#MULHERESCOMCONSTANTINO: ESQUECIMENTO E DESORDEM EM DISCURSOS SOBRE FEMINISMO NO TWITTER

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2595-9557v5e2022a5734

Palavras-chave:

Análise de discurso, Feminismo, Twitter

Resumo

O objetivo desse artigo é investigar a produção de sentidos mobilizados pela hashtag #mulherescomconstantino, veiculada no Twitter no dia 4 de novembro de 2020. A hashtag é resultado de um vídeo publicado pelo jornalista Rodrigo Constantino em que comenta uma audiência judicial envolvendo a influenciadora Mariana Ferrer. Duas perguntas guiam a análise empreendida: (1) quem foram os principais atores dessa rede de conversação? (2) Quais discursos e sentidos foram mobilizados em torno das mulheres e do feminismo? Utilizamos um quadro teórico metodológico misto, com conceitos e métodos da análise de redes sociais e de discurso. Fazem parte do corpus de análise 35 tweets publicados com a hashtag. Apontamos para evidências de que o movimento ao redor da #mulherescomconstantino se utilizou dos modos de funcionamento da plataforma para amplificar ideias distorcidas sobre o movimento feminista. Pelo fio discursivo, foi possível observar o apagamento do fato que desencadeou a conversação e um deslocamento de posições sujeito vítima. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Durgante, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia na Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Mestra em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria – UFSM. Integrante do Laboratório de Espacialidades Urbanas. Jornalista na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).

Benhur Pinós da Costa, Universidade Federal de Santa Maria

Licenciado em Geografia UFRGS (1998), mestre em Geografia UFRGS (2002), doutor em Geografia UFRGS (2008), Pós-doutor na Escola de Serviço Social da UFRJ (2018). Professor do Departamento de Geociências e Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFSM. Lider do Grupo de Pesquisa CNPQ Espacialidades Urbanas. Integrante do Núcleo de Estudos em Espaço e Representações (NEER).  Membro da Rede de Estudos de Geografia, Gênero e Sexualidade Ibero Latino-Americana.

Referências

Alves, S. Julgamento de influencer Mariana Ferrer termina com tese inédita de ‘estupro culposo’e advogado humilhando jovem. The Intercept Brasil, 3 nov. 2020. Disponível em: https://theintercept.com/2020/11/03/influencer-mariana-ferrer-estupro-culposo/. Acesso em: 19 jul. 2021.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

Beauvoir, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1970.

Cesarino, L. Identidade e representação no bolsonarismo: corpo digital do rei, bivalência conservadorismo/neoliberalismo e pessoa fractal. Revista de Antropologia, v. 62, n. 3, p. 530-557, 2019. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/165232. Acesso em: 26 ago. 2021.

Chan, K.; Liebowitz, J. The synergy of social network analysis and knowledge mapping: a case study. International Journal of Management and Decision Making, v. 7, n. 1, p. 19-35, 2006. Disponível em: https://www.inderscienceonline.com/doi/abs/10.1504/IJMDM.2006.008169. Acesso em: 23 dez. 2020.

Foucault, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

Gaffney, D. #iranElection: quantifying online activism. In: WebSci10: Extending the Frontiers of Society On-Line, April 26-27th, 2010, North Carolina. Proceedings […]. North Carolina: Raleigh, 2010. Disponível em: http://devingaffney.com/files/websci10_submission_6.pdf. Acesso em: 23 out. 2021.

Giroux, H. The Iranian uprisings and the challenge of the new media: rethinking the politics of representation. Fast Capitalism, v. 5 n. 2, p. 87-91, 2009. Disponível em: https://fastcapitalism.journal.library.uta.edu/index.php/fastcapitalism/article/download/188/223. Acesso em: 13 fev. 2020.

Huberman, B.; Romero, D.; WU, F. Social Networks that matter: twitter under the microscope. First Monday, v. 14, n. 1, 2009. Disponível em: https://firstmonday.org/ojs/index.php/fm/article/view/2317. Acesso em: 20 jan. 2021.

Kemp, S. We Arte Social 2022: Global Overview Report. 26 de janeiro de 2022. Disponível em: https://datareportal.com/reports/digital-2022-global-overview-report. Acesso em: 22 jun. 2020.

Kruguer, H. Cognição, estereótipos e preconceitos sociais. In: Lima, M. E. O.; Pereira, M. E. Estereótipos, preconceitos e discriminação: perspectivas teóricas e metodológicas. Brasil: EdUFBA, 2004.

Larsson, A. O.; Moe, H. Twitter in politics and elections: insights from Scandinavia. In: Bruns, A. et al. (org.). Twitter and society. New York: Peter Lang, 2014. p. 319-330.

Lins, B. A.; Machado, B. F.; Escoura, M. Diferentes, não desiguais: a questão de gênero na escola. São Paulo: Reviravolta, 2016.

Louro, G. L. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Proposições, v. 19, n. 2, p. 17-23, 2008.

Maireder, A.; Ausserhofer, J. Political discourses on twitter: networking topics, objects, and people. In: Bruns, A. et al. (org.). Twitter and society.

New York: Peter Lang, 2014. p. 305-318.

Machado, L.; Mori, L. Caso Mariana Ferrer: desmerecer a vítima é comum em casos de estupro, relatam advogados. BBC News Brasil, 4 nov. 2020. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-54803352. Acesso em: 23 jun. 2020.

Nisenbaum, D. Como educamos mulheres para sofrer: uma reflexão sobre feminilidade e amor. Medium, 2017. Disponível em: https://medium.com/mulheres-que-escrevem/como-educamos-mulheres-para-sofrer-umareflex%C3%A3o-sobre-feminilidade-e-amor-337afddb4fae. Acesso em: 21 ago. 2021.

Paulino, R. A interpretação de grafos como imagens complexas em tempos de pandemia no Covid-19 no Brasil. Asas da Palavra, v. 17, n. 1, p. 43-51, 2020. Disponível em: http://revistas.unama.br/index.php/asasdapalavra/article/view/2142. Acesso em: 12 fev. 2021.

Pedro, C.; Guedes, O. As conquistas do movimento feminista como expressão do protagonismo social das mulheres. In: Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, 1., 2010, Londrina. Anais [...]. Londrina: UEL, 2010. p. 1-10. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/gpp/pages/anais/i-simposio.php. Acesso em: 2 dez. 2019.

Recuero, R. Métricas de centralidade e conversações em redes sociais na Internet. In: Simpósio Nacional da Abciber, 8., 2014, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ESPM, 2014. Disponível em: http://www.raquelrecuero.com/artigos/abciberfinal2014.pdf. Acesso em: 18 jan. 2021.

Recuero, R.; Bastos, M.; Zago, G. Análises de redes para mídia social. Rio de Janeiro: Sulina, 2015.

Richardson-Self, L. Woman-Hating: on misogyny, sexism, and hate speech. Hypatia, v. 33, n. 2, p. 256-272, 2018. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/hypatia/article/abs/womanhating-onmisogyny-sexism-and-hate-speech/430BD708652C2A13A501C08C7AED4A5D. Acesso em: 5 jan. 2021.

Scott, J. W. Gender: a useful category of historical analysis: gender and the politics history. New York: Columbia University Press, 1989.

Soares, F. B. Circulação de informação no twitter: como líderes de opinião ressignificam as notícias. In: Encontro Anual da Compós, 29., 2020, Campo Grande. Anais [...] Campinas: Galoá, 2020. Disponível em: https://proceedings.science/compos-2020/papers/circulacao-de-informacao-notwitter--como-lideres-de-opiniao-ressignificam-as-noticias. Acesso em: 11 nov. 2020.

Solano, E. Crise da democracia e extremismos de direita. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert, 2018. Disponível em: http://library.fes.de/pdffiles/bueros/brasilien/14508.pdf. Acesso em: 27 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2022-11-07

Como Citar

Pagoto , L. ., Durgante, F. ., & Pinós da Costa, B. . (2022). #MULHERESCOMCONSTANTINO: ESQUECIMENTO E DESORDEM EM DISCURSOS SOBRE FEMINISMO NO TWITTER. Pós-Limiar, 5, 1–13. https://doi.org/10.24220/2595-9557v5e2022a5734

Edição

Seção

Dossiê Corporeidade, cidades e redes sociais virtuais