Gravura e gráfica: reflexões

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2595-9557v4e2021a4974

Palavras-chave:

Gráfica. Gravura. Estética. Fotografia.

Resumo

O artigo propõe uma abordagem estética da gravura e da gráfica de estampa a partir de questões relativas à gravura em metal oriundas da experiência artística da autora. Reivindica o encavo ou incisão como ato primeiro desse tipo de gráfica artística, constituindo uma primeira imagem que se torna gráfica pela estampa, como imagem de outra imagem, índice e variante. A gravura de encavo (e de relevo) dilacera a matéria e pode ser compreendida como uma topografia da superfície, agindo na epiderme da massa no situs do confronto entre massa interna e espaço. A estampa registra esse instante, transformando-se em uma topografia da luz e da sombra rediviva no molde de papel. O artigo traça, ainda, paralelos com a estética da fotografia, notadamente a partir de François Soulages, entre outros. Finaliza situando breves questões do campo geral da gráfica, ou gráfica ampliada, incluindo os processos industriais e pós-industriais. Este artigo envolve reflexões inéditas realizadas desde 1995, aproximadamente.

 

 

Biografia do Autor

Laurita Ricardo de Salles, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Curso de Licenciatura em Artes Visuais, Departamento de Artes

Artista e pesquisadora na área  Grafica  e Arte e Tecnologia. Professora Associada II no  Curso de Licenciatura em Artes Visuais, Departamento de Artes/CCHLA/Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes/ UFRN/Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Coordenadora do Laboratório 10 Dimensões em parceria com o Media Lab/UFG. Pós-doutora pelo Media Lab/UFG/ Universidade Federal de Goiás em 2018. Ganhou a Bolsa Vitae de Artes 1998.

Referências

Bachelard, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Bachelard, G. A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Bachelard, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Bachelard, G. A terra e os devaneios da vontade: ensaio sobre a imaginação das forças. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Costella, A. Introdução à gravura e à sua história. Campos do Jordão: Mantiqueira, 1984.

Didi-Huberman, G. La ressemblance par contact. Archéologie, anachronisme et modernité de l’empreinte. In: Didi-Huberman, G. (ed.). L’Empreinte. Paris: Centre Georges Pompidou, 1997. p. 15-192.

Flocon, A. Traité du burin. Genebra: Pierre Cailler, 1954.

Focillon, H. A vida das formas. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

Geimer, P. Image as a trace: speculations about an undead paradigm. Brown University and differences: Journal of Feminist Cultural Studies, v. 18, n. 1, p. 1-22, 2007. Available from: https://ethz.ch/content/dam/ethz/special-interest/gess/wiss-dam/documents/publikationen/2007_Geimer- Image_as_Trace.pdf. Cited: Mayo 22, 2020.

Hayter, S. W. New ways of gravure. London: Oxford University, 1966.

Kim-Cohen, S. In the blink of an ear-toward a non-cochlear sonic art. New York: Continuum International Publishing Group Inc, 2009.

Leroi-Gourhan, A. Evolução e técnicas: homem e a matéria. Lisboa: Edições 70, 1984.

Machado, A. A arte do vídeo. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 1988.

Maciel, A. L. S. Feridas sob(re) a pele: cartografia das afecções sobre um corpo migrante em João Pessoa. In: XXVII Encontro da Anpap, 27., 2018, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: UNESP, 2018. p. 2648-2662.

Marin, L. “L’Être de l’image et son efficace”. In: Martin, L. Des pouvoirs de l’image Gloses. Paris: Éditions du Seuil, 1993.

Peirce, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva, 2000.

Salles, L. R. Gravura e Gráfica: matéria fendida, vestígio do corte. Natal: UFRN, 2010. (Material não-publicado).

Soulages, F. A estética da fotografia-perda e permanência. São Paulo: SENAC, 2010.

Downloads

Publicado

30-04-2021

Edição

Seção

Dossiê Tradição e Ruptura: Pesquisas e Práticas da Arte Impressa Contemporânea