Adaptação transcultural do Battelle Developmental Inventory, 2nd Edition para o Brasil

Autores

Palavras-chave:

Desenvolvimento infantil, Medida do desenvolvimento, Escalas, Tradução

Resumo

O Battelle Developmental Inventory, 2nd edition é um inventário padronizado para avaliação do desenvolvimento de crianças de zero a sete anos e 11 meses de idade. O objetivo desse artigo é descrever o processo de adaptação transcultural do Battelle Developmental Inventory, 2nd Edition para o português-Brasil. O estudo metodológico foi realizado em três etapas: 1) Pré-condição; 2) Desenvolvimento do teste; e 3) Avaliação da validade de conteúdo. Foram feitos ajustes na formulação de alguns itens, além de modificações nos estímulos para aplicação estruturada da versão brasileira do Battelle Developmental Inventory, 2nd Edition. Comparada com a versão original, a versão brasileira apresentou boa equivalência semântica, idiomática, experiencial, conceitual e operacional, bem como ótimos índices de validade de conteúdo. A versão adaptada para o português-Brasil do Battelle Developmental Inventory, 2nd Edition pode ser considerada um instrumento viável para uso de profissionais das áreas de saúde e da educação do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Albuquerque, K. A., & Cunha, A. C. B. (2020).New trends in instruments for child development screening in Brazil: a systematic review. Journal of Human Growth and Development, 30(2), 188-196. https://doi.org/10.7322/jhgd.v3010366

Alfonso, V. C., Rentz, E. A., & Chung, S. (2010). Review of the Battelle Developmental Inventory, Second Edition. Jecip, 6, 21-40.

Beaton, D. E., Bombardier, C., Guillemin, F., & Ferraz, M. B. (2000). Guidelines for the process of cross-cultural adaptation of self-report measures. Spine, 25(24), 3186-3191. https://doi.org/10.1097/00007632-200012150-00014

Borsa, J. C., Damasio, B. F., & Bandeira, D. R. (2012). Adaptação e validação de instrumentos psicológicos entre culturas: algumas considerações. Paidéia, 22(53), 423-432. http://www.scielo.br/pdf/paideia/v22n53/14.pdf

Cassepp-Borges, V., Balbinotti, M. A. A., & Teodoro, M. L. M. (2010). Tradução e validação de conteúdo: Uma proposta para a adaptação de instrumentos. In L. Pasquali (Ed.), Instrumentação psicológica: fundamentos e práticas (pp. 506-520). Artmed.

Coster, W. J., & Mancini, M. C. (2015). Recomendações para a tradução e adaptação transcultural de instrumentos para a pesquisa e a prática em Terapia Ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da USP, 26(1), 50-57. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i1p50-57

Cunha, A. C. B., Berkovits, M. D., & Albuquerque, K. A. (2018). Developmental assessment with young children: a systematic review of battelle studies. Infants & Young Children, 31(1), 69-90. http://dx.doi.org//10.1097/IYC.0000000000000106

Damásio, B. F., & Borsa, J. C. (2017). Manual de desenvolvimento de instrumentos psicológicos. Vetor.

Hernández-Nieto, R. A. (2002). Contributions to statistical analysis. Universidad de Los Andes.

International Test Commission. (2016). The ITC Guidelines for translating and adaptating tests (2nd ed.). www.InTestCom.org

Lee, D., Bagnato, S., & Pretti-Frontczak, K. (2016) Utility and validity of authentic assessmentsand conventional tests for international early childhood intervention purposes: evidence from U.S. National Social Validity Research. Journal of Intellectual Disability Research, 3(4), 164-176.

Mancías-Guerra, C., Marroquín-Escamilla, A. R., González-Llano, O., Villarreal-Marténez, L., Jaime-Pérez, J. C., García-Rodríguez, F., Valdés-Burnes, S. L., Rodríguez-Romo, L. N., Barrera-Morales, D. C., Sánchez-Hernández, J. J., Cantú-Rodríguez, O. G., Gutiérrez-Aguirre, C. H., Gómez-De León, A., Elizondo-Riojas, G., Salazar-Riojas, R., & Gómez-Almaguer, D. (2014). Safety and tolerability of intrathecal delivery of autologous bone marrow nucleated cells in children with cerebral palsy: an open-label phase I trial. Cytotherapy, 16(6), 810-820.

Mancini, M. C., Coster, W. J., Amaral, M. F., Avelar, B. S.,Freitas, R., Sampaio, R. F. (2016). New version of the Pediatric Evaluation of Disability Inventory (PEDI-CAT): translation, cultural adaptation to Brazil and analyses of psychometric properties. Revista Brasileira de Fisioterapia, 20(6), 561-570.

Ministério da Saúde (Brasil). (2016). Diretrizes de estimulação precoce: crianças de zero a 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor decorrente de microcefalia. http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/janeiro/13/Diretrizes-de-Estimulacao-Precoce.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). (2018). Política Nacional de Atenção Integral à saúde da Criança: orientações para implementação. http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/Politica_Nacional_de_Atencao_Integral_a_Saude_da_Crianca_PNAISC.pdf

Newborg, J. (2005). Battelle developmental inventory (2nd ed.). In Examiner’s Manual. Riverside Publishing 240.

Newborg, J., Stock, J. R., Wnek, L., Guidibaldi, J. E., & Svinicki, J. (1984). Battelle developmental inventory. Teaching Resources.

Pacico, J. C. (2015). Como é feito um teste? Produção de itens. In C. S. Hutz, D. R. Bandeira, & C. M. Trentini (Eds.), Psicometria (pp. 55-70). Artmed.

Papalia, D. E., & Feldman, R. D. (2013). Desenvolvimento humano (12th ed). Artmed.

Reichenheim, M. E., & Moraes, C. L. (2007). Operacionalização de adaptação transcultural de instrumentos de aferição usados em epidemiologia. Revista de Saude Publica, 41(4), 665-673. https://doi.org/10.1590/S0034-89102006005000035

Richardson, K. P. (2010). Use of standardized tests in pediatric practice. In J. Case-Smith (Org.), Occupational therapy for children (pp. 216-243). Mosby.

Sameroff, A. E. (2020). It’s more complicated. Annual Review of Developmental Psychology, 2(25), 1-26. https://doi.org/10.1146/annurev-devpsych-061520-120738

Sameroff, A. E. (2009). The Transactional Model of Development: how children and contexts shape each other: the Transactional Model of Development. American Psychological Association.

Streiner, D. L., Norman, G. R., & Cairney, J. (2015). Health Measurement Scales: a practical guide to their development and use (5th ed.). Oxford University Press.

Publicado

2022-07-27

Como Citar

ALBUQUERQUE, K. A. de, CUNHA, A. C. B. da, & BERKOVITS, M. D. (2022). Adaptação transcultural do Battelle Developmental Inventory, 2nd Edition para o Brasil. Estudos De Psicologia, 39. Recuperado de https://periodicos.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/6492

Edição

Seção

AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA