015v35nesp2p78. Acesso em: 22 mar. 2021.

Ribeiro, R. S. A falta de regulamentação para o exercício da profissão de tradutor. Jus, Brasil, abr. 2015. Artigos. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/37740/a-falta-de-regulamentacao-para-o-exercicio-da-profissao-de-tradutor. Acesso em: 11 abr. 2021.

Sobral, A. Dizer o “mesmo” a outros: ensaios sobre tradução. São Paulo: SBS, 2008.

Souza, R. M. De um telefonema inesperado a um ativista do movimento acadêmico: aprendendo a escutar os surdos. In: Souza, R. M. História da emergência do campo das pesquisas em educação bilíngue de/para surdos e dos estudos linguísticos da Libras no Brasil: contribuições do Grupo de Trabalho Lingua(gem) e Surdez da ANPOLL. Curitiba: CRV, 2019. p. 155-178. (Coleção Educação Bilíngue de Surdos no Brasil).

Voltolini, R. A. Síndrome da d’existência: o educador em tempos de fracasso. In: Mariguela, M.; Camargo, A. M. F.; Souza, R. M. Que escola é essa? Anacronismos, resistências e subjetividades. Campinas: Alínea, 2009. p. 21- 36.

Xavier, K. S. O lugar do intérprete educacional nos processos de escolarização do aluno surdo. 2012. 136 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012. Disponível em: http://repositorio.ufes.br/handle/10/6025. Acesso em: 22 mar. 2021.

Downloads

Publicado

22-11-2021

Edição

Seção

Seção Temática: Ensino, Tradução e Interpretação em línguas de sinais: intersecções entre gênero, raça e etnia