Concepções sobre as inteligências humanas no ambiente escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a5050

Palavras-chave:

Cotidiano escolar. Inteligências múltiplas. Práticas pedagógicas.

Resumo

Este artigo apresenta uma pesquisa realizada com professores, gestores, estagiário e estudantes de uma escola pública de Sorocaba (SP) que teve o objetivo de compreender as concepções dos participantes sobre a Inteligência Humana em suas expressões no cotidiano escolar. Numa abordagem qualitativa do tipo exploratória, utilizou-se a técnica de entrevistas semiestruturadas com os sujeitos envolvidos com uma turma de 4º ano do Ciclo I do Ensino Fundamental. A partir das respostas dadas à pergunta geradora – o que é ser inteligente? –, desenvolveu-se uma análise dos dados obtidos, pautando-se na Teoria Fundamentada nos Dados (Grounded Theory). O primeiro procedimento metodológico – a codificação aberta –, resultou em 29 subcategorias compendiando duas grandes categorias na codificação axial. Ambos procedimentos fomentaram a Teoria Fundamentada nos Dados. As respostas dos professores, dos gestores e do estagiário revelaram diferentes concepções e compuseram um discurso relacionado à multiplicidade das inteligências e outro enraizado na ideia retrógrada de denominar inteligente quem não tem dificuldade em aprender. As respostas dos estudantes mostraram uma visão paradigmática, de senso comum, sobre quem é inteligente. A interpretação dos dados desvelou um olhar limitado sobre os potenciais humanos. A influência exercida por concepções sobre os processos de ensino e aprendizagem determina uma visão estereotipada sobre o desempenho dos estudantes. Os princípios da Teoria das Inteligências Múltiplas suscitam práticas pedagógicas que, por diferentes.

Biografia do Autor

Yara Machado da Silva, Universidade de Sorocaba, Programa de Pós-Graduação em Educação.

Programa de Pós-graduação em Educação PPGE-UNISO – Linha de Pesquisa de Doutorado: Cotidiano Escola.

Vilma Lení Nista-Piccolo, Universidade de Sorocaba, Programa de Pós-Graduação em Educação.

Programa de Pós-graduação em Educação PPGE-UNISO – Linha de Pesquisa de Doutorado: Cotidiano Escolar.

Referências

Armstrong, T. Inteligências múltiplas na sala de aula. 2. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2001.

Bee, H.; Boyd, D. A criança em desenvolvimento. 12. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2011.

Bortoluzzi, M. B. A educação física escolar na perspectiva do professor: descrevendo e interpretando teorias subjetivas. 2018. 310 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

Britto, V. M. V.; Lomonaco, J. F. B. Expectativa do professor: implicações psicológicas e sociais. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 3, n. 2, p. 58-79, 1983.

Campbell, L.; Campbell, B.; Dickinson, D. Ensino e aprendizagem por meio das Inteligências múltiplas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.

Casarin, H. C. S.; Casarin, S. J. Pesquisa científica: da teoria à prática. Curitiba: Editora Ibpex, 2012.

Castro, J. M.; Regattieri, M. (org.). Interação escola-família: subsídios para práticas escolares. Brasília: MEC, 2009.

Denig, S. J. Multiple intelligences and learning styles: two complementary dimensions. Teachers College Record, v. 106, n. 1, p. 96-111, 2004.

Dunn, R. S.; Dunn, K. J. Teaching secondary students through their individual learning styles: practical approaches for grades 7-12. Boston: Allyn & Bacon, 1993.

Dunn, R. S.; Dunn, K. J. The complete guide to the learning styles in service system. Boston: Allyn & Bacon, 1999.

Gardner, H. Estruturas da mente: a teoria das inteligências múltiplas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul, 1994.

Gardner, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2000.

Gardner, H. O verdadeiro, o belo e o bom: os princípios básicos para a nova educação. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1999.

Gardner, H. et al. Inteligências múltiplas ao redor do mundo. Porto Alegre: Artmed Editora, 2010.

Garutti, S. A teoria das inteligências múltiplas como conceito de educação ambiental. Revista Intersaberes, v. 7, n. 14, p. 291- 308, 2012.

Lopes, A. A. et al. A teoria das inteligências múltiplas e suas contribuições para a educação. Caderno de Graduação: Ciências Humanas e Sociais, v. 3, n. 2, p. 153-168, 2016.

Miranda, M. J. A inteligência humana: contornos da pesquisa. Revista Paidéia, v. 12, n. 23, p. 19-29, 2002.

Miranda, M. G. Inteligência e contemporaneidade. Revista Trabalho e Educação, n. 4, p. 63-75, 1998.

Najmanovich, D. O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2001.

Nista-Piccolo, V. L. A closer look at the bodily-kinesthetic intelligence in Physical Education classes. Revista Quaestio, v. 22, n. 3, p. 683-698, 2020.

Nista-Piccolo, V. L. A Teoria das inteligências múltiplas. In: Balbino, H. (org.). Inteligências múltiplas. São Paulo: Editora SESC, 2015. v. 1, p. 45-65.

Nista-Piccolo, V. L. Educação Física, escola e as inteligências múltiplas. In: Moreira, W. W. et al. (org.). Educação Física, esporte, saúde e educação. Uberaba: Editora e Gráfica UFTM, 2010. v. 1, p. 51-80.

Nista-Piccolo, V. L. Manifestações da inteligência humana na aprendizagem. In: Romaguera, A. R. T.; Pimenta, M. A. A. (org.). Univer-Cidade em encontros: educação, cultura e arte. Sorocaba: Editora Eduniso, 2017. p. 153-169.

Nista-Piccolo, V. L.; Silva, Y. M.; Mello, F. L. A inteligência humana e o cotidiano escolar. Série-Estudos, v. 23, n. 47, p. 27-41, 2018.

Rasche, V. M. M.; Kude, V. M. M. Pigmalião na sala de aula: quinze anos sobre as expectativas do professor. Cadernos de Pesquisa, n. 57, p. 61-70, 1986.

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, M. B. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso Editora, 2013.

Santos, J. L. G. et al. Perspectivas metodológicas para o uso da teoria fundamentada nos dados na pesquisa em enfermagem e saúde. Escola Anna Nery, v. 20, n. 3, p. 1-8, 2016.

Silva, T. F.; Bérgamo, R. B. As inteligências múltiplas e o processo de ensino e aprendizagem. In: VII Educere – Congresso Nacional da Área da Educação, 7., 2004, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Educere, 2004.

Silva, V. L. T.; Nista-Piccolo, V. L. Dificuldade de aprendizagem na perspectiva das inteligências múltiplas: um estudo com um grupo de crianças brasileiras. Revista Portuguesa de Educação, v. 23, n. 2, p. 191-211, 2010.

Silva, Y. M. Um olhar sobre a inteligência humana manifestada no cotidiano escolar. 2018. 203 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Sorocaba, Sorocaba, 2018.

Simon, M. S. Novos tempos – novos paradigmas para a educação: limites e desafios. Revista Educação por Escrito, v. 3, n. 2, p. 5-15, 2012.

Sternberg, R. J. Beyond IQ: a triarchic theory of human intelligence. New York: Cambridge University Press, 1985.

Strauss, A.; Corbin, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. 2. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2008.

Szymanski, H.; Almeida, L. R.; Prandini, R. C. A. R. A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Plano Editora, 2002.

Tarozzi, M. O que é a Grounded Theory? Metodologia de pesquisa e de teoria fundamentada nos dados. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

Zylberberg, T. P. Possibilidades corporais como expressão da inteligência humana no processo de ensino-aprendizagem. 2007. 280 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

Zylberberg, T. P.; Nista-Piccolo, V. L. As contribuições dos estudos sobre inteligência humana para a pedagogia do esporte. Revista Pensar a Prática, v. 11, n. 1, p. 59-68, 2008.

Downloads

Publicado

25-05-2021