Edifício Santana, o primeiro arranha-céu de Campinas

Silvia Amaral Palazzi Zakia

Resumo


O artigo trata da construção do edifício modernista Santana, em 1936, situado em Campinas, estado de São Paulo. Contando com apenas seis pavimentos de altura, o edifício tornou-se um ícone de modernidade, sendo laureado publicamente com o título de primeiro arranha-céu da cidade. Sua construção inaugurou o processo de modernização do espaço urbano da cidade, que já vinha sendo delineado através da implantação de um plano de urbanismo elaborado a partir de 1934 com a contratação do urbanista Prestes Maia pela prefeitura do município. O edifício foi projetado e construído pelo engenheiro civil Lix da Cunha, responsável por um dos mais respeitados escritórios de engenharia da cidade. O edifício, de arquitetura asséptica e linguagem estética do art déco, projetado com um novo sistema construtivo de concreto armado e dedicado exclusivamente a uso comercial, estabeleceu um marco físico e simbólico no processo de transformações pelas quais a cidade passava. A cidade, que da segunda metade do século XIX até princípio do século XX fora importante centro econômico do país e responsável pela produção da maior parte do café exportado, superara os problemas econômicos advindos da crise de 1929 e as sucessivas oscilações do mercado do café, incentivando um processo de industrialização que alteraria por completo sua paisagem física. A imagem de progresso e modernidade que a cidade buscava transmitir estava indubitavelmente aliada à arquitetura do Santana. Ter como endereço comercial o edifício Santana denotava aos profissionais locatários ou proprietários status de modernidade.

Palavras-chaves: Arquitetura modernista. Arranha-céu. Art-déco. Plano de Melhoramentos Urbanos de Campinas.


Palavras-chave


Arquitetura modernista. Arranha-céu. Art-déco. Plano de Melhoramentos Urbanos de Campinas.

Texto completo:

PDF

Referências


CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas. Código

de Construções. Campinas: Typografia da Casa Genoud,

a.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas. Diretoria

de Obras e Viação da Protocolo nº 4.617 de 1 de

agosto de 1935. Campinas: Prefeitura Municipal de

Campinas, 1935b.

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas.

Relatórios dos trabalhos realizados pela Prefeitura

de Campinas durante o exercício de 1934 apresentado

ao Conselho Consultivo desta Cidade e ao Departamento

de Administração Municipal pelo prefeito

José Pires Neto. Campinas: Linotypia da Casa

Genoud, 1936.

CAMPINAS a princesa D’Oeste do Estado de S.Paulo.

Correio Popular, de 3 de setembro de 1939a. p.34

CAMPINAS. Prefeitura Municipal de Campinas.

Relatórios dos trabalhos realizados pela Prefeitura

de Campinas durante o exercício de 1936 apresentado

à Câmara Municipal desta cidade pelo prefeito

João Alves dos Santos. Campinas: Linotypia da

Casa Genoud, 1939b.

HOMEM, M.C.N. O prédio Martinelli: a ascensão do

imigrante e a verticalização de São Paulo. São Paulo:

Projeto, 1984.

LEONÍDIO, O. Carradas de razões: Lúcio Costa e a

arquitetura moderna brasileira. Rio de Janeiro:

PUC-Rio, 2007.

MELLO, L.A. Problemas de urbanismo: bases para a resolução

do problema technico. São Paulo: Instituto de

Engenharia de São Paulo, 1929.

SÃO PAULO. Prefeitura Municipal de São Paulo. Código

de Obras Arthur Saboya. São Paulo: Sociedade Technica

& Commercial Ltda, 1930.

SERÁ installada hoje a Camara Municipal. Correio Popular,

Campinas,17 jul. 1936.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole. São

Paulo: Companhia das Letras, 1992.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v0n13a139

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.