Determinantes dietéticos do estado nutricional de árbitros da Liga Brasileira de Basquetebol

Ana Cláudia Fischer BOSKO, Julicristie Machado OLIVEIRA, João Paulo BORIN, José Francisco DANIEL, Paulo Cesar MONTAGNER, Caroline Dário CAPITANI, Adriane Elisabete Costa ANTUNES

Resumo


Objetivo

Identificar os determinantes dietéticos do estado nutricional de árbitros da Liga Brasileira de Basquetebol.

Métodos

Participaram da pesquisa 47 árbitros da Liga Brasileira de Basquetebol, sendo 9 do sexo feminino e 38 do masculino. Os árbitros responderam a um Questionário de Frequência Alimentar e os escores de padrão de consumo foram atribuídos às categorias de frequência do questionário. Sendo assim, foram verificadas possíveis relações entre os escores de consumo e o índice de massa corporal dos participantes por meio de modelos de regressão linear.

Resultados

Observou-se relação positiva significativa (p=0,028) entre idade, sexo, consumo de verduras cruas, chocolate e refrigerantes não dietéticos com o maior valor de índice de massa corporal dos árbitros.

Conclusão

Os resultados do presente estudo apontam que a dieta dos árbitros de basquetebol está associada ao seu estado nutricional. Assim, recomenda-se orientação dietética e/ ou ações de educação alimentar e nutricional para esse grupo.

Palavras-chave: Basquetebol. Estado Nutricional. Hábitos alimentares.


Palavras-chave


Basquetebol. Estado Nutricional. Hábitos alimentares.

Texto completo:

PDF

Referências


Fonseca TC, Pires RCC, Borges C, Hunger D. A história

do basquetebol masculino francano. Lect Educ Fís

Deportes. 2006; 11(95):1-9.

Litt A. Fuel for young athletes: Essential foods and

fluids for future champions. Champaign: Human

Kinects; 2004.

Rose Junior D, Pereira FP, Lemos RF. Situações

específicas de jogo causadoras de stress em oficiais

de basquetebol. Rev Paul Educ Fís. 2002; 16(2):160-

Vachera A, Mielgo-Ayuso J, Calleja-González J, Leicht

AS. Match intensity and heart rate predictors in top

level basketball referees during men’s Eurobasket. J

Sports Med Phys Fitness. 2016, 56(9):1034-1040.

Mondini L, Moraes SA, Freitas ICM, Gimeno SGA.

Consumo de frutas e hortaliças por adultos em

Ribeirão Preto, SP. Rev Saúde Pública. 2010;

(4):686-94.

Castro MBT, Anjos LA, Lourenço PM. Padrão dietético

e estado nutricional de operários de uma empresa

metalúrgica do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde

Pública. 2004; 20(4):926-34.

Organização Mundial da Saúde. Estratégia global em

alimentação saudável, atividade física e saúde.

Genebra: Organização Mundial da Saúde; 2004.

Costa PRF, Assis AMO, Silva MCM, Santana MLP, Dias

JC, Pinheiro SMC, et al. Mudança nos parâmetros

antropométricos: a influência de um programa de

intervenção nutricional e exercício físico em mulheres

adultas. Cad Saúde Pública. 2009; 25(8):1763-73.

Organização Pan-Americana da Saúde. Doenças

crônico-degenerativas e obesidade: estratégia

mundial sobre alimentação saudável, atividade física

e saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da

Saúde; 2003.

World Health Organization. Physical status: The use

and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO;

[cited 2014 Mar 15]. Available from: http://

www.unu.edu/unupress/food/FNBv27n4_sup

pl_2_final.pdf

Pereira JMO, Cabral P. Avaliação dos conhecimentos

básicos sobre nutrição de praticantes de musculação

em uma academia da cidade de Recife. Rev Bras Nutr

Esportiva. 2007; 1(1):40-7

Sartori RF, Prates MEF, Tramonte VLGC. Hábitos

alimentares de atletas de futsal dos estados do Paraná

e do Rio Grande do Sul. Rev Educ Fís. 2002; 13(2):55-

Borin JP, Daniel JF, Bonganha V, Moraes AM, Cavaglieri

CR, Mercadante LA, et al. The distances covered by

basketball referees in a match increase throughout

the competition phases, with no change in

physiological demand. Open Access J Sports Med.

; 4:193-8.

Leicht AS. Physiological demands of basketball

refereeing during international competition. J Sci Med

Sport. 2008; 11(3):357-60.

Ribeiro AC, Sávio KEO, Rodrigues MLCF, Costa THM,

Schmitz BAS. Validação de um questionário de

freqüência de consumo alimentar para população

adulta. Rev Nutr. 2006; 19(5):553-62. http://

dx.doi.org/10.1590/S1415-52732006000500003

Hess MA. Portion photos of popular foods. Chicago:

American Dietetic Association; 1997.

Fornés NS, Martins IS, Velásquez-Meléndez G, Latorred

MRDO. Escores de consumo alimentar e níveis

lipêmicos em população de São Paulo, Brasil. Rev

Saúde Pública. 2002; 36(1):12-8.

Figueiredo ICR, Jaime PC, Monteiro CA. Fatores

associados ao consumo de frutas, legumes e verduras

em adultos da cidade de São Paulo. Rev Saúde Pública.

; 42(5):777-85.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA.

Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil:

distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde

Pública. 2005; 39(4):530-40.

Mendonça CP, Anjos LA. Aspectos das práticas

alimentares e da atividade física como determinantes

do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil.

Cad Saúde Pública. 2004; 20(3):698-709.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatítica. Pesquisa

de orçamentos familiares 2002-2003: análise da

disponibilidade domiciliar de alimentos e do estado

nutricional no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2004.

Jaime PC, Mendonça CA. Fruit and vegetable intake

by Brazilian adults, 2003. Cad Saúde Pública. 2005;

(21 Suppl.):S19-24.

Teixeira CVLS, Gianoni RLS, Eduardo CZ, Luguetti CN,

Gomes RJ. Excesso de peso e obesidade abdominal

em praticantes de exercícios, Buenos Aires, 2012. Rev

Digital EFDeportes. 2012 [acesso 2012 out 27];

(169). Disponível em: http://www.efdeportes.com/

efd169/excesso-de-peso-e-obesidade-abdominal.html




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v24n3a3167

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.