Entre a cultura popular e a resistência: a trajetória de Lina Bo Bardi e Hélio Oiticica | Between popular culture and resistance: the trajectory of Lina Bo Bardi and Hélio Oiticica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0919v18e2021a4906

Palavras-chave:

Arte e arquitetura, Brasil, anos 1950 e 1960, Engajamento social, Produção cultural.

Resumo

Durante os primeiros anos da década de 1960, no período que permeia o golpe militar no Brasil, houve um momento singular em que os profissionais das artes e da arquitetura estiveram interessados em sair de suas estritas esferas, posicionando-se politicamente ao repensar a produção cultural e visando estreitar a relação com as camadas populares e mudar a situação estabelecida. Nesse contexto, dentre diversos agentes, pode-se recortar os nomes da arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (Roma, 1914 – São Paulo, 1992) e do artista carioca Hélio Oiticica (Rio de Janeiro, 1937 – Rio de Janeiro, 1980) como protagonistas na construção de um pensamento que buscou, sobretudo, caminhos para questionar o status quo. Atuando em lugares distintos e pertencentes a diferentes gerações e campos de atuação, suas trajetórias em nenhuma ocasião se cruzaram, apesar de apresentarem uma forte afinidade de convicções. Sendo assim, este trabalho busca mobilizar uma reflexão acerca das interlocuções entre as produções de Bo Bardi e de Oiticica com a cultura popular, reconhecendo essa aproximação como uma forma de resistência à difícil realidade do Brasil durante a ditadura militar. Para tanto, determinadas atividades desenvolvidas são colocadas em uma mesma perspectiva e analisadas,
objetivando contribuir para a imagem de um potente fenômeno cultural que lutou por um maior
engajamento social e político.

Biografia do Autor

Paulo Arthur Silva Aleixo, Universidade Federal de Goiás

Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, Programa de Pós-Graduação em Projeto e Cidade

Eline Maria Mora Pereira Caixeta, Universidade Federal de Goiás

Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, Programa de Pós-Graduação em Projeto e Cidade

Referências

BARDI, L. B. Tempos de grossura: o design no impasse. São Paulo: Instituto Lina Bo e P. M. Bardi, 1994. p.24-37.

CARNEIRO, L.; PRADILLA, I. Lygia Pape: entrevista a Lucia Carneiro e Ileana Pradilla. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998. p. 21.

DUNN, C. Brutalidade jardim: a tropicália e o surgimento da contracultura brasileira. São Paulo: UNESP, 2009.

GRINOVER, M. Uma ideia de arquitetura: escritos de Lina Bo Bardi. São Paulo: Annablume, 2018.

HOLLANDA, H. B.; GONÇALVES, M. A. Cultura e participação nos anos 60. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 89.

LIMA, Z. Lina Bo Bardi. London: Yale University Press, 2013.

OITICICA, H. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986. p. 99.

OITICICA FILHO, C. (org.). Hélio Oiticica: o museu é o mundo. Rio de Janeiro: Azougue, 2011. p. 73-99.

RISÉRIO, A. Avant-garde na Bahia. São Paulo: Instituto Lina Bo Bardi e P. M. Bardi, 1995.

SALOMÃO, W. Hélio Oiticica: qual é o parangolé? e outros escritos. São Paulo: Companhia das Letras, 2015. p. 74.

SCHWARZ, R. O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

VENTURA, Z. 1968: o ano que não terminou. 23. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

Downloads

Publicado

01-03-2021

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa