Miscigenação urbanística em São Paulo: aspectos normativos do Plano de Avenidas e seu modelo de cidade | Urban miscegenation in São Paulo (Brazil): Normative aspects of the Plano de Avenidas and its city model

Felipe de Souza Noto

Resumo


O papel do Plano de Avenidas (Francisco Prestes Maia, 1930), e dos instrumentos normativos que garantiram sua implantacao, deve ser explorado para alem das decisoes viarias que orientaram os vetores de crescimento da cidade de Sao Paulo. A forma da cidade que se reconstruiu com o alargamento das novas avenidas foi definida por intencoes academicas que respeitavam a matriz do quarteirao como peca integral; simultaneamente, a legislacao urbanistica incorporou a verticalizacao como horizonte, fazendo coexistir duas logicas ate entao incompativeis. A arquitetura moderna em Sao Paulo contou, portanto, com o incentivo oficial em seus primeiros exemplos, concentrados nas zonas de expansao do Centro, territorio ordenado por uma ocupacao tradicional de quarteirao. E neste cenario de miscigenacao que foram gestados alguns dos mais significativos edificios da arquitetura contemporanea paulistana: desvendar os criterios normativos que os forjaram e a tarefa assumida por este trabalho.

 

 


Palavras-chave


Desenho urbano. Legislação urbanística. Morfologia urbana. Projeto de arquitetura. São Paulo.

Texto completo:

PDF

Referências


DEVECCHI, A.M. Reformar não é construir: a reabilitação de edifícios verticais: novas formas de morar em São Paulo no século XXI. 2010. 552f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

GOOGLE EARTH. Centro de São Paulo. São Paulo: Google Earth, c2018. 1 imagem de satélite. Disponível em: . Acesso em: 1 fev. 2018.

NOTO, F.S. O quarteirão como suporte da transformação urbana de São Paulo. 2017. 363f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Ato nº 58, de 15 de janeiro de 1931. Institue a censura esthetica dos edifícios e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1931. p.1. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Ato nº 663, de 10 de agosto de 1934. Aprova a consolidação do Código de Obras “Arthur Saboya”, (Lei n.3427, de 19 de novembro de 1929) abrangendo todas as disposições constantes de Leis e Atos, em vigor nesta data, referentes a construções e arruamentos, etc. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1934. p.16-61. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Lei nº 3.571, de 7 de abril de 1937. Declara aplicáveis às avenidas Paulista, Higienópolis, Angélica, Pedro I, Pompéia e rua Maranhão as exigências do artigo 40 do Ato 663 de 1934 e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1937. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Ato nº 1.366 de 19 de fevereiro de 1938. Modifica o art. 181 do Ato n° 663, de 1934, que regula as edificações na ruía Barão de Itapetininga e outras, e dá novas providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1938a. Disponível em: Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Ato nº 1.470 de 14 de setembro de 1938. Aprova o plano de alargamento da rua Ipiranga e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1938b. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Decreto‑Lei nº 41, de 3 de agosto de 1940. Regulamenta as construções na Avenida Ipiranga e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1940. p.3. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Decreto‑Lei nº 75, de 11 de fevereiro de 1941. Regulamenta as construções na Avenida 9 de Julho e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1941a. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Decreto‑Lei nº 92, de 2 de maio de 1941. Dispõe sobre regulamentação especial de construções na zoa central, altera o perímetro desta, e dá outras providências.

São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1941b. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Lei nº 5.114, de 28 de fevereiro de 1957. Obriga a construção de galerias nas edificações que se fizerem nos lotes lindeiros às ruas Direita, São Bento, 24 de Maio e 7 de Abril, e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1957a. p.1. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

PREFEITURA DE SÃO PAULO. Lei nº 5.261, de 4 de julho de 1957. Estabelece coeficiente de aproveitamento de lotes, densidade demográfica, área mínima de lote por habitação e área mínima de espaços livres, e dá outras providências. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 1957b. Disponível em: . Acesso em: 5 maio, 2015.

SOMEKH, N. A cidade vertical e o urbanismo modernizador. São Paulo: Romano Guerra, 2014. p.51.

VARGAS, H.C. A lógica do espaço terciário: o lugar, a arquitetura e a imagem do comércio. 2000.193f. Tese (Livre Docência) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. f.148.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v16n2a4213

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.