Negros/as surdos/as: um estudo sobre o acesso a cursos de graduação em Letras Libras

Autores

  • Rhaul de Lemos Santos Universidade Federal do Paraná - UFPR
  • Sueli de Fátima Fernandes Universidade Federal do Paraná - UFPR

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a5339

Palavras-chave:

Ensino superior. , Interseccionalidade. , Relações étnico-raciais.

Resumo

 Este trabalho insere-se no campo dos Estudos Surdos e das Relação-Étnicos Raciais, realizando uma discussão interseccional entre surdez e raça e tendo por objetivo analisar a ocupação de vagas por estudantes negros/as surdos/as nos cursos de graduação em instituições federais de ensino superior. O percurso metodológico de abordagem quantitativa contemplou uma análise de microdados do Censo do Ensino Superior relativos às matriculas de negros/as surdos/as em cursos de Letras Libras e em outros cursos de graduação em instituições federais de ensino superior, com recorte temporal entre 2009 e 2016. Os dados foram sistematizados através do Statistical Package for the Social Sciences. A criação do curso de graduação em Letras Libras, na modalidade a distância, em 2006, apresenta-se como principal fator da significativa ampliação no número de matrículas de estudantes surdos/as no ensino superior no período. A situação de negros/as surdos/as, contudo, não acompanha essa curva ascendente. Entre 2009 e 2013, houve um decréscimo significativo de matrículas desse grupo, apesar de os negros constituírem 50,06% da população surda. A partir daí, com a aprovação da Lei de Cotas no ensino superior em 2012, ano após ano tem-se observado um aumento significativo na ocupação de vagas pela comunidade negra surda em diferentes cursos de graduação, sinalizando a importância de ações afirmativas que contemplem a interseccionalidade entre a questão racial e a diferença linguística que singulariza as identidades de pessoas negras surdas.

Biografia do Autor

Rhaul de Lemos Santos, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Licenciado em Historia ( PUC-PR), Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), linha Diversidade, Diferença e Desigualdade Social em Educação e  Doutoranto em Educação (UFPR).

Sueli de Fátima Fernandes, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Doutora em Letras/Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Paraná (2003); Mestre em Linguística pela Universidade Federal do Paraná (1998); Especialista em Alfabetização pela Universidade Federal do Paraná (1992); Graduada em Letras Inglês pela Universidade Federal do Paraná (1988). Professora do Setor Ciências Humanas da UFPR e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPR - Linha de Pesquisa Educação: Diversidade, Diferença e Desigualdade Social - PPGE/UFPR e da Coordenação do Curso de Graduação em Letras Libras (UFPR). Coordenadora do curso de Licenciatura em Letras Libras/UFPR, de 2015 a 2018. Pesquisadora na área de Educação bilíngue para Surdos, Estudos Surdos e Letramento/Ensino de português como segunda língua para surdos. Autora de livros na área da educação de surdos, ensino de Libras e educação especial.

Referências

Barreto, P. C. S. Gênero, raça, desigualdades e políticas de ação afirmativa no ensino superior. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 16, p. 39-64, 2015. https://doi.org/10.1590/0103-335220151603

Brasil. Câmara dos Deputados. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, Brasília, 6 jul. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 15 dez. 2020.

Brasil. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispões sobre Língua Brasileira de Sinais – Libras. Diário Oficial da União, Brasília, 22 dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm . Acesso em: 15 dez. 2020.

Brasil. Decreto nº 7.612, de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Plano Viver sem Limite. República Federativa do Brasil, Brasília, 17 nov. 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm. Acesso em: 18 dez. 2020.

Brasil. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 24 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm . Acesso em: 15 dez. 2020.

Brasil. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, 26 ago. 2012. Disponível em: http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em: 18 dez. 2020.

Brasil. Lei nº 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais de ensino. Diário Oficial, Brasília, 28 dez. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13409.htm. Acesso em: 18 dez. 2020

Brasil. Ministério da Educação. Documento orientador Programa Incluir: acessibilidade na Educação Superior. Secadi/Sesu-2013. Brasília: MEC, 2013.

Buzar, F. J. R. Interseccionalidade entre raça e surdez: a situação de surdos (as) negros (as) em São Luís-MA. 2012. 155 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

Crenshaw, K. Documento para encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudo Feministas, v. 1 n. 1 p. 171-180, 2002. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

Fernandes, S. F.; Moreira, L. C. Políticas de educação bilíngue para Surdos/as: o contexto brasileiro. Educar em Revista, n. 2, p. 51-69, 2014. https://doi.org/10.1590/0104-4060.37014

Furtado, R. S. S. Narrativa identitárias e educação: os surdos negros na contemporaneidade. 2012. 122 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico – 2010. Brasília: IBGE, 2010. Disponível em: https://ibge.gov.br/. Acesso em: 24 fev. 2019.

Lopes, M. C. Surdez e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

Paixão, M. et al. (org.) (2010). Relatório anual das desigualdades raciais no Brasil: 2009-2010. Rio de Janeiro: Garamond.

Pereira, A. S. S.; Pereira, R. O. Surdo-negro soteropolitano: uma pesquisa exploratória sobre a sua percepção de opressão e exclusão. Revista de Ciências da Educação, v. 2, n. 29, p. 139-148, 2013. https://doi.org/10.19091/reced.v1i29.292

Quadros, R. M.; Stumpf, M. R. Letras Libras Ead. In: Quadros, R. M. Letras Libras: ontem, hoje e amanhã. Florianópolis: Editora UFSC, 2015. p. 9-36.

Quadros, R. M.; Stumpf, M. R. O primeiro curso de graduação em letras língua brasileira de sinais: educação à distância. Educação Temática Digital, v. 10, n. 2, p. 169-185, 2009. https://doi.org/10.20396/etd.v10i2.984

Reis, F. A docência da educação superior: narrativas das diferenças políticas de sujeitos surdos. 2015. 278 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

Rosemberg, F.; Andrade, L. F. Ação afirmativa no ensino superior: a tensão entre raça/etnia e gênero. Cadernos Pagu, v. 31, p. 419-437, 2008. https://doi.org/10.1590/S0104-83332008000200018

Santos, R. L. Negros/as surdos/as no ensino superior: mapeando cursos de graduação de Letras Libras. 2019. 153 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2019.

Skliar, C. Os estudos surdos em educação: problematizando a normalidade. In: Skliar, C. A. Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 2013. p. 7-32.

Downloads

Publicado

05-10-2021

Edição

Seção

Seção Temática: Ensino, Tradução e Interpretação em línguas de sinais: intersecções entre gênero, raça e etnia