A relação fé e ciência no século XIII e o papel das universidades

Rogério Miranda de Almeida

Resumo


O principal objetivo destas reflexões é explorar as relações entre fé e razão, fé e ciência, no pensamento escolástico, mais especificamente, no século XIII. Na verdade, essa problemática remonta aos primeiros séculos da era cristã com um acento, porém, na relação entre “sabedoria cristã” e “sabedoria pagã”. No século XI, Anselmo de Aosta aprofundará a questão da intelecção da fé ao mostrar que fé e razão não se contradizem nem se identificam, mas se completam. No século XII, Pedro Abelardo dará à teologia o status de ciência, apresentando-a como um estudo sistemático do conjunto da doutrina da fé cristã. No século XIII, com a fundação das universidades e a entrada de Aristóteles no Ocidente latino, essa problemática, colocada agora em termos de fé e ciência, tenderá a acirrar-se e a complexificar-se em meio à tensão e ao conflito entre aristotelismo e platonismo ou, mais exatamente, neoplatonismo.

Palavras-chave: Ciência. Fé. Filosofia. Razão. Teologia.


Palavras-chave


Ciência. Fé. Filosofia. Razão. Teologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ABELARDO, P. Sic et non: A critical edition. Chicago: The University of Chicago Press, 1976.

ABELARDO, P. Teologia del sommo bene. Milano: Rusconi, 1996.

AGOSTINHO, S. La Trinità. Roma: Città Nuova, 1998.

ALMEIDA, R.M. A fragmentação da cultura e o fim do sujeito. São Paulo: Loyola, 2012.

ARISTÓTELES. Metaphysics. Cambridge: Harvard University Press, 1980. 2v.

BIANCHI, L. Il vescovo e i filosofi: la condanna parigina del 1277 e l’evoluzione dell’aristotelismo

scolastico. Bergamo: Pierluigi Lubrina, 1990.

DENIFLE, H. Die Entstehung der Universitäten des Mittelalters. Berlin: Weidmann, 1885.

CHENU, M.-D. La théologie comme sicience au XIIIe siècle. Paris: Vrin, 1969.

GILSON, É. La philosophie au Moyen Âge. Paris: Payot, 1999.

GILSON, É. Le philosophe et la théologie. Paris: Vrin, 2005.

GILSON, É. Introduction à la philosophie chrétienne. Paris: Vrin, 2007.

GRABMANN, M. Die Geschichte der scholastischen Methode. Freiburg im Breisgrau: Herdersche

Verlagshandlung, 1909.

LAÉRCIO, D. Vie, doctrines e sentences des philosophes illustres. Paris: Garnier-Flammarion, 1965. 2v.

MAKDOUR, I. La place d’Al Farâbi dans l’école philosophique musulmane. Paris: Adrien-Maisonneuve, 1934.

PLATÃO. La République. Paris: GF Flammarion, 2002.

RASHDALL, H. The Universities of Europe in the Middle Ages. Oxford: Claredon Press, 2009.

STEENBERGHEN, F. van. Aristote en Occident. Louvain: Public. Universitaires, 1945.

TOMÁS DE AQUINO. Summa theologica. New York: Benziger Brothers, 1947.

TOMÁS DE AQUINO. Summa contra gentiles. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1975.

TOMÁS DE AQUINO. Commenti a Boezio: Super Boetium de Trinitate. Milano: Rusconi, 1997.




DOI: https://doi.org/10.24220/2447-6803v40n2a3296

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Bases de datos e repositórios

 


Reflexão

ISSNe 2447-6803 (eletrônico)

ISSN 0102-0269 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.