São Paulo metrópole e colônia: planejamento urbano, segregação racial e espaço racializado | São Paulo metropolis and colony: urban planning, racial segregation, and racialized space

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0919v18e2021a5039

Palavras-chave:

Biopolítica, Necropolítica, Sociedade racializada, Territorialização, Urbanismo.

Resumo

Este artigo procura aproximar a disciplina do planejamento urbano e postulações de teóricos como Abdias Nascimento, Lélia Gonzalez, Csaba Deák, Sueli Schiffer, Michel Foucault e Achille Mbembe que, a partir de diferentes pontos de partida, caminham para a ideia de que o espaço urbano do século XX é resultado de relações de poder racializadas. Para tanto, recupera brevemente a história de São Paulo sob a ótica das relações econômicas, elabora um diagnóstico da atual segregação socioespacial na cidade e coloca esses elementos em uma perspectiva política e filosófica a partir da qual é possível pensar na cidade como tecnologia de controle de corpos fundada, por sua vez, por uma lógica colonizadora. Dessa forma, o presente artigo se insere em uma frente de trabalho do planejamento urbano que, levando em consideração os aspectos políticose econômicos do presente e do passado que levaram à desigualdade econômica suas diversas expressões no território, examina a cidade sob a ótica da segregação racial, entendida como fundamental para a perpetuação de práticas colonialistas.

Biografia do Autor

Clara Barzaghi, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura Tecnologia e Cidade

Flavio Antonio D'Ugo Bragaia, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura Tecnologia e Cidade

Referências

AUGUSTO, A. Guerra e pandemia: produção de um inimigo invisível contra a vida livre. São Paulo: n-1 edições, 2020. Disponível em: https://n-1edicoes.org/018. Acesso em: 15 mar. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Dados publicados pelo Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) e pelo Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC), do Departamento de Informações do SUS (DATASUS). Brasília: Ministério da Saúde, c2008. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0607. Acesso em: 15 jul. 2020.

CAVALLETTI, A. Mitologia de la seguridad: La ciudad biopolítica. Buenos Aires: Adriana Hidalgo Editora, 2010. p. 17-258.

COBOS, E. P. Crise econômica, política de austeridade e questão urbana na América Latina. Revista Espaço e Debates, ano 7, n. 23, p. 31-49, 1988.

COELHO, L. X. P.; CUNHA, I. M. D. Direito à cidade contra o desenvolvimento. Revista Direito e Práxis, 2020, v. 11, n. 1, p. 535-561, 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/48472/32642. Acesso em: 15 jul. 2020.

DEÁK, C. Elementos de uma política de transportes para São Paulo. Revista Espaço e Debates, n. 30, p. 42-55, 1990.

DEÁK, C.; SCHIFFER, S. (org.). O processo de urbanização no Brasil. São Paulo: Edusp/Fupam, 1999.

DEÁK, C.; SCHIFFER, S. São Paulo: the metropolis of an elite society. In: SEGBERS, K.; RAISER, S.; VOLMANN, K. (org.). The making of global city-regions. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2007. p. 85-112.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FERRAZ, G. Habitação no Brasil. Habitat, ano 12, n. 68, p. b, 1962.

FISHLOW, A. A economia política do ajustamento brasileiro aos choques do petróleo: uma nota sobre o período 1974/84. Revista Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 16, n. 3, p. 507-550, 1986. Disponível em: https://ppe.ipea.gov.br/index.php/ppe/article/viewFile/1019/958. Acesso

em: 15 mar. 2020.

FOUCAULT, M. Space, knowledge, and power. In: RABINOW, P. (org.). The Foucault reader. New York: Patheon Books, 1984. p. 239-256.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999. p. 132.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008. p. 431.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2009. p. 210.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, p. 223-244, 1984.

INSTITUTO BRASILERO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Tendências demográficas: uma análise dos resultados da sinopse preliminar do censo demográfico 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2001. Disponível em: https://bit.ly/3adS0ob. Acesso em: 15 mar. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9662-ensodemografico-2010.html?edicao=10503&t=resultados. Acesso em: 15 jul. 2020.

INSTITUTO BRASILERO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010: aglomerados subnormais: informações territoriais. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/pt/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=7552. Acesso em: 15 mar. 2020.

JARAMILLO, S. Crise dos meios de consumo coletivo urbano e capitalismo periférico. Revista Espaço e Debate, ano 6, n. 18, p. 19-39, 1986.

LAFER, C. O planejamento no Brasil. Observações sobre o plano de metas (1956-1961). In: MINDLIN, B. (org.). Planejamento no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1997. p. 29-50.

LOUREIRO, F. P. Empresários, trabalhadores e grupos de interesse: a política econômica nos governos Jânio Quadros e João Goulart, 1961-1964. 2012. 644 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. 2 v. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-22082012-105827/publico/2012_FelipePereiraLoureiro_VRev.pdf. Acesso em: 15 mar. 2020.

LOVATTO, A. Partidos, sindicatos e movimentos sociais nos anos 1950-64: balanço históricobibliográficopreliminar. Aurora, v. 5, n. 1, p. 196-212, 2011. Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/aurora/article/view/1714. Acesso em: 15 abr. 2020.

MARICATO, E. Metrópoles desgovernadas. Revista Estudos Avançados, v. 25, n. 71, p. 7-12, 2011.

MARQUES, M. S. B. Inflação e política macroeconômica pós 1º Choque do Petróleo. 1991. 288 f. Tese (Doutorado em Economia) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1991. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/13092. Acesso em: 15 abr. 2020.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018a.

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1 edições, 2018b. p. 17-71.

MBEMBE, A. O fardo da raça: entrevistas com Achille Mbembe à Arlette Fargeau e a Catherine Portevin. São Paulo: n-1 edições, 2018c. p. 11.

NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva, 2016. p. 85.

PATERNIANI, S. Z. São Paulo cidade negra: branquidade e afrofuturismo a partir de lutas por moradia. 2019. 342 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, 2019. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/35466. Acesso em: 15 abr. 2020.

PRECIADO, P. Aprendendo do vírus. São Paulo, n-1 edições, 2020. Disponível em: https://n-1edicoes.org/007. Acesso em: 15 jul. 2020.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Portal GeoSampa. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, [201-?]. Disponível em: http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/. Acesso em: 11 maio 2021.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento. Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). São Paulo: Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento, c2017a. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/urbanismo/dados_

estatisticos/info_cidade/trabalho/index.php?p=260362. Acesso em: 15 jul. 2020.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social. Diagnóstico socioassistencial elaborado pelo Centro de Geoprocessamento e Estatística (CGEO). São Paulo: Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, c2017b. Disponível em:

https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/assistencia_social/observatorio_social/mapas/index.php?p=2012. Acesso em: 15 abr. 2020.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Saúde. Dados publicados pela Coordenação de Epidemiologia e Informação (CEInfo). São Paulo: Secretaria Municipal de Saúde, c2017c. Disponível em: http://tabnet.saude.prefeitura.sp.gov.br/cgi/tabcgi.exe?secretarias/saude/TABNET/minf/mortinf.def. Acesso em: 15 jul. 2020.

REDE NOSSA SÃO PAULO. Mapa da desigualdade 2019. São Paulo: Rede Nossa São Paulo, 2019. Disponível em: https://www.nossasaopaulo.org.br/2019/11/05/mapa-da-desigualdade-2019-e-lancado-em-sao-paulo/. Acesso em: 15 jul. 2020.

ROSSI, M. Mais tempo no ônibus que no trabalho. El País Brasil, São Paulo, 23 mar. 2015. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2015/03/23/politica/1427126376_249449.html. Acesso em: 15 jul. 2020.

SANTOS, E. L. et al. Desenvolvimento: um conceito em construção. DRD: Desenvolvimento Regional em Debate, v. 2, n. 1, p. 44–61, 2014. Disponível em: http://www.periodicos.unc.br/index.php/drd/article/view/215. Acesso em: 20 abr. 2021.

SENNETT, R. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. São Paulo: Editora Record, 2003. p. 270.

SOUZA, F. Como é a rotina dos trabalhadores que passam quase um terço do dia dentro de ônibus, metrô ou trem. BBC News Brasil, São Paulo, 14 jan. 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46226332. Acesso em: 15 jul 2020.

TAYLOR, D. Testigo de las ruínas. In: RODRIGUEZ, M. (org.). Mapa teatro: el escenario. Bogotá: Editorial Universidad Nacional de Colombia, 2018. p. 317-330.

TRANI, E. Mobilidade urbana e agravamento das condições de deslocamento domicílio-trabalho na RMSP. Revista Espaço e Debates, ano 6, n. 18, p. 46-54, 1986.

WEIZMAN, E. Vigiar o passado e o futuro através do vírus. São Paulo: n-1 edições, 2020. Disponível em: https://n-1edicoes.org/055. Acesso em: 15 jul. 2020.

Downloads

Publicado

18-05-2021

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa