Sobrecarga de cuidadores familiares e independência funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico

Juciele Bezerra de Araújo, Gabriele Natane de Medeiros Cirne, Núbia Maria Freire Vieira Lima, Fabrícia Azevedo da Costa Cavalcanti, Ênio Walker Azevedo Cacho, Roberta de Oliveira Cacho

Resumo


Objetivo
Correlacionar o nível de independência funcional de pacientes pós-acidente vascular encefálico com a sobrecarga de seus cuidadores.
Métodos
Trata-se de um estudo observacional descritivo com cuidadores de ambos os sexos e faixa etária de 16 a 74 anos, avaliados em domicílio. Os cuidadores, após aceitarem participar do estudo e assinarem o termo de consentimento livre e esclarecido, foram avaliados por um questionário, que serviu como roteiro de entrevista, pela Escala de Sobrecarga do Cuidador (Caregiver Burden Scale) e pela Escala Medida de Independência Funcional.

Resultados
As 27 entrevistas realizadas permitiram traçar um perfil dos cuidadores, tendo
predominância de filhos (37,03%) e cônjuges (37,03%) na realização do cuidado, seguidos
por outros (25,9%). Neste estudo, observou-se que os cuidadores apresentaram maior
sobrecarga de cuidado nos domínios tensão geral (1.83) e isolamento (1.78), evidenciando
que não só os pacientes, mas também os cuidadores precisam de atenção e apoio
profissional. No entanto, neste estudo, não houve correlação significativa (r=-0,1551
e p=0,4399) entre os domínios da Escola Medida de Independências Funcional e da
Escala de Sobrecarga do Cuidador, podendo ser justificado com as novas estratégias
adquiridas pelo cuidador com o intuito de superar as crises na condição dos cuidados.
Conclusão
Conclui-se que este estudo possibilitou analisar o quadro funcional do paciente com
sequela de acidente vascular encefálico e, especificamente, de seu cuidador, evidenciando
a necessidade de desenvolver um sistema de apoio formal e informal para os cuidadores.


Palavras-chave


Acidente vascular cerebral. Cuidadores. Fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Costa FA, Silva DLA, Rocha VM. Estado neurológico e cognição de pacientes pós-acidente vascular cerebral. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(5):1083-8.

Almeida SEM. Análise epidemiológica do acidente vascular cerebral no Brasil. Rev Neurociênc. 2012;20(4):481-2.

Oliveira BC, Garanhani ML, Garanhani MR. Cuidador de pessoa com acidente vascular encefálico: necessidades, sentimentos e orientações recebidas. Acta Paul Enferm. 2011;24(1):43-9.

Oliveira MR, Orsini M. Escalas de avaliação da qualidade de vida em pacientes brasileiros após acidente vascular cerebral: revisão integrativa da literatura dente vascular cerebral. Rev Neurociênc. 2009;17(3):255-62.

Toldrá RC, Souto ACF. Atenção ambulatorial de média complexidade em saúde e reabilitação de pessoas com deficiência física no âmbito da terapia ocupacional: reflexões a partir da prática. Cad Ter Ocup UFSCar. 2013;21(2):299-306.

Stoffel DP, Nickel R. A utilização da atividade como ferramenta no processo de reabilitação de intervenção do terapeuta ocupacional em reabilitação neurológica. Cad Ter Ocup UFSCar. 2013;21(3):617-22.

Sousa AG, Zarameli RC, Ferrari RAM, Frigero M. Avaliação da qualidade de vida de cuidadores de pacientes com seqüelas neurológicas. ConScientiae Saúde. 2008;7(4):497-502.

Pereira RA, Santos EB, Fhon JRS, Marques S, Rodrigues RAP. Burden on caregivers of elderly victims of cerebrovascular accident. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(1):185-92.

Benvegnu AB, Gomes LA, Souza CT, Cuadros TBB, Pavão LW, Ávila SN. Avaliação da medida de independência funcional de indivíduos com seqüelas de Acidente Vascular Encefálico (AVE). Rev Ciênc Saúde. 2008;1(2):71-7.

Elmstahl S, Malmberg B, Annerstedt L. Cargiver’s burden of patients 3 years after stroke assessed by a novel caregiver burden scale. Arch Phys Med Rehabil. 1996;77(2):177-82.

Medeiros MMC, Ferraz MB, Quaresma MR, Menezes AP. Adaptation and validation of the Caregiver Burden scale to Brazilian cultural milieu. Rev Bras Reumatol. 1998;38(4):193-9.

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátr. 2004;11(2):72-6.

Riberto M, Miyazaki MH, Jorge Filho D, Sakamoto H, Battistella LR, Riberto M, et al. Reprodutividade da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátr. 2001;8(1):45-52.

- Garces SBB, Krug MR, Hansen D, Brunelli AV, Costa FTL, Rosa CB, et al. Avaliação da resiliência do cuidador de idosos com Alzheimer. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(2):335-52.

Opara JA, Jaracz K. Quality of life of post-stroke patients and their caregivers. J Med Life. 2010;3(3):216-20.

Lima ML, Santos JLF, Sawada NO, Lima LAP. Qualidade de vida de indivíduos com acidente vascular encefálico e de seus cuidadores de um município do Triângulo Mineiro. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(2):453-64.

Delboni MCC, Malengo PCM, Schmidt EPR. Relação entre os aspectos das alterações funcionais e seu impacto na qualidade de vida das pessoas com sequelas de Acidente Vascular Encefálico (AVE). Mundo Saúde. 2010;34(2):165-75.

Oliveira ARS, Costa AGS, Sousa VEC, Araujo TL, Silva VM, Lopes MVO, et al. Escalas para avaliação da sobrecarga de cuidadores de pacientes com acidente vascular encefálico. Rev Bras Enferm. 2012;65(5):839-43.

Gomes WD, Resch ZMR. A percepção dos cuidadores domiciliares no cuidado a clientes com sequelas neurológicas. Rev Enferm. 2009;17(4):496-501.

Machado ALG, Jorge MSB, Freitas CHA. A vivência do cuidador familiar de vítima de acidente vascular encefálico: uma abordagem interacionista. Rev Enferm. 2009;17(4):496-501.

Fonseca NR, Penna AFG. Perfil do cuidador familiar do paciente com sequela de acidente vascular encefálico. Rev Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13(4):1175-80.

Bicalho CS, Lacerda MR, Catafesta F. Refletindo sobre quem é o cuidador familiar. Cogitare Enferm. 2008;13(1):118-23.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v25n3a2991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.