Narrativas de alfabetizadoras: a ampliação do ensino fundamental e os discursos docentes

Jamily Charão Vargas, Helenise Sangoi Antunes

Resumo


Essa pesquisa mostra que a política de ampliação do Ensino Fundamental para nove anos trouxe muitas discussões, acarretando mudanças nas instituições e nas práticas docentes. Para tanto, foram estabelecidas orientações legais pelo Ministério da Educação e resoluções pelo Conselho Nacional da Educação que apontam transformações necessárias aos professores, gestores e a todos os envolvidos no Ensino Fundamental. Além de mostrar as questões legais e alguns estudos em torno da ampliação do Ensino Fundamental, da alfabetização e das práticas lúdicas na infância, adentra-se nas concepções e práticas dos professores, realizando um estudo de caso com três professoras do primeiro ano que atuam em escolas públicas. Foram utilizados como instrumento de investigação entrevistas orais e relatos escritos das colaboradoras, fazendo uma posterior análise destes, a fim de perceber como as professoras refletem a ampliação do Ensino Fundamental e quais práticas que prevalecem em suas aulas. Foi possível verificar que, mesmo diante dos desafios, as preocupações com a infância, o brincar e a alfabetização, são projetadas para as práticas com o primeiro ano.

 


Palavras-chave


Alfabetização. Ensino fundamental. Ludicidade. Narrativas docentes.

Texto completo:

PDF

Referências


Abrahão, M.H.M.B. (Org.). A aventura autobiográfica: teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

Arroyo, M. Entrevista. Revista Educação, v.91, n.101, p.39-40, 2005.

Barbosa, M.C.S. O ensino obrigatório aos 6 anos e sua ampliação para 9 anos trará vantagens ou não para os alunos? Revista Pátio, v.10, n.37, p.50-53, 2006.

Baptista, M.C. Crianças menores de sete anos, aprendizagem da linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos. In: Maciel, F.I.P.; Baptista, M.C.; Monteiro, S.M. (Org.). A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o ensino fundamental de nove anos: orientações para o trabalho com a linguagem escrita em turmas de crianças de seis anos

de idade. Belo Horizonte: CEALE, 2009.

Bogdan, R.C.; Biklen, S.K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. 4.ed. Porto: Porto, 1994.

Brasil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 23 dez. 1996. Seção 1, p.27833. Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2008.

Brasil. Lei no 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova plano nacional de educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, 10 jan. 2001. Seção 1, p.1. Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2008.

Brasil. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientações gerais. Brasília: MEC, 2004.

Brasil. Lei no 11.114, de 16 de maio de 2005. Altera os art.6º, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Diário Oficialda União, 17 maio 2005a. Seção 1, p.1. Disponível em:

. Acesso em: 9 ago. 2007.

Brasil. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 6, de 8 de junho de 2005. Diário Oficial da União, 7 out. 2005b. Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2008.

Brasil. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 18, de 15 de setembro de 2005. Diário Oficial da União, 14 jul. 2005c. Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2008.

Brasil. Lei no 11.274, de 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos art. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, 7 fev. 2006a. Seção 1, p.1. Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2008.

Brasil. Ministério da Educação. Ampliação do ensino fundamental para nove anos. Brasília: MEC, 2006b.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CBE nº 39, de 8 de agosto de 2006c. Diário Oficial da União, 25 ago. 2006c. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/

pceb039_06.pdf>. Acesso em: 9 ago. 2008.

Brasil. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientação para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: MEC, 2007.

Carvalho, M. Alfabetizar e letrar: um diálogo entre a teoria e a prática. Petrópolis: Vozes, 2005.

Durli, Z.; Shneider, M.P. Regulação do currículo no ensino fundamental de nove anos. Revista Contrapontos, v.11, n.2, p.170-178, 2011.

Ferreiro, E.; Teberosky, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

Goulart, C.M.A. Ensino fundamental de nove anos: tempo de rever conceitos de infância, de ensino e aprendizagem e de escola. Revista Eletrônica Escrita, v.1, p.1-10, 2007.

Guedes-Pinto, A.L., et al. A Organização do tempo pedagógico e o planejamento do ensino. In: Brasil. Ministério da Educação. Pró letramento: alfabetização e linguagem. Brasília: MEC, 2007.

Kramer, S. A infância e sua singularidade. In: Brasil. Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientação para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: MEC, 2006.

Marangon, C. O direito de aprender. Revista Nova Escola, v.22, n.208, p.28-35, 2007.

Marega, A.M.P.; Sforni, M.S.F. A criança de seis anos na escola: é hora de brincar ou de estudar? Revista Contrapontos, v.11, n.2, p.143-151, 2011.

Mello, S.A. O processo de aquisição da escrita na educação infantil: contribuições de Vigotsky. In: Faria, A.L.G.; Mello, S.A. Linguagens infantis: outras formas de leitura. Campinas: Autores Associados, 2009.

Nascimento, A.M. A infância na escola e na vida: uma relação fundamental. In: Brasil, Ministério da Educação. Ensino fundamental de nove anos: orientação para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília: MEC, 2007.

Soares, M. Alfabetização e letramento. 6.ed. São Paulo: Contexto, 2010.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v17n1a254

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.