Produção de sentido para a linguagem escrita e formação da atitude leitora/ autora

Andreia Maria Cavaminami Lugle, Suely Amaral Mello

Resumo


O artigo discute o sentido que as crianças atribuem à linguagem escrita na escola. Nessa perspectiva, fundamentamo-nos na teoria da atividade de Alexis Leontiev, que defende a necessidade de um sentido para a atividade de escrita coincidente com a função social da escrita como condição para a efetiva apropriação dessa linguagem. As referências orais dos professores da Educação Infantil, a observação e as entrevistas com alunos dos anos iniciais foram utilizadas como procedimentos neste artigo. Refletimos sobre vivências que podem promover condições adequadas à formação da atitude leitora e autora nas crianças e apontamos para uma necessária separação entre o trabalho com a cultura escrita na Educação Infantil e no Ensino Fundamental, como dois movimentos distintos, ainda que complementares: a inserção das crianças pequenas nas formas mais elaboradas da cultura escrita na Educação Infantil e a apropriação da técnica pelas crianças do Ensino Fundamental.

Palavras chave: Cultura escrita. Produção de sentidos. Teoria histórico-cultural.


Palavras-chave


Cultura escrita; Produção de sentidos; Teoria histórico-cultural

Texto completo:

PDF

Referências


Aguiar, E.A. Escrita, autoria e ensino: um diálogo necessário para pensar a constituição do sujeito autor no contexto escolar. 2010. Tese (Doutorado em Linguagem e Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

Arena, D.B. Palavras grávidas e nascimentos de significados: a linguagem na escola. In: Mendonça, S.G.L.; Miller, S. (Org.). Vigotski e a escola atual: fundamentos teóricos e implicações pedagógicas. Araraquara: J.M. Editora, 2006. p.169-180.

Bakhtin, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 5.ed. São Paulo: Hucitec, 1990.

Bakhtin, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Brito, L.P.L. Letramento e alfabetização: implicações para a educação infantil. In: Faria, A.L.G.; Mello, S.A. (Org.). O mundo da escrita no universo da pequena infância. 3.ed. Campinas: Autores Associados, 2012. p.3-19. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo, 93).

Cieglinski, A. Ver TV é atividade preferida pelo brasileiro no tempo livre, leitura fica em sétimo. Agência Brasil. Brasília: EBC, 2012. Disponível em: <http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2012-03-28/

ver-tv-e-atividade-preferida-pelo-brasileiro-no-tempolivre-leitura-fica-em-setimo>. Acesso em: 16 maio 2014.

Cruvinel, F.R. A leitura como prática cultural e o processo de escolarização: as vozes das crianças. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2010.

Cruz, M.V. Ensino e aprendizagem da linguagem escrita no ensino fundamental. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

Davídov, V. La ensenanza escolar y el desarrollo psíquico. Moscou: Editorial Progresso, 1988.

Jolibert, J. Formando crianças leitoras. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994a.

Jolibert, J. Formando crianças produtoras de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994b.

Leontiev, A. Actividad, conciencia y personalidad. Buenos Aires: Ediciones Ciencias Del Hombre, 1978. Miller, S. Sem reflexão não há solução: o desenvolvimento do aluno como autor autônomo de textos escritos. In:

Mortatti, M.R. (Org.). Atuação de professores: propostas para ação reflexiva no ensino fundamental. Araraquara: JM Editora, 2003, p.9-22.

Smolka, A.L.B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez, 2003.

Souza, E.C.F. As práticas de alfabetização de duas turmas de primeiro ano do ensino fundamental. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.

Vygotski, L. La prehistoria del desarrollo del lenguaje escrito. In: Vygotski, L. (Org.). Obras escojidas. Madrid: Visor, 1995. v.3. p.183-206.

Vygotski, L. Quarta aula: a questão do meio na pedologia. Psicologia USP, v.21, n.4, p.681-701, 2010.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v20n3a2901

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.