O "11 de setembro", 20 anos depois

O dia 11 de setembro de 2001 foi um marco na história contemporânea. O ataque de terroristas às Torres Gêmeas, em Nova Iorque, e ao Pentágono, em Washington D.C., que causou milhares de mortes, pegou os Estados Unidos e o mundo de surpresa. Os poderes que estavam estabelecidos se viram sacudidos, minados por dentro, vulneráveis. O mundo nunca mais seria o mesmo. Medidas drásticas de combate ao terror foram adotadas, dentro e fora dos EUA, culminando com a invasão ao Iraque e com a execução de Bin Laden. No entanto, estes trágicos eventos não apenas expuseram as tensões, antigas e novas, da política internacional. Eles reavivaram estruturas imagéticas e sensibilidades religiosas do passado, da compreensão da história como um perscrutar por inimigos, por identificar seus agentes, de fornecer subsídios ideológicos para a luta do bem contra o mal, para aniquilação do chamado eixo do mal. Novas formas de pensamento dualista e fundamentalista emergiram inspirados de suas raizes religiosas ocidentais, de imagens adormecidas prontas para serem atualizadas. Este volume da Revista Reflexão oferece um espaço para uma reflexão interdisciplinar dos múltiplos impactos e implicações do 11/09 vinte anos depois. Agora em regime de publicação avançada, receberá artigos inéditos para o debate na área de Ciências da Religião, Teologia e outras afins.

Data limite para submissões: 30 de março de 2021, terça-feira.