Inclusão escolar na atualidade: um dispositivo da governamentalidade neoliberal

Kamila Lockmann, Paula Corrêa Henning

Resumo


O presente artigo põe-se a discutir sobre a inclusão escolar, como uma produtiva ferramenta da governamentalidade neoliberal. Para isso, produz-se tal estudo a partir das contribuições de Michel Foucault sobre governamentalidade e estratégias biopolíticas. Problematiza-se acerca da inclusão escolar como um importante dispositivo de gerenciamento e prevenção do risco social. Constituindo uma rede que engloba elementos heterogêneos, ele articula diferentes saberes, instituições e uma variedade de leis, além de enunciados científicos e organizações arquitetônicas. É pensando nessa rede que a inclusão coloca em funcionamento o dispositivo da governamentalidade. Anuncia-se, então, uma nova forma de governar a população, que transforma a conduta dos indivíduos em objeto da sua ação governamental. Atualmente, nota-se a presença de uma racionalidade política neoliberal, que cria diferentes mecanismos para governar a população. Ao mesmo tempo em que se percebe a existência de políticas de proteção social, também se visualizam algumas iniciativas que pretendem produzir sujeitos autogorvenados, que sejam capazes de manter a si mesmos e de prover os recursos de que necessitam. Sendo assim, a inclusão escolar vem se constituído, no interior dessa rede, que tem o intuito de governar a vida da população, naquilo que ela produz em termos de fenômenos coletivos.


Palavras-chave


Educação. Inclusão. Michel Foucault.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

EWALD, F. Foucault, a norma e o direito. 2. ed. Lisboa: Vega, 2000.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica: curso no Collège de France: 1978-1979. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população: curso no Collège de France: 1977-1978. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de france (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 25. ed. Petrópolis Vozes, 2002.

LOPES, M. Políticas de inclusão e governamentalidade. Revista Educação & Realidade, v.32, n.2, p.53-169, 2009.

ROSE, N. Governando a alma: a formação do eu privado. In: SILVA, T.T. Liberdades reguladas: a pedagogia construtivista e outras formas de governo do eu. Petrópolis: Vozes, 1999. p.30-45.

VEIGA-NETO, A. Incluir para excluir. In: LARROSA, J.; SKLIAR, C. Habitantes de babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p.105-138.

VEIGA-NETO, A. Educação e govenamentalidade neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: PORTOCARRERO, V.; CASTELO BRANCO, G. (Org.). Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: NAU, 2000. p.179-217.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v0n29a53

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.