Florianópolis: debaixo da ponte, em cima do morro e no muro da rua: entre grafites e lugares à margem | Florianópolis: under the bridge, over the hill and on the wall: among graffiti and marginal places

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0919v18e2021a4807

Palavras-chave:

Áreas Deterioradas, Arte Urbana, História, Percepção Ambiental, Santa Catarina.

Resumo

Este artigo tem como objetivo contrapor-se às imagens de cartão postal de Florianópolis produzindo outra leitura da cidade através das histórias que podem ser recontadas por debaixo das pontes, em cima dos morros e nos muros das ruas, a partir dos signos que são deixados pelos grafites em alguns lugares à margem. Caminhando sobre a passarela e debaixo das pontes que ligam o continente à parte insular, subindo a pé o maciço do Morro da Cruz, até chegar à comunidade carente de Monte Serrat, no Morro do Antão, e percorrendo as áreas históricas do centro expandido, é possível desvelar cidades dentro da cidade, as quais foram sendo apagadas através dos tempos e que, agora, saltam aos olhos quando sofrem as interferências das linguagens da rua. É produto de um projeto de pesquisa que reforça o viés da percepção ambiental utilizando um instrumental que conduz para uma leitura dinâmica das narrativas urbanas. Tem como estratégia o caminhar como prática estética, de maneira a produzir novos olhares que se valem da fenomenologia e da semiótica apresentando, assim, como resultados das andanças, relatos de vivências e fotografias de contextos singulares que podem fazer-ver processos de renovação urbana em curso e as marcas esquecidas do passado, além de instigar outros modos de ver a cidade e os seus lugares.

Biografia do Autor

Evandro Fiorin, Universidade Federal de Santa Catarina

Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Departamento de Arquitetura e Urbanismo

Referências

ALMEIDA, S. F.; SALDANHA, M. Ruína como resistência: um lugar estranho num promontório de desejos. Revista Arq/a, v. 1, n. 112, p. 108-111, 2014.

BENJAMIN, W. Rua de mão única. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. (Obras Escolhidas, v. 2).

BERNARDY, G. Conheça o autor dos camaleões desenhados por Floripa. Gshow, Florianópolis, 2016. Disponível em: http://gshow.globo.com/RBS-TV-SC/Mistura-com-Camille-Reis/noticia/2016/11/conheca-o-autor-dos-camaleoes-desenhados-por-floripa.html. Acesso em: 18 set. 2019.

CARERI, F. Walkscapes: o caminhar como prática estética. São Paulo: Gustavo Gili, 2013.

CARERI, F. Caminhar e parar. São Paulo: Gustavo Gili, 2017. p. 21-102.

COELHO, M. C. Ruínas urbanas. Esboços, n. 4, p. 39-45, 1996.

FERRARA, L. D. Redesenho de uma ideia. Cadernos de Arquitetura. Bauru: FAAC, 1996.

FERRARA, L. D. Significados urbanos. São Paulo: Edusp, 2000.

FERRARA, L. D. Design em espaços. São Paulo: Rosari, 2002. p. 129.

FILARDO, P. Pichação (pixo): histórico (tags), práticas e a paisagem urbana. Vitruvius, ano 16, n. 187.00, 2015. Arquitextos. Disponível em: https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/16.187/5881. Acesso em: 13 abr. 2020.

FIORIN, E. Áreas urbanas marginais e projetos experimentais: subjetividades subalternas e suas territorialidades em cidades do noroeste de São Paulo. Oculum Ensaios, v. 14, n. 3, p. 481-500, 2017. https://doi.org/10.24220/2318-0919v14n3a3710

FIORIN, E. Caminhar como estrangeiro em terras de descobrimentos: processos de percepção da arquitetura e urbanismo contemporâneos. Tupã: ANAP, 2020. Disponível em: https://www.amigosdanatureza.org.br/biblioteca/livros/item/cod/207. Acesso em: 14 maio 2020.

FIORIN, E.; MEDICE, M. J. L. Cartografia que caminha: transurbanogramas da Ilha de Santa Catarina. Revista Pixo, v. 11, n. 3, p. 78-91, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/pixo/article/view/17385. Acesso em: 13 maio 2020.

GEHL, J. Cidades para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2015.

GOMES, J. Com parceria público-privada, Praça do Monte Serrat, em Florianópolis, é inaugurada. NSC Total, Florianópolis, 7 ago. 2019. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/comparceria-publico-privada-praca-do-monte-serrat-em-florianopolis-e-inaugurada. Acesso em: 20

set. 2019.

INNERARITY, D. O novo espaço público. Lisboa: Teorema, 2006.

MERLEAU-PONTY, M. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 1992.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MONTANER, J. M. Urbanismo da deriva. In: MONTANER, J. M. (coord.). Do diagrama às experiências, rumo a uma arquitetura de ação. São Paulo: Gustavo Gili, 2017. p. 135-137.

MULHER sofre tentativa de abuso em frente a casarão abandonado em Florianópolis. NSC Total, Florianópolis, 3 ago. 2018. Cotidiano. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/mulher-sofre-tentativa-de-abuso-em-frente-a-casarao-abandonado-em-florianopolis.03/08/2018. Acesso em: 20 set. 2019.

PALLASMA, J. Essências. São Paulo: Gustavo Gili, 2018.

PIMENTA, M. C. A. (org.). Florianópolis do outro lado do espelho. Florianópolis: Editora UFSC, 2015.

PONTE-VIVA. Florianópolis: Ponte-viva, 2019. Disponível em: http://ponte-viva.webflow.io/. Acesso em: 17 set. 2019.

RAMOS, C. M. A. Grafite & pichação: por uma nova epistemologia da cidade e da arte. In: ENCONTRO DA ANPAP, 16., 2007, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: CEART/UDESC, 2007. p. 1260-1269.

REIS, A. F. Ilha de Santa Catarina: permanências e alterações. Florianópolis: Editora UFSC, 2012.

SANTA CATARINA. Ministério Público Estadual. Ponte Hercílio Luz: MPSC requer devolução de R$ 233,67 milhões por obra não concluída. Florianópolis: MPSC, 2018. Disponível em: https://www.mpsc.mp.br/noticias/----ponte-hercilio-luz-mpsc-requer-devolucao-de-r-23367-milhoespor-obra-nao-concluida. Acesso em: 19 set. 2019.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2006.

SANTOS, P. C. Espaço e memória: o aterro da baía sula e o desencontro marítimo de Florianópolis. 114 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis,1997.

SILVA, A. Imaginários urbanos. Bogotá: Arango Editores, 2006.

SILVA, A. Atmosferas urbanas: grafite, arte pública, nichos estéticos. São Paulo: Edições SESC, 2014a.

SILVA, A. Imaginários: estranhamentos urbanos. São Paulo: Edições SESC, 2014b.

TOURAINE, A. Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.

VAZ, N. P. O centro histórico de Florianópolis. Florianópolis: Editora UFSC, 1991.

VEIGA, E. V. Florianópolis: memória urbana. Florianópolis: Fundação Franklin Cascaes, 2010. p. 38.

VEIGA, E. V. (org.). A casa de Chácara da Rua Bocaiúva: histórias da Praia de Fora. Florianópolis: MPSC, 2019.

YUNES, G. S. Uma ilha de paisagens culturais e espaços museográficos. In: CASTELLS, A. N. G.; NARDI, L. (org.). Patrimônio cultural e cidade contemporânea. Florianópolis: Editora UFSC, 2012. p. 123-141.

Downloads

Publicado

17-05-2021

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa