“Letras negras” em Quartos de Despejo: diálogos entre Carolina Maria de Jesus, o hip-hop e os letramentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2595-9557v4e2021a4975

Palavras-chave:

Análise do discurso. Educação não formal. Interseccionalidade. Subjetividades negras.

Resumo

O presente trabalho objetiva apontar a conectividade entre a música “Letras Negras” de 2017, de Larissa Luz, e o livro Quarto de despejo: diário de uma favelada de 1960, de Carolina Maria de Jesus. A canção escolhida faz parte do Movimento Hip-Hop, entendido como agência de letramento e produção de saberes da educação não formal. Filiados à Análise do Discurso e aos Estudos Feministas Negros e tendo a educação não formal como foco, serão analisadas as regularidades presentes nos objetivos do Movimento Negro Brasileiro e do Movimento Hip-Hop na construção da coletividade, pertencimento e elevação da autoestima de negra/os e como esses aspectos são expressos nas obras analisadas. Concluiu-se que ambos os Movimentos contêm processos educativos e podem ser considerados infames na perspectiva foucaultiana e, a partir de sua sobrevivência ao choque com o poder, tornaram-se mecanismos de denúncia e resgate das subjetividades negras silenciadas pela supremacia branca por meio de opressões interseccionais.

Biografia do Autor

Vanilce Farias Gomes, Universidade Federal da Grande Dourados, Faculdade de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia.

Bacharel e Licenciada em Psicologia pelo Centro Universitário da Grande Dourados (UNIGRAN). Mestranda em Psicologia na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Professor Associado na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) na Graduação e Pós-Graduação em Psicologia e na Residência Multiprofissional em Saúde

Conrado Neves Sathler, Universidade Federal da Grande Dourados, Faculdade de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia.

Doutor em Linguística Aplicada (Unicamp). Mestre em Psicopatologia e Psicologia clínica (ISPA). Professor Associado na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) na Graduação e Pós-Graduação em Psicologia e na Residência Multiprofissional em Saúde.

Referências

Barcellos, S. S. Diários revisados: sujeitos retocados. Revista Escrita, v. 7, p. 1-12, 2006.

Barone, A. C. C. Carolina Maria de Jesus, uma trajetória urbana. In: XVI Enanpur, 16., 2015, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, 2015.

Bethuné, C. A propósito da expressão “menor”: o que o rap faz à cultura dominante. In: Amaral, C.; Carril, L. (org.). O hip-hop e as diásporas africanas na modernidade: uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. São Paulo: Alameda, 2015. p. 27-48.

Collins, P. H. Pensamento feminista negro. São Paulo: Boitempo, 2019.

Crenshaw, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

Dantas, A. Prefácio. In: Jesus, C. M. (ed.). Casa de alvenaria. São Paulo: Francisco Alves, 1961.

Dantas, A. Prefácio. In: Jesus, C. M. (ed.). Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960.

Domingues, P. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos histó-ricos. Tempo, v. 12, n. 23. p. 112-136, 2007a.

Domingues, P. Frentenegrinas: notas de um capítulo da participação feminina na história da luta anti-racista no Brasil. Cadernos Pagu, n. 28, p. 345-374, 2007b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0104-83332007000100015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 abr. 2020.

Fonseca, M. V. A arte de construir o invisível: o negro na historiografia educacional brasileira. Revista Brasileira de História da Educação, v. 7, n. 13, p. 11-50, 2007.

Fonseca, M. V. Apontamentos em relação às formas de tratamento dos negros pela história da educação. Revista História da Educação, v. 13, n. 28, p. 29-59, 2009.

Foucault, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2000.

Foucault, M. Arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

Foucault, M. A vida dos homens infames. In: Motta, M. B. (org.). Estratégia, poder-saber: ditos e escritos IV. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. p. 203-222.

Gonçalves, L. A. O.; Silva, P. B. G. Movimento negro e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 15, p. 134-158, 2000. Disponível em: http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782000000300009&lng =en&nrm=iso. Acesso em: 19 abr. 2020.

Hooks, B. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

Jesus, C. M. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1960.

Jesus, C. M. Casa de alvenaria: diário de uma ex-favelada. São Paulo: Francisco Alves, 1961.

Leão, M. A.; Ferreira, J. O. Arte e cidadania: hip-hop e educação. In: Amaral, C.; Carril, L. (org.). O hip-hop e as diásporas africanas na modernidade: uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. São Paulo: Alameda, 2015. p. 111-132.

Letras Negras. Larissa Luz. Palco manos e minas. São Paulo: Canal Manos e Minas, 2017. 1 vídeo (4h 44min). Disponível em: https://www.youtube. com/watch?v=ce1XHMP9S7c. Acesso em: 19 abr. 2020.

Martins, L. G. A gênese do caderno 11 de Carolina Maria de Jesus. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2017.

Miranda, F. R. Carolina Maria de Jesus e a literatura periférica contempo-rânea. Darandina Revisteletrônica, v. 3, n. 2, p. 1-12, 2010.

Miranda, F. R. Os caminhos literários de Carolina Maria de Jesus: expe-riência marginal e construção estética. 2013. Tese (Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

Nascimento, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016.

Osumare, H. “Marginalidades Conectivas” do hip hop na diáspora africana: os casos de Cuba e do Brasil. In: Amaral, M.; Carril, L. (org.). O hip hop e as diásporas africanas na modernidade: uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. São Paulo: Alameda, 2015. p. 63-92.

Perpétua, E. D. A vida escrita de Carolina Maria de Jesus. Belo Horizonte: Nandyala, 2014.

Quijano, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Lander, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 107-130.

Ratts, A. J. P. et al. Representações da África e da população negra nos livros didáticos de geografia. Revista da Casa da Geografia de Sobral, v. 8, n. 1, p. 4-15, 2006.

Santos, W. O. Espaços de negros e brancos em livros didáticos de Geografia do estado do Paraná, Brasil. Ciência e Educação (Bauru), v. 19, n. 4, p. 1027-1044, 2013.

Sousa, J. T. P. As insurgências juvenis e as novas narrativas políticas contra o estabelecido. Cadernos de Pesquisa, v. 32, p. 1-33, 2003.

Souza, A. L. S. Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola, 2011.

Teperman, R. Se liga no som: as transformações do rap no Brasil. São Paulo: Claro Enigma, 2015.

Downloads

Publicado

06-04-2021