Sobre a linguagem nas propostas de ensino de Religião | About language in the proposals of teaching religion

Leandro Thomaz de Almeida

Resumo


Fé e política são duas instâncias que não caminham de maneira mutuamente independente. Uma das evidências dessa afirmação se vê nas discussões relativas ao ensino de Religião na escola pública. Como essa questão não é recente, o presente artigo apresenta um panorama cronologicamente abrangente das leis que regulamentaram o ensino religioso nas escolas públicas, com destaque para a contemporaneidade. A ênfase é dada à linguagem que enforma as políticas públicas, bem como à que é utilizada em materiais didáticos sobre ensino de Religião. A partir disso, apresenta-se uma discussão sobre concepções recorrentes a respeito de linguagem, sobre possíveis sentidos dos termos presentes na legislação e sobre a relação entre linguagem, Religião e espaço público. O estudo termina com uma série de propostas de reflexão sobre o assunto em perspectiva crítica, com as quais se procura contemplar um tema que receberá ainda desdobramentos em um futuro próximo.


Palavras-chave


Ensino religioso. Escola pública. Linguagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAGÃO, E. “Porque é Pentecostes!”. Diário do Centro do Mundo, 2018. Disponível em: <https://www.

diariodocentrodomundo.com.br/porque-e-pentecostes-por-eugenio-aragao/>. Acesso em: 20 maio 2018.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p.272-274.

BRASIL. Lei nº 9.934, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília:

Casa Civil, 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

BRASIL. Decreto-lei nº 7107, de 11 de fevereiro de 2010. Promulga o Acordo entre o Governo da República

Federativa do Brasil e a Santa Sé relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil, firmado na Cidade do

Vaticano, em 13 de novembro de 2008. Brasília: Casa Civil, 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/

ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7107.htm>. Acesso em: 11 fev. 2010.

FAUSTO, B. História do Brasil. 10. ed. São Paulo: EdUSP, 2002. p.251.

FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DO ENSINO RELIGIOSO. Apresentação. Florianópolis: Fonaper, 1995. Disponível

em: . Acesso em: 15 jan. 2019.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2000. p.10.

GIUMBELLI, E.A. O ensino religioso em sala de aula. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 31., 2007, Caxambu.

Anais [...]. Caxambu: Anpocs, 2007. p.5.

GIUMBELLI, E.A. A religião nos limites da simples educação: notas sobre livros didáticos e orientações curriculares

de ensino religioso. Revista de Antropologia, v.53, n.1, p.39-78, 2010.

HABERMAS, J. Fé e saber. São Paulo: Unesp, 2013. p.7.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Editora Cultrix, 1977. p.123.

LUI, J. A. Entre crentes e pagãos: ensino religioso em São Paulo. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.131, p.333-349, 2007.

MARIANO, R. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

MONLEVADE, J.A.C.; GIANOTTI, J.A. Parecer CNE 05/1997: ensino religioso: interpretação do artigo 33 da lei

394/96. Brasília: Ministério da Educação, 1997. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/

PNCP0597.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2019.

SÃO PAULO. Decreto-lei nº 46.802, de 05 de junho de 2002. Dispõe sobre o Ensino Religioso nas escolas públicas

estaduais de ensino fundamental. São Paulo: Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, 2002. Disponível em:

. Acesso em: 15

jan. 2019.

SOLER, J. La violence monothéiste. Paris: Editions de Fallois, 2008. p.11-12.

THOMPSON, E.P. The poverty of theory and other essays. New York: Monthly Review Press, 1978. p.12.

WIGGERSHAUS, R. A Escola de Frankfurt: história, desenvolvimento teórico, significação política. Rio de Janeiro:

Difel, 2002. p.296.




DOI: https://doi.org/10.24220/2447-6803v44e2019a4474

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Reflexão

ISSNe 2447-6803 (eletrônico)

ISSN 0102-0269 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.