Percepção de vínculo e estresse ocupacional de equipe multiprofissional de saúde que atua no cuidado de pacientes com câncer

Autores

Palavras-chave:

Vínculo, Pacientes oncológicos, Serviço de Saúde, Estresse.

Resumo

O câncer é a segunda maior causa de óbitos no Brasil e um dos dispositivos que favorece o cuidado aos pacientes oncológicos é o vínculo profissional-paciente. No entanto, devido à complexidade da doença, os trabalhadores podem acabar desenvolvendo estresse ocupacional. Este estudo investigou a percepção de vínculo e o estresse ocupacional de profissionais que tratam de pacientes oncológicos. Quarenta profissionais de equipes de clínica cirúrgica e de oncohematologia de um hospital responderam a questionários sobre vínculo e estresse no trabalho. Os resultados mostraram maior frequência de percepção do vínculo terapêutico, mesmo tipo identificado como ideal. A equipe de onco-hematologia revelou escores mais altos do que a de clínica cirúrgica na percepção de vínculo e de vínculo ideal terapêutico. A média do nível de estresse ocupacional dos participantes foi 2,08 (moderado), sem diferença entre as duas equipes. Destaca-se a potência dos modelos de trabalho em saúde que utilizam o vínculo entre profissional de saúde e pacientes oncológicos como tecnologia do cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barbosa, M. I. S., & Bosi, M. L. M. (2017). Vínculo: um conceito problemático no campo da Saúde Coletiva. Physis Revista de Saúde Coletiva, 27(4), 1003-1022. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312017000400008

Cano, D. S., & Moré, C. L. O. (2016). Estratégias de Enfrentamento Psicológico de Médicos Oncologistas Clínicos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(3). https://doi.org/10.1590/0102-3772e323211

Coelho, M. O., & Jorge, M. S. B. (2009). Tecnologia das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica à saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciência & Saúde Coletiva, 14(Suppl1), 1523-1531. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000800026

Ferro, S. S. V., & Cavalcanti, F. A. T. C. (2015). Estresse ocupacional e resiliência entre profissionais de saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, 35(3), 900-915. https://doi.org/10.1590/1982-370300452014

Feuerweker, L. C. M. (2014). Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Rede UNIDA.

Frank, B. R. B., Viera, C. S., Ross, C., Obregón, P. L., & Toso, B. R. G.O. (2015). Avaliação da longitudinalidade em unidades de Atenção Primária à Saúde. Saúde em Debate, 39(105), 400-410. https://doi.org/10.1590/0103-110420151050002008

Furlan, M. C. R., Santos, A. G., & Marcon, S. S. (2017). O vínculo com o profissional de saúde no tratamento de tuberculose: percepção dos usuários. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 7, e1934. https://doi.org/10.19175/recom.v7i0.1934

Garcia, C. A. S., Jr. (2016). Cubanos e usuários do Sistema Único de Saúde: análise da produção de vínculos a partir do Programa “Mais Médicos” (Tese de Doutorado não-publicada). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/175798/345639.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Gomes, M. C. P. A., & Pinheiro, R. (2005). Acolhimento e vínculo: práticas de integralidade na gestão do cuidado em saúde em grandes centros urbanos. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 9(17), 287-301. https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000200006

Hauser, L., Castro, R. C. L., Vigo, A., Trindade, T. G., Gonçalves, M. R., Stein A. T., ... Harzheim, E. (2013). Tradução, adaptação, validade e medidas de fidedignidade do Instrumento de Avaliação da Atenção Primária à Saúde (PCATool) no Brasil: versão profissionais de saúde. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 8(29), 244-255. https://doi.org/10.5712/rbmfc8(29)821

Ilha, S., Dias, M. V., Backes, D. S., & Backes, M. T. S. (2014). Vínculo profissional-usuário em uma equipe da estratégia de saúde da família. Ciência, Cuidado e Saúde, 13(3), 556-562. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v13i3.19661

Malta, D. C., & Merhy, E. E. (2010). O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, 14(34), 593-606. https://doi.org/10.1590/S1414-32832010005000010

Martins, J. S., Abreu, S. C. C., Squevedo, M. P., & Bourget, M. M. M. (2016). Estudo comparativo entre unidades de saúde com e sem estratégia saúde da família por meio do PCATool. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 11(38), 1-13. https://doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1252

Matarazzo, H. (2016). 2029: ano em que o câncer será a primeira causa de morte no brasil. São Paulo: Observatório de Oncologia. Ministério da Saúde (Brasil). (2010). Manual do Instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: primary care assessment tool pcatool – Brasil. Brasília: Autor. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_avaliacao_atencao_primaria.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). (2011). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Autor. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes-_enfrent_dcnt_ 2011.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). (2009). Redes de produção de saúde (1a ed.). Brasília: Autor. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/redes_producao_saude _2009.pdf

Oliveira, M. M., Malta, D. C., Guauche, H., Moura, L., & Silva, G. A. (2015) Estimativa de pessoas com diagnóstico de câncer no Brasil: dados da pesquisa nacional de saúde, 2013. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18(Suppl 2), 146-157. https://doi.org/10.1590/19805497201500060013

Paschoal, T., & Tamayo, Á. (2004). Validação da Escala de Estresse no Trabalho. Estudos de Psicologia, 9(1), 45-5. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000100006.

Ribeiro, R. P., Marziale, M. H. P., Martins, J. T., Galdino, M. J. Q., & Ribeiro, P. H. V. (2018) Estresse ocupacional entre trabalhadores de saúde de um hospital universitário. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e65127. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.65127

Rocha, F. L. R., Marziale, M. H. P., Carvalho, M. C., Cardeal, S. F., & Campos, M. C. T. (2014). A cultura organizacional de um hospital público brasileiro. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(2), 308-314. https://doi.org/10.1590/S0080623420140000-2000016

Roth, G. A., Abate, D., Abate, K. H., Abay, S. M., Abbafati, C., Abbasi, N., & Abdollahpour, I. (2018). Global, regional, and national age-sex-specific mortality for 282 causes of death in 195 countries and territories, 1980-2017: a systematicanalysis for the Global Burden of Disease Study 2017. Lancet, 392(10159), 1736-1788. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(18)32203-7

Santos, M. O. (2018). Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia, 64(1), 119-120. https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2018v64n1.115

Santos, N. A. R., Santos, J., Silva, V. R., & Passos, J. P. (2017). Estresse ocupacional na assistência de cuidados paliativosem oncologia. Cogitare Enfermagem, 22(4), e50686. https://doi.org/10.5380/ce.v22i4.50686

Silva Júnior, A. G., & Mascarenhas, M. M. (2008) Avaliação da atenção básica em saúde sob a ótica da integralidade: aspectos conceituais e metodológicos. In R. Pinheiro & R. A. Mattos (Eds.), Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: Abrasco.

Theobald, M. R., Santos, M. L. M., Andrade, S. M. O., & De-Carli, A. D. (2016). Percepções do paciente oncológico sobre o cuidado. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 26(4), 1249-1269. https://doi.org/10.1590/s0103-73312016000400010

Vegro, T. C., Rocha, F. R. L., Camelo, S. H. H., & Garcia, A. B. (2016). Cultura organizacional de um hospital privado. Revista Gaúcha de Enfermagem, 37(2), e49776. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.02.49776

Publicado

2022-03-23

Como Citar

SOUZA, K. Z. de, & LOPES, F. M. (2022). Percepção de vínculo e estresse ocupacional de equipe multiprofissional de saúde que atua no cuidado de pacientes com câncer. Estudos De Psicologia, 39, 1–13. Recuperado de https://periodicos.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/5744

Edição

Seção

PSICOLOGIA DA SAÚDE