Uma proposta com multiletramentos no atendimento educacional especializado na alfabetização do aluno autista

Autores

  • Soraya Gonçalves Celestino da Silva Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Língua Portuguesa e Linguística, Programa de Pós-Graduação em Linguística http://orcid.org/0000-0002-3521-5429
  • Evangelina Maria Brito de Faria Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Língua Portuguesa e Linguística, Programa de Pós-Graduação em Linguística http://orcid.org/0000-0003-2114-1913

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a4926

Palavras-chave:

Aquisição de escrita. Autismo. Mulitletramentos

Resumo

Este estudo, recorte de uma pesquisa de doutorado, aborda o uso dos multiletramentos na perspectiva de que o saber é observado sob o ponto de vista multimodal: letras, imagens, sons e a sinalização para novas habilidades, demandadas por uma nova organização textual, mais hibrida e interligada. Neste sentido, objetiva-se analisar o processo de aquisição da linguagem escrita de uma criança autista em ambientes tecnológicos, a partir dos multiletramentos, no atendimento educacional especializado. Teoricamente, a discussão apoia-se nos pressupostos interacionistas. A pesquisa de natureza qualitativa, baseada na metodologia de pesquisa-ação e no estudo de caso, desenvolveu-se a partir da sequência didática (quatro módulos), elaborada através da pedagogia dos multiletramentos e aplicada no Atendimento Educacional Especializado de um aluno autista com onze anos, matriculado no 3º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública de Olinda (PE). A partir do estudo, verificou-se que a utilização dos multiletramentos contribuiu para o avanço das habilidades da escrita desse aluno, abrindo perspectivas didáticas para o trabalho com crianças autistas. Os dados analisados apontam para a necessidade de a escola incorporar recursos multimodais, que contribuam para a aquisição da linguagem escrita.

Biografia do Autor

Soraya Gonçalves Celestino da Silva, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Língua Portuguesa e Linguística, Programa de Pós-Graduação em Linguística

Doutoranda en Linguística pela UFPB, Mestre em Linguística pela UFPB. Professora do atendimento educacional especializado em sala de recursos multifuncional em dois municípios de Olinda e Paulista em Pernambuco.

Evangelina Maria Brito de Faria, Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Língua Portuguesa e Linguística, Programa de Pós-Graduação em Linguística

Professora Doutora Titular da Universidade Federal da Paraíba- Centro de Ciências Humanas e Artes. Membro do Programa de Pós-Graduação de Linguística da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

Brasil. Ministério da Educação. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo básico de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do ensino fundamental. Brasília: MEC, 2012a.

Brasil. Presidência da República. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário da União: seção 1, Brasília, p. 6, 11 nov. 2011. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7611.htm. Acesso em: 30 jun. 2019.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, p. 207, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394. htm. Acesso em: 30 jun. 2019.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de proteção dos direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3o do art. 98 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, p. 2, 27 dez. 2012b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/ Lei/L12764.htm. Acesso em: 20 ago. 2019.

Dawkins, R. The Selfish Gene. Editora: Oxford University Press, 1976.

Dolz, J.; Noverraz, M.; Schneuwly, B. Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: Dolz, J.; Noverraz, M.; Schneuwly, B. et al. (org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 81-108.

Ferreiro, E. Reflexões sobre alfabetização. 26. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

Franco, M. A. R. S. Pedagogia e prática docente. São Paulo: Cortez, 2012.

Frade, I. C. A. S. et al. Tecnologias digitais na alfabetização: o trabalho com jogos e atividades digitais para aquisição do sistema alfabético e ortográfico de escrita. Belo Horizonte: UFMG, 2018.

Laurindo, A. P. B. Atendimento Educacional Especializado da criança com transtorno do espectro do autismo: uma proposta com os multiletramentos. In: III Cintedi, 3., 2018, Campina Grande. Anais eletrônicos [...]. Campina Grande: UEPB, 2018. p. 1-11. Disponível em: http://cintedi.com.br/2018/. Acesso em: 12 fev. 2020.

Maia, M. S. D.; Jacomelli, M. K. A importância do ensino especializado, na sala de recursos, como estratégia de aprendizagem na formação da criança com TEA. Revista Psicologia & Saberes, v. 8, n. 11, p. 320-337, 2019. Disponível em: https://scholar. googleusercontent.com/scholar?q=cache:cwBqehEL3XIJ:scholar.google.com. Acesso em: 15 nov. 2019.

Ribeiro, A. L. Aquisição da escrita na era virtual: incorporando os jogos digitais online. In: Simpósio Internacional de Ensino da Língua Portuguesa, 2., 2012, Uberlândia. Anais eletrônicos [...]. Uberlândia: EDUFU, 2012. p. 1-11. Disponível em: http://www. ileel.ufu.br/anaisdosielp/wp-content/uploads/2014/06/volume_2_artigo_030.pdf. Acesso em: 16 jan. 2020.

Rojo, R. H. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

Rojo, R. H. (org.). Escola conectada: os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

Rojo, R. H.; Moura, E. Letramento, mídias, linguagem. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

Sampaio, C. M. T.; Oliveira, G. F. O. Desafio da leitura e da escrita em crianças com perturbação do espectro do autismo. Id on Line: Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 11, n. 36, p. 343-362, 2017. https://doi.org/10.14295/idonline.v11i36.796

Santarosa, L. M. C.; Conforto, D.; Vieira, M. C. Tecnologias e acessibilidade: passos em direção à inclusão escolar e sócio digital. Porto Alegre: Evangraf, 2014.

Santarosa, L. M. C.; Conforto, D. Tecnologias móveis na inclusão escolar e digital de estudantes com transtornos de espectro autista. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 21, n. 4, p. 349-366, 2015.

Silva, J. A. et al. As tecnologias digitais da informação e comunicação como mediadoras na alfabetização de pessoas com transtorno do espectro do autismo: uma revisão sistemática da literatura. Texto livre: Linguagem e Tecnologia, v. 1, n. 13, p. 1-20, 2020. https://doi.org/10.17851/1983-3652.13.1.45-64

Soares, M. Letramento: um tema em três gêneros. São Paulo: Editora Contexto, 2006.

Vilas Boas, V. A. P.; Vallin, C. Alfabetização de crianças utilizando recursos tecnológicos. Revista Eletrônica de Educação, v. 7, n. 2, p. 63-74, 2013. https://doi.org/10.14244/19827199745

Vygotski, L. S. La prehistoria del desarrollo del lenguaje escrito. In: Vygotski, L. S. Obras escogidas III. Madrid: Viso, 1995.

Vygotski, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Vygotski, L. S. A pré-história da linguagem escrita. In: Vygotski, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. p. 119-136.

Downloads

Publicado

05-04-2021