Tempo, esperança e utopia: um ensaio filosófico em tempos de pandemia

Autores

  • Matheus da Silva Bernardes Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, Faculdade de Teologia

DOI:

https://doi.org/10.24220/2525-9180v5e2020a5187

Palavras-chave:

Esperança. Filosofia contemporânea. Tempo. Utopia.

Resumo

 A esperança é uma virtude teologal, um dom do Espírito concedido às mulheres e aos homens para que se movam em direção ao bem que ainda não possuem (S.Th. IIa IIae, q. 17-18). Portanto, refletir sobre a esperança é tarefa própria da Igreja e da Teologia; tarefa exigente, porém amplamente apoiada por citações bíblicas, sobretudo do Novo Testamento. Não obstante, é possível refletir sobre a esperança a partir de um pensamento que não dependa da revelação bíblica? Trata-se de uma tarefa não só exigente, mas também árdua. Uma das razões para tal é o fato de que o âmbito mais próprio para desenvolver a esperança é o tempo, e a contemporaneidade parece ter um mal-estar com o tempo. Além do mais, a própria definição de tempo não é tão simples: o que é tempo? Tradicionalmente, o tempo tem sido entendido desde uma estrutura material (Aristóteles) e estrutura psíquica (Agostinho de Hipona); contudo é possível pensar o tempo em uma estrutura mais abrangente que permita falar sobre a transcendência do tempo, mas sem sair dele? Este breve texto pretende recolher o que alguns autores da história da Filosofia ocidental pensaram sobre o tempo e verificar se essas reflexões permitem abrir o tempo à esperança e à utopia. Ainda que o texto pretenda ser estritamente filosófico, sua inspiração é a frase “Não deixemos que nos roubem a esperança”, do Papa Francisco (EG 86), que ecoa com ainda mais força em tempos de pandemia.

 

Referências

AGOSTINHO, de Hipona. Confissões. Petrópolis: Vozes, 2011.

ARISTÓTELES. Física: Libros III - IV. Buenos Aires: Biblos, 1995.

BARTOLOMÉ RUIZ, C. A testemunha e a memória. O paradoxo do indizível da tortura e o testemunho do desaparecido. Ciências Sociais Unisinos, v. 48, n. 2, p. 70-83, 2012.

BAUMAN, Z. La sociedad individualizada. Madrid: Cátedra, 2001. p. xxviii.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987. v. 1. p. 225.

BERNARDES, M. Idolatria e distopia: o anti-Reino que distorce a história. Simpósio Internacional filosófico-teológico da FAJE, Belo Horizonte, 15: p. 1-10, out. 2019.

BLOCH, E. O Princípio esperança. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005. v. 1. p. 141.

FRANCISCO, Papa. Exortação apostólica Evangelii Gaudium, 2013. Disponível em: www.vatican.va. Acesso em: 25 nov. 2020.

HESPANA, P. Individualização, fragmentação e risco social nas sociedades globalizadas, Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 63, p. 21-31, 2002.

JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1997.

LAFONT, G. O tempo é superior ao espaço? Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/185-noticias/noticias- 2016/559587-o-tempo-e-superior-ao-espaco-artigo-de-ghislain-lafont. Acesso em: 25 nov. 2020.

LÉVINAS, E. Le temps et l’autre. Paris: PUF, 2009. p. 24-38.

LIMA, C. Genealogia Dialética da Utopia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008. p. 16.

LIPOVETSKY, G. Metamorfoses da cultura liberal: ética, mídia, empresa. Porto Alegre: Editora Sulina, 2004. p. 19-22.

MACHADO, C. E. Sonhos diurnos e geografia: sobre o princípio-esperança de Ernst Bloch. Trans/Form/Ação, v. 31, n. 1, p. 205-213, 2008.

OTTMANN, H. Lexikon für Theologie und Kirche – 10. Band. Freiburg: Herder, 2001. Utopie, p. 500-501.

PAIVA, M. A.; PIRES DIAS, L. F. O enigma do mal no pensamento de Emmanuel Lévinas. Revista Filosofia Unisinos, v. 13, n. 2, p. 134-150, 2012.

SANTOS, E.; BIAZO, G. Teoria da história e história da historiografia: debates e desafios do conhecimento histórico no século XXI. Canoa do tempo, v. 10, n. 1, p. 1-10, 2018.

SOBRINO, J. La fe en Jesucristo: ensayo desde las víctimas. San Salvador: UCA Editores, 1999. p. 69-71.

TOMÁS, de Aquino. Suma Teológica: a fé, a esperança, a caridade, a prudência: II seção da II parte, questões 1-56. São Paulo: Loyola, 2004. v. 5.

VATTIMO, G. O fim da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2002. p. 184.

VIDAL ARENAS, J. La concepción del tiempo en Aristóteles. Bysantion Nea Hellás, v. 34, p. 323-340, 2015.

ZUBIRI, X. Escritos menores. Madrid: Editora. Alianza, 2006. p. 162-163.

ZUBIRI, X. Espacio, tiempo, materia: nueva edición. Madrid: Editora Alianza, 2008. p. 255-284.

Downloads

Publicado

17-12-2020