Práticas de alfabetização: retratos de um cenário escolar público em Porto Alegre (Rio Grande do Sul)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v26e2021a4860

Palavras-chave:

Alfabetização. Ensino fundamental. Escrita. Leitura. Práticas pedagógicas.

Resumo

Este artigo se propõe a investigar quais são as práticas pedagógicas utilizadas em contextos de alfabetização no 1º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública estadual de Porto Alegre (Rio Grande do Sul). Ancorando- -se na perspectiva histórico-cultural de Vigotski de 1998 e 2008, essas práticas são apresentadas com foco na aquisição da leitura e do sistema alfabético da escrita, justificando a ênfase do estudo na alfabetização. Os dados coletados na pesquisa, de natureza qualitativa, evidenciam potencialidades e limitações no que se refere ao desempenho dos estudantes. Como resultados, o cenário da investigação revelou fazeres docentes centrados no ensino, no cumprimento do planejamento, na execução de todas as tarefas propostas no plano do professor, na ausência de diálogo entre família e escola, na escassez de oportunidades para a formação continuada dos professores, no compromisso dos docentes com a alfabetização dos alunos, na realização de atividades que focam em jogos, na contação de histórias e na escrita.

Biografia do Autor

Melina Borges Omitto, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Escola de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Educação

Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Atuou como bolsista integral CNPq vinculada à linha de Pesquisa: Formação, Políticas e Práticas em Educação na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Especialista em Psicopedagogia nas Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas (METROCAMP) e Graduada em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUCCAMP). Exerceu a docência em escolas de Educação infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental em redes de ensino público municipal, nas cidades de Jundiaí/SP, Campinas/SP e Piracicaba/SP. Também foi professora na rede escolar SESI/SP e nas escolas privadas Brasinha e João e Maria em Campinas/SP. Atualmente é tutora pedagógica no curso de Pedagogia na Universidade do Norte do Paraná (UNOPAR) no pólo de Piracicaba/SP.

Maria Inês Côrte Vitória, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Escola de Humanidades, Programa de Pós-Graduação em Educação

Possui Graduação em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Brasil; Doutorado em Educação pela Universidade Santiago de Compostela (USC), Espanha. Pós-Doutorado pela Universidade Santiago de Compostela (USC), Espanha. Atuou como professora da Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Escola de Humanidades da PUCRS, gestora de Avaliação Institucional da Assessoria de Planejamento e Avaliação (ASPLAN) da PUCRS e editora da Revista Educação Por Escrito, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu) da Escola de Humanidades da PUCRS. Integrou a equipe do Observatório de Educação, responsável pela área de Escrita Acadêmica (CAPES/PPGEdu/PUCRS). Coordenou Cursos de Extensão - produto das investigações desenvolvidas pelo Grupo de Pesquisa ?Teorias e Práticas na Formação de Educadores?- em contextos de Educação de Jovens e Adultos/EJA. Coordenou o Grupo de Pesquisa Teorias e Práticas na Formação de Educadores (PPGEdu/Escola de Humanidades/PUCRS), que chancela o Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão sobre Engagement e Avaliação Institucional (GEPEEAI/PUCRS) e o Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão sobre Escrita Acadêmica na Educação Básica e na Educação Superior (GEPEEA). Atualmente é PHD em Educação pela Universidad Santiago de Compostela/Espanha, professora Colaboradora da Universidade Santiago de Compostela/Espanha e professora Colaboradora do Instituto Brasileiro de Direito /Ibi Jus/RS/Brasil

Referências

Araújo, J. B. Revisitando práticas pedagógicas bem-sucedidas na alfabetização de crianças. 2011. 124 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2011.

Becker, F.; Marques, T. B. I. Ser professor é ser pesquisador. Porto Alegre: Mediação, 2007.

Brasil. Ministério de Educação, Secretaria da Educação Básica. Ensino Fundamental de nove anos: orientações gerais. Brasília: MEC, 2004.

Brasil. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: documento preliminar. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 23 mar. 2020.

Carlino, P. Alfabetización académica: un cambio necesario, algunas alternativas posibles. Mérida: Educere, 2005.

Colello, S. Alfabetização e letramento: repensando o ensino da língua escrita. Videtur, v. 29, 2004.

Ferreiro, E. A psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artemed, 1999.

Ferreiro, E. Cultura escrita e educação: conversas de Emília Ferreiro com José Antonio Castorina, Daniel Goldin e Rosa Maria Torres. Porto Alegre: Artmed, 2001.

Ferreiro, E. Passado e presente dos verbos ler e escrever. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002. (Questões da nossa época, v. 95).

Gandin, D. Planejamento como prática educativa. São Paulo: Loyola, 2002.

Gil, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002

Gravatá, A. et al. Volta ao mundo em 13 escolas. São Paulo: Fundação Telefônica, 2013. Disponível em: https://drive.google.com/ file/d/0B8JVCyw9taFseUJ6WHo5aEtxcWc/edit. Acesso em: 14 nov. 2018.

Luckesi, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e pre-posições. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

Maluf, A. C. M. Brincar: prazer e aprendizado. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2009

Menegolla, M.; Sant’anna, I. M. Por que planejar? Como planejar? 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

Monteiro, S. M. Ambiente Alfabetizador. In: Glossário Ceale: termos de alfabetização, leitura e escrita para educadores. Belo Horizonte: UFMG, 2014. Disponível em: http://www.ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/ambiente-alfabetizador. Acesso em: 16 out. 2018.

Moraes, R.; Galiazzi, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

Oliveira, M. K. Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio-histórico. 4. ed. São Paulo: Scipione, 2002.

Omitto, M. B. et al. Inovação no ensino superior: formação docente e práticas pedagógicas em foco. In: X Congresso Íbero-Americano de Docência Universitária, 10., 2018, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: Edipucrs, 2018.

Piccoli, L.; Camini, P. Práticas pedagógicas em alfabetização: espaço, tempo e corporeidade. Erechim: Edelbra, 2012.

Soares, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, p. 1-13, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n25/n25a01.pdf. Acesso em: 16 nov. 2017.

Tolotti, A. P. A. Era uma vez... e fim. Um estudo sobre as produções escritas de alunos de turmas de B10 (4º ano) de uma escola da rede municipal de ensino de Porto Alegre. 2018, 80 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

Vasconcellos, C. S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem e projeto educativo. São Paulo: Libertad, 1995.

Vasconcellos, C. S. Planejamento projeto de ensino-aprendizagem e projeto político-pedagógico. 7. ed. São Paulo: Libertad, 2000.

Vigotski, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

Vigotski, L. S. Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Downloads

Publicado

05-04-2021