Uma mirada sobre a produção de inventários de arquitetura moderna no Brasil | A view on the production of modern architecture inventories in Brazil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0919v18e2021a4690

Palavras-chave:

Arquitetura Moderna, Documentação, Historiografia, Inventários, Preservação.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar resultados preliminares alcançados em uma pesquisa sobre inventários de arquitetura moderna no Brasil a partir da análise de suas fichas de registro. Esses resultados fazem parte de uma tese de doutoramento e têm como objetivo, por sua vez, refletir sobre os fundamentos teóricos e os instrumentos que orientam a prática e a produção dos inventários. Estão sendo identificados, localizados, coletados e analisados variados inventários de arquitetura moderna produzidos no País e interessa discutir: qual seria o lugar a partir do qual se instauram os métodos para elaboração dos inventários? Quais documentos e questões têm sido privilegiados e negligenciados? Quais as especificidades de um inventário da produção moderna – arquitetura experimental que propunha romper paradigmas e utilizava avanços tecnológicos no limite? Qual a extensão da importância dos modelos difundidos pelo Docomomo e como estão sendo contempladas as discussões e estudos teóricos recentes sobre temas correlatos? Qual o papel do inventário moderno e como esse instrumento de preservação e documentação pode contemplar as peculiaridades dessa produção para atuar na sua preservação? Faz-se necessário pensar e repensar o papel dos inventários na escrita da história e seus objetivos e métodos, de forma a avançar na produção do conhecimento, avaliando-o constantemente, enfrentando novos problemas, incluindo novos questionamentos e alimentando as desconfianças.

Biografia do Autor

Kaline Abrantes Guedes, Universidade Federal da Paraíba

Universidade Federal da Paraíba, Centro de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Nelci Tinem, Universidade Federal da Paraíba

Universidade Federal da Paraíba, Centro de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo

Referências

ALONSO, P. H. (coord.). Guia da arquitetura modernista de Cataguases. 2. ed. Cataguases: Instituto Cidade de Cataguases, 2012.

AMORIM, L. M. E. Obituário arquitetônico: Pernambuco modernista. Recife: UFPE, 2007.

AZEVEDO, P. O. Por um inventário do patrimônio cultural brasileiro. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 22, p. 82-85, 1987. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/RevPat22_m.pdf. Acesso em: 31 maio 2017.

BOITO, C. Os restauradores. 3. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008.

BONDUKI, N.; KOURY, A. P. Inventário da produção pública no Brasil entre 1930 e 1964. In: BONDUKI, N.; KOURY, A. P. (org.). Os pioneiros da habitação social no Brasil. São Paulo: Edições Sesc, 2014. v. 2, p. 1-512.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Casa Civil, 1988. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/topicos/10647933/artigo-216-daconstituicao-

federal-de-1988. Acesso em: 30 jul. 2014.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Unesp, 2001.

DE CERTEAU, M. A escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.

DECLARAÇÃO de Amsterdã (1975). In: CURY, I. (org.). Cartas patrimoniais. 3. ed. Rio de Janeiro: IPHAN, 2004. p. 199-210.

DOCOMOMO BRASIL. Rio de Janeiro: Docomomo Brasil, 2016. Disponível em: http://docomomo.org.br/. Acesso: 5 jun. 2014.

DOCOMOMO INTERNACIONAL. Lisboa: Docomomo Internacional, c2021. Disponível em: http://www.docomomo.com. Acesso: 5 jun. 2014.

DVOŘÁK, M. Catecismo da preservação dos monumentos. Cotia: Ateliê Editorial, 2008.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GUEDES, K. A. Inventários de arquitetura moderna no Brasil: desnaturalizando uma prática estabelecida. 2018. 327 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2018.

INSTITUTO DA HABITAÇÃO E REABILITAÇÃO URBANA. Património arquitectónico: geral. Lisboa, IHRU, 2010. (Kits Património, n. 1, versão 2.0). Disponível em: http://www.patrimoniocultural.gov. pt/static/data/patrimonio_imovel/inventario/kit01.pdf. Acesso em: 13 abr. 2018.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Brasília: IPHAN, c2014. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/. Acesso: 5 jun. 2014.

INVENTÁRIO. In: Michaelis Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Melhoramentos, c2021. Disponível em: http://michaelis.uol.com.br. Acesso em: 23 jul. 2014.

KÜHL, B. M. (org.). Gustavo Giovanonni: textos escolhidos. São Paulo: Ateliê Editorial, 2013.

MIRANDA, M. P. S. O inventário como instrumento constitucional de proteção ao patrimônio cultural brasileiro. Jus Navigandi, ano 13, n. 1754, não paginado, 2008. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/11164. Acesso em: 23 out. 2017.

MOTTA, L.; REZENDE, M. B. Inventário. In: GRIECO, B.; TEIXEIRA, L.; THOMPSON, A. (org.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: IPHAN/DAF/Copedoc, 2016. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Invent%C3%A1rio%20pdf.pdf. Acesso em: 9 out. 2017.

OLIVEIRA, M. M. A documentação como ferramenta de preservação da memória. Brasília: Programa Monumenta/IPHAN, 2008.

PRUDON, T. Preservation of modern architecture. New York: John Wiley, 2008.

RIEGL, A. O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua origem. São Paulo: Perspectiva, 2014.

SANTOS, H. Sistema de informações do patrimônio histórico da cidade de Mucugê, Bahia. 2014. 169 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

VICQ-D'AZYR, F.; LINDET, T.; BOUQUIER. Instruction sur la manière d'inventorier et de conserver, dans toute l'étendue de la République, tous les objets qui peuvent servir aux arts, aux sciences et à l'enseignement, proposée par la Commission temporaire des arts, et adoptée par le Comité d'instruction publique de la Convention nationale. Paris: L’Imprimerie Nationale, 1793. Disponible en: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k6575239f/f10.item. Accès en: 5 juin 2017.

Downloads

Publicado

09-04-2021

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa