Caracterização clínica e psicossocial da clientela de um ambulatório de esterilidade

Autores

  • Ricardo GORAYEB Universidade de São Paulo
  • Andréa Cristina de Toledo BORSARI Universidade de São Paulo
  • Andreza Cristiana Ribeiro GOMES Universidade de São Paulo
  • Adriana Peterson Mariano Salata ROMÃO Universidade de São Paulo
  • Rosana SHUHAMA Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Infertilidade; Psicologia da saúde; Reprodução assistida

Resumo

Este estudo teve como objetivo descrever características demográficas, clínicas e psicossociais da clientela de um ambulatório de esterilidade e identificar motivação para atendimento psicológico. Tratou-se de estudo retrospectivo, com 50 casais, entrevistados no início do processo de investigação médica. Constatou-se que 80% dos casais estavam na primeira união conjugal, 64% tinham até oito anos de casados, 72% não tinham filhos e 78% vinham tentando engravidar há no máximo seis anos. Desconheciam as causas da infertilidade 36% dos casais, e 78% nunca haviam se submetido a procedimentos de reprodução assistida. Demonstraram interesse em participar de grupo de apoio psicológico 94% dos casais. Referências a medo de abortamento, malformação fetal e parto foram estatisticamente superiores aos medos relacionados à gravidez, procedimento de Reprodução Assistida e responsabilidades com o filho. Esses dados revelam variáveis importantes para a elaboração de intervenções fundamentadas no conhecimento da realidade dos pacientes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alesi, R. (2005). Infertility and its treatment: an emotional roller coaster. Australian Family Physician, 34 (3), 135-138.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo Lisboa: Persona.

Boivin, J. (1997). Is there too much emphasis on psychosocial counseling for infertile patients? Journal of Assisted Reproduction and Genetics,14 (4), 184-186.

Boivin, J., Andersson, L., Skoog-Svanberg, A., Hjelmstedt, A., Collins, A., & Bergh, T. (1998). Psychological reactions during in vitro fertilization: similar response pattern in husbands and wives. Human Reproduction, 13 (11), 3262-3267.

Chiba, H., Mori, E., Morioka, Y., Kashiwakura, M., Nadaoka, T., Saito, H., & Hiroi, M. (1997). Stress of female infertility: relations to lenght of treatment. Gynecology Obstetric Investigation, 43 (3), 171-177.

Collins, A., Freeman, E. W., Boxer, A. S., & Tureck, R. (1992). Perceptions of infertility and treatment stress in females as compared with males entering in vitro fertilization treatment. Fertility and Sterility, 57 (2), 350-356.

Corrêa, K. R. F. D'C., Vizzotto, M. M., & Cury, A. F. (2007). Avaliação da eficácia adaptativa de mulheres e homens inseridos num programa de fertilização in vitro. Psicologia em Estudo, 12 (2), 363-370.

Cousineau, T. M., & Domar, A. D. (2007). Psychological impact of infertility. Best Practice & Research Clinical Obstetrics and Gynaecology, 21 (2), 293-308.

Cwikel, J., Gidron, Y., & Sheiner, E. (2004). Psychological interactions with infertility among women. European Journal of Obstetrics & Gynecology and Reproductive Biology,117 (2004), 126-131.

Domar, A. D., Zuttermeister, M. A., Seibel, M., & Benson, H. (1992). The prevalence and predictability of depression in infertile women. Fertility and Sterility,58 (6), 1158-1163.

Downey, J., Yingling, S., McKinney, M., Husami, N., Jewelewicz, R., & Maidman, J. (1989). Mood disorders, psychiatric symptoms, and distress in women presenting for infertility evaluation. Fertility and Sterility, 52 (3), 425-432.

Facchinetti, F., Matteo, M. L., Artini, G. P., Volpe, A., & Genazzani, A. R. (1997). An increased vulnerability to stress is associated with a poor outcome of in vitro fertilizationembryo transfer treatment. Fertility and Sterility, 67 (2), 309-314.

Farinati, D. M., Rigoni, M. S., & Muller, M. C. (2006). Infertilidade: um novo campo da psicologia da saúde. Estudos de Psicologia (Campinas), 23 (4), 433-439.

Ferriani, R. A., & Navarro, P. A. A. S. (2004). Protocolos de condutas em infertilidade conjugal São Paulo: Conexão Brasil.

Ferriani, R. A., Moura, M. D., Sala, M. M., Yamazaki, R., Reis, R. M., & Sá, M. F. S. (1995). Fertilidade assistida no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (HCRP). Reprodução e Climatério, 10 (4), 151-152.

McNaughton-Cassill, M. E., Bostwick, M., Vanscoy, S. E., Arthur, N. J., Hickman, T. N., Robinson, R. D., & Neal, G.S. (2000). Development of brief stress management support groups for couples undergoing in vitro fertilization treatment. Fertility and Sterility, 74 (1), 87-93.

Minayo, M. C. S. (1994). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde São Paulo: Hucitec.

Moreira, S. N. T., Melo, C. O. M., Tomaz, G., & Azevedo, G. D. (2006). Estresse e ansiedade em mulheres inférteis. Revista Brasileira Ginecologia Obstetrícia, 28 (6), 358-364.

Newton, C. R., Hearn, M. T., & Yuzpe, A. A. (1990). Psychological assessment and follow-up after in vitro fertilization: assessing the impact of failure. Fertility and Sterility, 54 (5), 879-886.

Pottinger, A. M, McKenzie, C., Fredericks, J., DaCosta, V., Wynter, S., Everett, D., & Walters, Y. (2006). Gender differences in coping with infertility among couples undergoing counselling for in vitro fertilization treatment. West Indian Medical Journal, 55 (4), 237-242.

Serafini, P., White, J., Petracco, A., Motta, E., Yadid, I. M., & Coslovsky, M. (1998). O bê a bá da infertilidade São Paulo: Organon.

Trindade, Z. A., & Enumo, S. R. F. (2002). Triste e incompleta: uma visão feminina da mulher infértil. Psicologia USP, 13 (2), 151-182.

Urrutia, D. N., Genghini, M. H. R. R., & Makuch, M. Y. (2002). Vivências de mulheres com diagnóstico de infertilidade primária: significado para o atendimento ambulatorial. Reprodução & Climatério, 17 (2), 118-121.

Wang, K., L., J., Zhang, J. X., Zhang, L., Yu, J., & Jiang, P. (2007). Psychological characteristics and marital quality of infertile women registered for in vitro fertilization-intracytoplasmic sperm injection in China. Fertility and Sterility, 87 (4), 792-798.

Downloads

Publicado

2022-11-16

Como Citar

GORAYEB, R. ., BORSARI, A. C. de T. ., GOMES, A. C. R. ., ROMÃO, A. P. M. S. ., & SHUHAMA, R. . (2022). Caracterização clínica e psicossocial da clientela de um ambulatório de esterilidade. Estudos De Psicologia, 26(3). Recuperado de https://periodicos.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/7075