“Tempo de Aprender”: uma proposta do Ministério da Educação para professores alfabetizadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a4933

Palavras-chave:

Alfabetização. Educação infantil. Ensino fundamental. Formação de professores.

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar e problematizar a formação continuada para professores alfabetizadores, promovida pelo Ministério da Educação em 2020. Trata- -se do programa “Tempo de Aprender”, instituído pela portaria nº 280/2020, que segue o direcionamento da Política Nacional de Alfabetização e prevê a aplicação de práticas baseadas em evidências científicas nacionais e internacionais, com ênfase na ciência cognitiva da leitura e na neurociência. O “Tempo de Aprender” está organizado na modalidade online e presencial e destina- -se prioritariamente aos professores alfabetizadores sendo indicado para o último ano da Educação Infantil e para o primeiro e segundo anos do Ensino Fundamental. Por meio de um estudo exploratório, descritivo e qualitativo, analisaram-se os vinte e um vídeos dos módulos 1, 2 e 3, disponibilizados na modalidade online do curso, focando na organização da formação, nas concepções teórico metodológicas indicadas para o ensino da leitura e da escrita das crianças e nas orientações direcionadas ao professor. Os dados do estudo indicam uma perspectiva reducionista do curso, por meio de instrução programada, por etapas e com materiais previamente determinados. A concepção é de preparação por meio de atividades de prontidão para a alfabetização, em que a perspectiva social e cultural do sujeito é desconsiderada.

 

Biografia do Autor

Gabriela Medeiros Nogueira, Universidade Federal do Rio Grande, Campus Carreiros, Instituto de Educação

Professora Associada na Universidade Federal do Rio Grande-FURG. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas. Lider do Grupo de Estudo e Pesquisa em Alfabetização e Letramento - GEALI. Pós-doutorado na Univerity of Canterbury-NZ e pela University Illinois in Urbana Champaing- UIUC. 

Janina Soares Martins Lapuente, Universidade Federal do Rio Grande, Campus São Lourenço do Sul, Instituto de Educação

Professora adjunta na Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Pelotas. Integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Alfabetização e Letramento - GEALI

Referências

Associação Brasileira de Alfabetização. Posicionamento da ABAlf frente ao Programa de Alfabetização “Tempo de Aprender”. Florianópolis: ABAlf, 2020. Disponível em: https://www.abalf.org.br/?page_id=69. Acesso em: 15 mar. 2020.

Albuquerque, E. B.; Leite, T. M. Explorando as letras na Educação Infantil. In: Brandão, A. C.; Rosa, E. C. (org.). Ler e escrever na Educação Infantil: discutindo práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 93-115.

Barbosa, M. C. Por amor e por força: rotinas na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2006.

Bogdan, R.; Biklen, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução a teoria e aos métodos. Porto: Porto Ed., 1994.

Brandão, A. C.; Leal, T. F. Alfabetizar e letrar na Educação Infantil: o que isso significa. In: Brandão, A. C.; Rosa, E. C. (org.). Ler e escrever na Educação Infantil: discutindo práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 13-31.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução nº 5/09. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2009.

Brasil. Ministério da Educação. Portaria nº 280, de 19 de fevereiro de 2020. Institui o Programa Tempo de Aprender, que dispõe sobre a alfabetização no âmbito do Governo Federal. Brasília: MEC, 2020a.

Brasil. Ministério da Educação. Política Nacional de Alfabetização: Programa Tempo de Aprender. Brasília: MEC, 2020b. Disponível em: http://alfabetizacao.mec.gov.br/tempo-de-aprender. Acesso em: 31 mar. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. Formação continuada em práticas de alfabetização do Programa Tempo de Aprender. Brasília: MEC, 2020c Disponível em: http://avamec.mec.gov.br/#/instituicao/sealf/curso/5401/visualizar. Acesso em: 31 mar. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. MEC lança programa Tempo de Aprender para aprimorar alfabetização do país. Ministério da Educação, Brasília, 18 fev. 2020d. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/busca-geral/12-noticias/acoes-programas-e-projetos- 637152388/85721-mec-lanca-programa-tempo-de-aprender-para-aprimorar-a-alfabetizacao-no-pais. Acesso em: 10 abr. 2020.

Corsino, P. et al. Leitura e escrita na Educação Infantil: concepções e implicações pedagógicas. In: Ministério da Educação (org.). Crianças como leitoras e autoras. Brasília: MEC, 2016. (Coleção Leitura e Escrita na Educação Infantil, caderno 5).

Ferreiro, E.; Teberosky, A. A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

Frade, I. Alfabetização hoje: onde estão os métodos? Presença Pedagógica, v. 9, n. 50, p. 17-29, 2003.

Frade, I. C. A. S. Um paradigma científico e evidências a ele relacionadas resolveriam os problemas da alfabetização brasileira? Revista Brasileira de Alfabetização, v. 1, n. 10, p. 66-75, 2019.

Lucas, M. A. O. F. Os processos de alfabetização e letramento na educação infantil: contribuições teóricas e concepções de professores. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

Macedo, M. S. A. N. Por uma alfabetização transformadora. Revista Brasileira de Alfabetização, v. 1, n. 10, p. 63-65, 2019.

Maciel, F. I. P. Onde estão as pesquisas sobre alfabetização no Brasil? Revista Brasileira de Alfabetização, v. 1, n. 10, p. 58-59, 2019.

Morais, A. G. Se a escrita alfabética é um sistema notacional (e não um código), que implicações isto tem para a alfabetização? In: Morais, A. G.; Albuquerque, E. B. C.; Leal, T. F. Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Morais, A. G. Consciência fonológica na Educação Infantil e no ciclo de alfabetização. Belo Horizonte: Autêntica, 2019a.

Morais, A. G. Análise crítica da PNA (Política Nacional de Alfabetização imposta pelo MEC através do decreto em 2019. Revista Brasileira de Alfabetização, v. 1, n. 10, p. 66-75, 2019b.

Morais, A. G.; Silva, A. Consciência fonológica na Educação Infantil: desenvolvimento de habilidades metalinguísticas e aprendizado da escrita alfabética. In: Brandão, A. C.; Rosa, E. C. (org.). Ler e escrever na Educação Infantil: discutindo práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 73-91.

Mortatti, M. R. L. Brasil, 2091: notas sobre a “Política Nacional de Alfabetização”. Olhares: Revista Eletrônica do Departamento de Educação da Unifesp, v. 7, n. 3, p. 17-51, 2019. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares. Acesso em: 5 fev. 2020.

Nogueira, G. M. A passagem da educação infantil para o 1º ano no contexto do Ensino Fundamental: um estudo sobre alfabetização, letramento e cultura lúdica. 2011. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2011.

Schwartz, C. M.; Frade, I. C. S.; Macedo, M. S. A. N. Grupos de pesquisa em alfabetização no Brasil: diálogos com redes de pesquisa. Roteiro, v. 44, n. 3, p. 1-26, 2019.

Soares, M. Alfabetização e letramento. São Paulo: Contexto, 2004a.

Soares, M. Letramento e escolarização. In: Ribeiro, V. M. (org.). Letramento no Brasil reflexões a partir do INAF, 2001. São Paulo: Global, 2004b. p. 89-114.

Soares, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, p. 5-17, 2004c.

Soares, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

Downloads

Publicado

16-03-2021