As representações sociais de professoras da Educação Infantil em relação ao desgaste docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a5109

Palavras-chave:

Representação social. Condições de trabalho docente. Educação infantil.

Resumo

O artigo discute, pelo viés da teoria das representações sociais, especificamente as abordagens dimensional e estrutural, as representações sociais de professoras da Educação Infantil sobre as condições de trabalho que ocasionam desgaste docente. As informações foram coletadas a partir de questionário (n=116) respondido por professoras da Educação Infantil na cidade de Ponta Grossa (Paraná). As análises foram realizadas com o apoio dos softwares Evoc, Simi e Alceste, além de ter sido feita uma análise de conteúdo. Verificou-se que a maior procedência dos elementos constituintes de desgaste são: (a) as condições físicas e materiais do trabalho; (b) a estrutura e funcionamento da Educação Infantil, a qual carece de investimentos para melhorar as condições de trabalho e (c) a falta de professoras como fator que revela a Educação Infantil como etapa secundária em relação aos significados da docência.

Biografia do Autor

Bruna Emilyn da Silva, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Universidade Estadual de Ponta Grossa, Setor de Ciências Humanas e Artes, Programa de Pós-Graduação em Educação. Av. Carlos Cavalcanti, 4748, Campus Uvaranas, 84030-900, Uvaranas, Ponta Grossa, PR, Brasil. Correspondência para/Correspondence to: A. C. FERREIRA. E-mail: <adrianoacfuepg@hotmail.com>.

Adriano Charles Ferreira, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Universidade Estadual de Ponta Grossa, Setor de Ciências Humanas e Artes, Programa de Pós-Graduação em Educação.  Ponta Grossa, PR, Brasil. 

Ademir José Rosso, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Universidade Estadual de Ponta Grossa, Setor de Ciências Humanas e Artes, Programa de Pós-Graduação em Educação.  Ponta Grossa, PR, Brasil. 

Referências

Abric, J. C. Abordagem estrutural das representações sociais: desenvolvimentos recentes. In: Campos, P. H. F.; Loureiro, M. C. S. (org.). Representações sociais e práticas educativas. Goiânia: UCG, 2003. p. 37-57.

Alves, T.; Pinto, J. M. R. Remuneração e características do trabalho docente no Brasil: um aporte. Cadernos de Pesquisa, v. 41, n. 143, p. 1-34, 2011.

Alves-Mazzotti, A. J. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à educação. Em Aberto, v. 14, n. 61, p. 18-43, 1994.

Ambrosseti, N. B.; Almeida, P. C. A. A constituição da profissionalidade docente: tornar-se professora da educação infantil. In: Reunião Anual da Anped, 30., 2007, Caxambu, MG. Anais [...]. Caxambu: Anped, 2007, p. 15.

Arce, A. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 113, p. 167-184, 2001.

Azevedo, H. H. D. O. Implicações teórico-práticas do binômio cuidar e educar na formação de professores de educação infantil. Olhar de Professor, v. 10, n. 2, p. 159-179, 2007.

Barreto, E. S. S. Bons e maus alunos e suas famílias vistos pela professora de 1º grau. Cadernos de Pesquisa, v. 37, p. 84-89, 1981.

Bonetti, N. A especificidade da docência na educação infantil no âmbito de documentos oficiais após a LDB 9394/1996. 2004. 190 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

Brasil, I.; Galvão, A. C. T. Desafios do ensino na Educação Infantil: perspectiva de professores. Arquivos Brasileiros de Psicologias, v. 61, n. 1, p. 73-83, 2009.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília, 1988.

Brasil. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Brasília, 2009.

Brasil. Parâmetros Nacionais de Qualidade Para A Educação Infantil. Brasília, 2006. v. 1.

Camargo, B. V. Alceste: um programa informático de análise quantitativa de dados textuais. In: Moreira, A. S. P. et al. (org.). Perspectivas teórico-metodológicas em representações sociais. João Pessoa: Editora Universitária-UFPB, 2005. p. 513-139.

Campos, M. M.; Fullgraf, J.; Wiggers, V. A qualidade na educação infantil brasileira: alguns resultados de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 127, p. 87-128, 2006.

Carlotto, M. S. A síndrome de burnout e o trabalho docente. Psicologia em Estudo, v. 7, p. 21-29, 2002.

Carvalho, E. M. G. Relações de gênero, cuidado e trabalho docente na educação infantil: quem cuida das professoras e dos professores? Ilhéus: Editus, 2011.

Codo, W. Educação: carinho e trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

Dal Rosso, S. Intensidade e imaterialidade do trabalho e saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 4, n. 1, p. 65-92, 2006.

Demo, P. Textos discutíveis: pedagogia. Hipotese, v. 2, n. 1, p. 17-26, 2016.

Deschamps, C.; Moliner, P. As representações sociais. In: Orth, L. M. E.; Moliner, P. A identidade em Psicologia Social: dos processos identitários às representações sociais. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. p. 125-140

Esteve, J. M. O mal-estar docente: a sala de aula e a saúde dos professores. Bauru: EDUSC, 1999.

Faria, A. L. G.; Finco, D. Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

Fernandes, T. Professoras da educação infantil: dilemas da constituição de uma especificidade profissional: um estudo sobre a produção científica brasileira (1996-2009). In: Congresso de Educação Básica: Aprendizagem e Currículo, 2., 2012, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: UFSC, 2012. p. 1-11.

Ferreira, A. C. Tema quente, cabeça fria: representações sociais da indisciplina escolar pelos alunos concluintes do ensino fundamental. 2014. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2014.

Flach, F. Quanto vale o trabalho do professor? Desvelando o processo de desvalorização salarial em Ponta Grossa. Praxis Educativa, v. 8, n. 1, p. 63-84, 2013.

Freire, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terrra, 1987.

Gaskell, G. Entrevistas individuais e grupais. In: Bauer, M.; Gaskell, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som, um manual prático. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 64-90.

Gatti, B. Atratividade da carreira docente no Brasil. São Paulo: Fundação Victor Cívita, 2010.

Jovchelovitch, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: Guareschi, P.; Jovchelovitch, S. Textos em representações sociais. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 63-85.

Koga, V. T. O estudo nas representações sociais dos alunos concluintes do ensino fundamental. 2012.123 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2011.

Kuhlmann Júnior, M. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, n. 14, p. 5-18, 2000.

Marques, C. A proteção do trabalho penoso. São Paulo : LTR, 2007.

Martins, T. L. R. Por uma educação infantil de qualidade: uma análise a partir das novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação infantil. Revista Educação e Emancipação, v. 8, n. 1, p. 74-92, 2015.

Menin, M. S. S. Valores na escola. Educação e Pesquisa, v. 28, n. 1, p. 91-100, 2002.

Menin, M. S. S. S. O aspecto normativo das representações sociais: comparando concepções. Revista de Educação Pública, v. 16, n. 30, p. 121-135, 2007.

Moscovici, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2011.

Moscovici, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes, 2012.

Nascimento-Schulze, C. M.; Camargo, V. Psicologia Social, representações e métodos. Temas em Psicologia da SBP, v. 8, n. 3, p. 287-299, 2000.

Novelli, G. Sala de aula como espaço de comunicação. Interface: Comunicação, Saúde e Educação, v. 1, n. 1, p. 43-50, 1997.

Oliveira, C. B. E.; Marinho-Araújo, C. M. A relação família-escola: intersecções e desafios. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 27, n. 1, p. 99-108, 2010.

Paparelli, R. et al. Contribuições da sáude do trabalhador à educação infantil: o sofrimento mental de educadoras de uma creche paulistana. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 10, p. 1-15, 2007.

Paschoal, J. D.; Machado, M. C. G. História da educação infantil no Brasil: avanços, retrocessos e desafios dessa modalidade educacional. HISTEDBR, v. 9, n. 33, p. 78-95, 2009.

Peroza, M. A. R.; Martins, P. L. A formação de professores para a educação infantil no limiar dos vinte anos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96. Diálogo Educacional, v. 16, n. 50, p. 809-829, 2016.

Rocha, E, A, C. Pesquisa sobre educação infantil: trajetórias e perspectivas. Perspectiva, v. 17, n. Especial, p. 61-71, 1999a.

Rocha, E. A. C. A pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectivas de consolidação de uma pedagogia da Educação Infantil. 1999. 262 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999b.

Rocha, E, A, C.; Lessa, J.; Buss-Simão, M. Pedagogia da Infância: interlocuções disciplinares na pesquisa em Educação. Da Investigação às Práticas, v. 6, n. 1, p. 31-49, 2016.

Rosso, A.; Camargo, B. V. As representações sociais das condições de trabalho que causam desgaste aos professores estaduais paranaenses. Educação Temática Digital, v. 13, n. 1, p. 269-289, 2011. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/issue/view/105. Acesso em: 15 jul. 2021.

Rosso, A. J.; Camargo, B. V. As representações sociais do desgaste no trabalho a partir dos simbolismos associados à docência. Educação Temática Digital, v. 15, n. 1, p. 179-200, 2013. Disponível em: http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/etd/article/view/3014. Acesso em: 15 jul. 2021.

Sá, C. P. Núcleo central das representações sociais. Petrópolis: Vozes, 1996.

Sabbag, S. “Porque a gente tem um corpo né... mas a gente só lembra do corpo quando ele dói!”: a centralidade do corpo adulto nas relações educativas na educação infantil. 2017, 248 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopólis, 2017.

Sales, S. A. C. Falou tá falado: representações sociais docentes sobre infância, criança, educação infantil e papel do professor. 2007. 184 f. Dissertação (Mestrado em Educação Brasileira) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

Sarmento, M. J. Gerações e alteridade: interrogações a partir da Sociologia da Infância. Educação e Sociedade, v. 26, n. 91, p. 361-378, 2005.

Sato, L. A representação social do trabalho penoso. In: Spink, M. J. P. O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1995. p. 188-211.

Sayão, D, T. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

Schmitt, R, V. As relações sociais entre professoras, bebês e crianças pequenas: contornos da ação docente. 2014. 282 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

Varani, A.; Silva, D. C. A relação família-escola: implicações no desempenho escolar dos alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 91, n. 229, p. 511-527, 2010.

Vasconcelos, K, M. A representação social da família: desvendando conteúdo e explorando processos. 2013, 378 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social do Trabalho e das Organizações) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

Vieira, J. S. et al. Constituição das doênças da docência. Cadernos de Educação, v. 37, n. 37, p. 303-324, 2010.

Witter, G. P. Professor-estresse: análise da produção científica. Psicologia Escolar e Educacional, v. 7, n. 1, p. 33-46, 2003.

Downloads

Publicado

16-08-2021