Fé, poesia e pensamento como expressões do poetar: aproximações entre Alberto Caeiro e Martin Heidegger | Faith, poetry and thought as expressions of poeting: convergences between Alberto Caeiro and Martin Heidegger

Luís Gabriel Provinciatto

Resumo


Tendo como ponto de partida dois textos – “O guardador de rebanhos”, de Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa (1888-1935), e “Paisagem criativa: por que permanecemos na província?”, do filósofo Martin Heidegger (1889-1976) –, este trabalho levanta a hipótese de que entre experiência e linguagem não há qualquer mediação. Desse modo, a linguagem torna manifesto aquilo que é experienciado. Lê-se a fé sob o crivo experiencial – enquanto experiência religiosa –, de modo que ela se torna um modo possível de signifi car a existência. Esse sentido é o que a linguagem manifesta, a princípio, não como conceito, mas como linguagem poética: poetar. A poesia, assim, não é aqui compreendida somente como um estilo literário e linguístico, mas como meta explícita da fala. O poetar, concretizando-se de diferentes maneiras, parte de um mesmo ponto: da situação hermenêutica própria de cada existente. Ou seja: o poetar manifesta a experiência em sua individualidade, intersubjetividade e objetividade. Isso é o que aproxima Caeiro e Heidegger: por vias distintas, poeta e pensador permitem compreender a experiência da vida manifestada na linguagem. O poetar se mostra como salvaguarda da fé, da poesia e do pensamento, pois lhes permite ser enquanto tal, manifestando-se de diferentes modos.


Palavras-chave


Alberto Caeiro. Experiência. Linguagem. Martin Heidegger. Poetar.

Texto completo:

PDF

Referências


BERARDINELLI, C. A poesia de Fernando Pessoa. In: HÜHNE, L.M. (Org.). Fernando Pessoa e Martin Heidegger: o

poetar pensante. Rio de Janeiro: Uapê, 1994. p.33-53.

CANDIDO, G.B. Caeiro: uma vacina contra estupidez dos inteligentes. Ipseitas, v.3, n.2, p.41-59, 2017.

CARNEIRO, C.M.F. Alberto Caeiro e a fenomenologia. 2011. 99f. Dissertação (Mestrado em Estudos Portugueses)

– Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2011. f.7-12.

CARNEIRO, G.L. A poesia de Alberto Caeiro à luz da filosofia de Martin Heidegger. 2010. 101f. Dissertação (Mestrado

em Letras) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010. f.11.

ELIADE, M. O sagrado e o profano. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010. p.17.

FERREIRA, L.G. A anti-poesia de Alberto Caeiro: uma leitura de “O guardador de rebanhos”. Recife: Associação de

Estudos Portugueses Jordão Emerenciano, 1989. p.21.

FERRER, D. Fernando Pessoa: aproximação dialética e fenomenológica. Ipseitas, v.3, n.2, p.21-40, 2017.

GONÇALVES, P.S.L. A experiência religiosa à luz da fenomenologia hermenêutica. In: GONÇALVES, P.S.L. (Org.). Um

olhar filosófico sobre a religião. Aparecida: Ideias e Letras, 2012. p.77-112.

GRECO, C. A experiência religiosa: essência, valor, verdade: um roteiro de filosofia da religião. São Paulo: Loyola,

p.50-53.

HEIDEGGER, M. Logik: Die Frage nach der Wahrheit. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1976. p.146.

HEIDEGGER, M. Schöpferische Landschaft: warum bleiben wir in der Provinz? In: HEIDEGGER, M. Aus der Erfahrung

des Denkens. Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1983. p.9-13.

HEIDEGGER, M. Phänomenologie des religiösen Lebens. Frankfurt am Main: Vittotio Klostermann, 1995. p.11.

HEIDEGGER, M. Sein und Zeit. Tübingen: Max Niemeyer, 2002. p.54-165.

HEIDEGGER, M. Ontologia: hermenêutica da facticidade. Petrópolis: Vozes, 2013. p.24-87.

HÜHNE, L.M. (Org.). Fernando Pessoa e Martin Heidegger: o poetar pensante. Rio de Janeiro: Uapê, 1994a. p.11-47.

HÜHNE, L.M. O poetar pensante. In: HÜHNE, L.M. (Org.). Fernando Pessoa e Martin Heidegger: o poetar pensante.

Rio de Janeiro: Uapê, 1994b. p.55-82.

KIRCHNER, R. A caminho do pensamento e da poesia. Theoria Revista de filosofia, v.1, n.1, p.11-35, 2009.

LARA, F. El ser-en como tal (§28-38). In: RODRÍGUEZ, R. (Org.). Ser y tiempo de Martin Heidegger: un comentario

fenomenológico. Madri: Tecnos, 2015. p.145-166.

LIND, G.R. Estudos sobre Fernando Pessoa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1981.

NUNES, B. Hermenêutica e poesia: o pensamento poético. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. p.86.

OTTO, R. O sagrado. 3. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2007. p.37.

PESSOA, F. Alguma prosa. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990. p.52.

PESSOA, F. Poemas escolhidos. São Paulo: Klick, 1997. p.17-182.

PIEPER, F. Experiência religiosa e linguagem. Considerações hermenêuticas. Revista de Filosofia, v.38, n.122,

p.365-380, 2011.

RODRIGUEZ, R. La percepción como interpretación. Studia heideggeriana: lógos: lógica: lenguage, v.2, p.179-212,

RODRÍGUEZ, R. Hermenêutica e subjetividade. Rio de Janeiro: Via Verita, 2016. p.104-106.

SILVA, L.O. O materialismo idealista de Fernando Pessoa. Lisboa: Clássica, 1985. p.19.

SILVA, R.S. A linguagem em Ser e tempo: uma perspectiva crítica. In: BORGES-DUARTE, I.; HENRIQUES, F.; DIAS,

I.M. Heidegger, linguagem e tradução. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2002. p.379-387.

VAZ, H.C.L. Escritos de filosofia I: problemas de fronteira. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2014. p.243-245.




DOI: https://doi.org/10.24220/2447-6803v44e2019a4463

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Reflexão

ISSNe 2447-6803 (eletrônico)

ISSN 0102-0269 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.