O papel da coordenação na formação continuada na Escola de Leitores

Vânia Finholdt Ângelo Leite

Resumo


O artigo analisa o papel exercido pela coordenadora pedagógica na Escola de Leitores, escola de ensino fundamental na cidade do Rio de Janeiro, tendo a seguinte questão: como a coordenadora concilia a demanda da Secretaria Municipal de Educação com a proposta de formação continuada da escola? Baseia-se nas contribuições de Rui Canário, Maurice Tardif, Stephen Ball e colaboradores, para analisar os dados coletados na observação de treze reuniões e na leitura das Orientações Curriculares, dos Cadernos de Apoio Pedagógico e dos Projetos de Leitura. A pesquisa evidenciou que a coordenadora concilia a proposta da Secretaria, no que se refere ao cumprimento dos conteúdos de cada ano escolar, ao mesmo tempo que incentiva a formação leitora e orienta os professores para que acompanhem o nível do aluno por meio da avaliação formativa. Além disso, o fato de a escola ter um projeto de leitura e escrita bem definidos proporcionou que a coordenadora desenvolvesse um projeto de formação continuada, em parceria com outros educadores, contemplando as experiências e as necessidades do grupo.


Palavras-chave


Alfabetização. Coordenação pedagógica. Formação continuada.

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, M. A supervisão e o desenvolvimento profissional do professor. In: Ferreira, N.C. (Org.). Supervisão educacional para uma escola de qualidade da formação à ação. 6.ed. São Paulo: Cortez, 2007. p.167-181.

Ball, S.; Maguire, M.; Braun, A. How schools do policy: Policy enactments in secondary schools. Oxon: Routledge, 2012.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. 3.ed. Brasília: MEC, 2001.

Canário, R. Formação de adultos e experiência. In: Canário, R. A educação de adultos: um campo complexo em expansão. 2.ed. Coimbra: Educa, 2000. p.109-118.

Canário, R. Um processo estratégico de mudança. In: Espiney, R; Canário, R. (Org.). Uma escola em mudança com a comunidade: Projeto ECO 1986-1992: experiências e reflexões. Lisboa: IIE, 1994. p.33-70.

Candau, V.M. (Org.). Magistério: construção cotidiana. 5.ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

Ferreiro, E.; Teberosky, A. Psicogênese da língua escrita. 4.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

Foucambert, J. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

Nóvoa, A. A concepções e práticas da formação contínua de professores. In: Nóvoa, A. (Org.). Formação contínua de professores: realidade e perspectivas. Aveiro: Universidade de Aveiro, Portugal, 1991.

Oliveira, R.P. Reformas educativas no Brasil na década de 90. In: Catani, A.M.; Oliveira, R.P. (Org.). Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p.77-94.

Pennac, D. Como um romance. 3.ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

Rio de Janeiro. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Educação. Orientações curriculares: áreas específicas. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2012.

Rio de Janeiro. Prefeitura Municipal. Secretaria Municipal de Educação. Leitura e escrita: 1º e 2º ano. Rio de Janeiro: SME, 2011.

Schön, D.A. Educando o profissional reflexivo um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

Tardif, M. O professor enquanto ator racional: que racionalidade, que saber, que juízo? In: Tardif, M. Saberes docentes e formação profissional. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2004a. p.183-224.

Tardif, M. Os professores diante do saber: esboço de uma problemática do saber docente. In: Tardif, M. Saberes docentes e formação profissional. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2004b. p.31-55.

Tardif, M. Introdução. In: Tardif, M. Saberes docentes e formação profissional. 4.ed. Petropólis: Vozes, 2004c. p.9-27.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v19n1a2614

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.