Representações sociais de Mulheres Surdas mirienses sobre si: da invisibilidade ao protagonismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a5356

Palavras-chave:

Feminismo , Representações sociais, Mulher surda.

Resumo

 Este artigo tem como objetivo analisar as representações sociais que as Mulheres Surdas fazem de si e os efeitos dessas representações na construção de suas identidades e, de maneira específica, ilustrar a concepção de feminismo que as mulheres surdas possuem. A pesquisa é de cunho qualitativo entrelaçada com a Teoria das Representações Sociais, com o foco nas representações que as Mulheres Surdas fazem de si; isto é, na maneira como elaboram e partilham simbologias significantes e construtivas de suas identidades. Por sua vez, as bases teóricas desta pesquisa provêm do campo epistêmico: feminismo, surdez e das representações sociais. As considerações finais ilustram as concepções de Mulheres Surdas sobre o feminismo e as representações sociais sobre suas identidades. Identidade pressuposta, a partir da invisibilidade, exclusão e preconceito que os outros lhes narravam, e identidade metamorfose, com empoderamento, no reconhecimento de suas diferenças e na valorização delas.

Biografia do Autor

Aline Corrêa de Barros da Costa, Universidade Federal do Pará

Universidade Federal do Pará, Faculdade de Educação do Campo, Grupo de Estudos Surdos na Amazônia Tocantina. Cametá, PA, Brasil.

Waldma Maíra Menezes de Oliveira, Universidade Federal do Pará

Universidade Federal do Pará, Faculdade de Educação do Campo, Grupo de Estudos Surdos na Amazônia Tocantina. Cametá, PA, Brasil.

Madalena Klein, Universidade Federal de Pelota

Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Educação, Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Educação de Surdos. R. Col. Alberto Rosa, 154, 2º andar, Centro, 96010-770, Pelotas, RS, Brasil. Correspondência para/Correspondence to: M. KLEIN. E-mail: <kleinmada@hotmail.com>.

Referências

Barboza, H. H. G.; Almeida Junior, V. A. (Des)igualdade de Gênero: restrições à autonomia da mulher. Pensar, v. 22, n. 1, p. 240-271, 2017. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/rpen/article/view/5409/pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2010.

Betto, F. Reflexão Pós-Modernidade e novos paradigmas. São Paulo: Instituto Ethos, 2000.

Brasil. Decreto Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a língua de Sinais e outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10436.htm. Acesso em: 28 fev. 2019.

Brasil. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União: Brasília, 7 set. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015- 2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 7 fev. 2019

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Planalto, 1988.

Carvalheiro, J. R. Da representação mediática à recepção política. Discursos de uma minoria. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 51, p. 73-93, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rieb/n64/0020-3874-rieb-64-0201.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Chaibue, K.; Aguiar, T. C. A colonialidade sobre o surdo. Revista Virtual de Cultura Surda, n. 13, p. 1-16, 2014. Disponível em: http:// editoraararaazul.com.br. Acesso em: 28 fev. 2019.

Chizzotti, A. Pesquisas em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1998.

Ciampa, A. C. A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 2005.

Côrtes, G. R.; Luciano, M. C. F.; Dias, K. C. O. A informação no enfrentamento à violência contra mulheres. Centro de Referência da Mulher “Ednalva Bezerra”: relato de experiência. Biblionline, v. 8, p. 134-151, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufpb. br/ojs2/index.php/biblio/article/view/14199. Acesso em: 28 fev. 2019.

Guedes, R. N.; Fonseca, R. M. G. S. A autonomia como necessidade estruturante para o enfrentamento da violência de gênero. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 45, n. 2, p. 1731-1735, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/ v45nspe2/16.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico de pessoas com deficiência no Brasil. Brasília: IBGE, 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/. Acesso em: 28 fev. 2019.

Klein, M.; Formozo, D. P. Gênero e surdez. Reflexão e Ação, v. 15, n. 1, p. 100-112, 2007. Disponível em: https://online.unisc.br/ seer/index.php/reflex/article/view/225. Acesso em: 28 fev. 2019.

Krause, K. Feminismos surdos, deficiências e políticas públicas. In: Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades, 5., 2017, Campina Grande. Anais eletrônicos [...]. Campina Grande: Realize Editora, 2017. Disponível em: https://www.editorarealize. com.br/revistas/enlacando/trabalhos/TRABALHO_EV072_MD1_SA2_ID1181_16072017175840.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Moscovici, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

Nascimento, I. P. Articulações sobre o campo das representações sociais. In: Ornellas, M. L. S. (org.). Representações Sociais e educação: letras imagéticas. Salvador: EDUFBA, 2013. p. 35-68.

Oliveira, W. M. M. Representações Sociais de educandos surdos sobre a atuação do Intérprete Educacional no Ensino Superior. 2015. 236 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Estado do Pará, Belém, 2015. Disponível em: https://ccse.uepa. br/ppged/wpcontent/uploads/dissertacoes/09/Waldma_Mara_Menezes_de_Oliveira.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Oliveira, I. A.; Mota Neto, J. C. A construção de categorias de análise na pesquisa em educação. In: Marcondes, M. I.; Oliveira, I. A.; Teixeira, E. (org.) Abordagens teóricas e construções metodológicas na pesquisa em educação. Belém: EDUEPA, 2011. p. 167-186.

Perlin, G.; Vilhalva, S. Mulher surda: elementos ao empoderamento na política afirmativa. Revista Fórum, v. 33, n. 33, p. 146-160, 2016. Disponível em: https://www.porsinal.pt/index.php?ps=artigos&idt=artc&cat=27&idart=453. Acesso em: 28 fev. 2019.

Rangel, G. M. M.; Klein, M. Heróis/heroínas surdos/as brasileiros/as: busca de significados na comunidade surda gaúcha. Curitiba: Editora CRV, 2020.

Rangel, M. A pesquisa de Representação Social como forma de enfrentamento de problemas socioeducacionais. São Paulo: Ideias e Letras, 2004.

Ribeiro, J. A. K. A identidade e a autonomia da mulher surda. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero e 13th Women’s Worlds Congress, 11., 2017, Florianópolis. Anais eletrônicos [...]. Florianópolis: UFSC, 2017. Disponível em: http://www.en.wwc2017. eventos.dype.com.br/resources/anais/1498229488_ARQUIVO_Modelo_Texto_completo_MM_FG.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Seabra, A. C. C. M.; Dusse, F. Feminismo e Redes sociais: um estudo sobre empoderamento pela internet. Interfacis, v. 3, n. 1, p. 13-32, 2017. Disponível em: http://facisaead.com.br/ojs/index.php/interfacis/article/view/74. Acesso em: 28 fev. 2019.

Silva, A. S. F. et al. A invisibilidade da mulher surda: a informação enquanto privilégio. In: I Jornada Científica e Tecnológica de Língua Brasileira de Sinais: Produzindo Conhecimento e Integrando Saberes, 2017, Niterói. Anais eletrônicos [...]. Niterói: UFF, 2017. Disponível em: https://nuedisjornadacientifica.weebly.com/uploads/1/0/5/0/105033325/28_invisibilidade_da_mulher_surda. pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Silva, L. M. O estranhamento causado pela deficiência: preconceito e experiência. Revista Brasileira de Educação, v. 11 n. 33, p. 424-561, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_. Acesso em: 28 fev. 2019.

Skliar, C. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Skliar, C. Uma perspectiva sócio-histórica sobre a psicologia e a educação dos surdos. In: Skliar, C. (org.). Educação e exclusão abordagens socioantropológicas em educação especial. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. p. 105-153.

Walsh, C. Interculturalidade crítica e pedagogia decolonial: in-surgir, re-existir e re-viver. In: Candau, V. M. (org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009. p. 12-43.

Xavier, L; Pires, M; Araujo, T. Sou surda - Sou mulher. [S.I.: s. n.], 2016. 1 vídeo (4 min 30 seg). Publicado no Canal Maleta Cultural. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=3rzdG4cZmeI&t=106s. Acesso em: 29 fev. 2019.

Zago, E. M.; Muniz, H. L.; Wanzeler, L. A. A mulher negra, pobre e surda: lutas e conquistas. In: Anais do Encontro Nacional do GT-Gênero/ANPUH, 2014, Vitória. Anais eletrônicos [...]. Vitória: UFES, 2014. Disponível em: https://legpv.ufes.br/sites/legpv.ufes. br/files/field/anexo/leandro_a_wanzeler_0.pdf. Acesso em: 28 fev. 2019.

Downloads

Publicado

25-11-2021

Edição

Seção

Seção Temática: Ensino, Tradução e Interpretação em línguas de sinais: intersecções entre gênero, raça e etnia