As náuseas da casa, habitando-em-rede

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2595-9557v5e2022a5775

Palavras-chave:

Estranhamento, Fenomenologia existencial, Lugar, Situacionalidades

Resumo

A experiência da pandemia nos lançou para uma nova experiência da casa, um adensamento do habitar que não é algo novo, mas um reestranhamento por esta nova situacionalidade. Assim, a casa se apresenta de forma intensa na experiência da pandemia da Covid-19, enquanto náusea em um habitarem-rede. Esse texto tem como proposta realizar descrições nauseantes da casa para compreender a dinâmica da elasticidade do lugar, promovendo um debate sobre quatro fundos existenciais, a saber: base, movimento, combate e acontecimento, experienciados durante o ficar-em-casa, e encaminhando para um reestranhamento da casa a partir de suas náuseas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bernardes, A. Haters, pós verdade e fakes news: se entrelaçando em redes sociais. Geograficidade, v. 10, p. 203-215, 2020. n. Especial.

Bernardes, A.; Aguiar, F. O território como experiência: ensaio de geografia fenomenológica existencial. Caderno Prudentino de Geografia, v. 2, n. 42, p. 44-62, 2020.

Bernardes, A.; Sposito, E. S. Internet, ser e espaço: pressupostos de fenomenologia ontológica estrutural. Formação, v. 1, n. 42, p. 17-27, 2009.

Bocca, M. C.; Freitas S. M. P. A moral existencialista da fraternidade e da esperança em tempo de pandemia Saúde. In: Zago, M. C. Saúde Mental no Século XXI: indivíduo e coletivo pandêmico. Guarujá: Editora Científica, 2021.

Dardel, E. O Homem e a terra: natureza da realidade geográfica. São Paulo: Perspectiva, 2011.

Duras, M. Escrever. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

Freeman, S.; Eykelbosh, A. COVID-19 and outdoor safety: considerations for use of outdoor recreational spaces. [S.l.]: National Collaborating Centre for Environmental Health, 2020.

Ghannam, T. Enfrentar a contingência por meio da arte: uma leitura de A Náusea em tempos de coronavírus. Literatamy, 2022. Disponível em: https://www.literatamy.com/post/a-nausea-jean-paul-sartre. Acesso em: 15 fev. 2022.

Haraway, D. J. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismosocialista no final do século XX”. In: Silva, T. T. (org.). Antropologia do

ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 33-118.

Heidegger, M. A questão da técnica. Scientiæ zudia, v. 5, n. 3, p. 375-98, 2007.

Honey-Rosés, J. et al. The impact of Covid-19 on public space: a review of the emerging questions. OSF Preprints, 2020.

Lévy, B. O testamento de Sartre. Porto Alegre: L&PM Editores, 1986.

Lévy, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2009.

Lima, H. estar em casa: notas sobre as reinvenções do cotidiano na quarentena. Transverso, ano 8, n. 9, p. 62-73, 2020.

Organização Pan-Americana da Saúde. Folha informativa: Covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus). Paho, 2019. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19. Acesso em: 2 dez. 2021.

Sartre, J. P. A náusea. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019.

Sartre, J. P. O existencialismo é um humanismo. 4. ed. Lisboa: Presença, 1978.

Sartre, J. P. O Ser e o Nada: ensaio de Ontologia Fenomenológica. Petrópolis: Vozes, 2001.

Tuan, Y-F. Escapism. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1998.

Unger, N. M. Crise ecológica e a deserção do espaco comum. Educação & Realidade, v. 34, n. 3, p.147-156, 2009.

Downloads

Publicado

2022-10-03

Como Citar

Moreira, T. R. ., & Marandola Jr., E. . (2022). As náuseas da casa, habitando-em-rede. Pós-Limiar, 5, 1–11. https://doi.org/10.24220/2595-9557v5e2022a5775

Edição

Seção

Dossiê Corporeidade, cidades e redes sociais virtuais