Estudo de controle de qualidade físico-químico de suspensões orais manipuladas de naproxeno sódico

Lílian Grace da Silva Solon, Ana Isabel Maria de Oliveira, Graziene Lopes de Souza, Luiz Alberto Lira Soares, Aurigena Antunes de Araújo

Resumo


Objetivo

Este trabalho objetivou realizar um estudo comparativo de controle de qualidade entre a suspensão de referência de naproxeno sódico, Flanax®, denominada R, e suspensões obtidas de seis farmácias de manipulação na cidade de Natal, Rio Grande do Norte, denominadas A, B, C, D, E e F, com concentrações de 25mg/mL. Realizaram-se ensaios para determinação do teor, pH, homogeneidade, identificação, volume e características organolépticas.

Métodos

O método utilizado para o doseamento mostrou precisão, exatidão, linearidade e especificidade.

Resultados

As formulações obtidas nas farmácias B, C e E apresentaram teor abaixo das especificações farmacopeicas, enquanto a formulação F apresentou um teor acima do recomendado. Em relação ao pH, as suspensões C, E e F apresentaram valores fora das especificações. Quanto à homogeneidade, as amostras obtidas das farmácias C e E foram reprovadas. Observou-se que a maioria das amostras apresentou volume compatível ao rotulado, exceto a amostra C.

Conclusão

Os resultados indicaram a necessidade de uma maior fiscalização pelos órgãos competentes, de forma a garantir a segurança do paciente e a qualidade dos medicamentos produzidos pelas farmácias de manipulação.

Termos de indexação: Cromatografia líquida de alta pressão. Naproxeno. Preparações farmacêuticas.


Palavras-chave


Cromatografia líquida de alta pressão. Naproxeno. Preparações farmacêuticas.

Texto completo:

PDF

Referências


Allen LJ. Quality-control analytical methods: Principles

of pH. J Pharm Comp. 2003; 7(3):225.

Brogden RN, Heel RC, Speight TM, Avery GS.

Naproxen up to date: A review of its pharmacological

properties and therapeutic efficacy and use in

rheumatic diseases and pain states. Drugs. 1979;

(4):241-77.

Dearmond B, Francisco CA, Lin JS, Huang FY, Halladay

S, Bartizek RD, et al. Safety profile of over-the-counter

naproxen sodium. Clin Ther. 1995; 17(4):587-601.

Kapadia L. A study of naproxen sodium and ibuprofen

in primary dysmenorrhea. J Soc Occup Med. 1987;

(3):77-80.

Marta LC, Stefania T, Maria GS, Paola A, Luigia F,

Gabriele M, et al. Human pharmacology of naproxen

sodium. J Pharmacol Exp Ther. 2007; 322(2):453-60.

Powell AM, Chan WY. Differential effects of ibuprofen

and naproxen sodium on menstrual prostaglandin

release and on prostaglandin production in the rat

uterine homogenate. Prostaglandins Med.1984;

(2):129-37.

Siviero JG. Naproxen sodium suspension avaliation

in the treatment of traumatisms and musculoskeletal

disorders in children. Radiochim Act. 1985; 38(2):

-90.

Valentovic M. xPharm: The comprehensive pharmacology

reference. Amsterdam: Elsevier; 2008.

Davies NM, Anderson KE. Clinical pharmacokinetics

of naproxen. Clin Pharmacokinet. 1997; 4(32):268-93.

Boynton CS, Dick CF, Mayor GH. NSAID: An overview.

J Clin Pharmacol. 1988; 28(6):512-7

Aronson JK. Meyler’s side effects of drugs: The

international encyclopedia of adverse drug reactions

and interactions. Oxford: Elsevier; 2006.

Brasil. Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais

Anfarmag. Redação. São Paulo: Anfarmag [acesso

feb 20]. Disponível em: <http://www.anfarmag.

org.br/integra.php?codigo=970>.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Fármacos manipulados têm sido consumidos cada

vez mais. [acesso 2010 feb 20]. Brasília: Anvisa; [s.d].

Disponível em: <http://www.anvisa.gov.br/divulga/

artigos/farmacos.htm>.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução

nº 899, de 29 de maio de 2003. Guia para

validação de métodos analíticos e bioanalíticos

[acesso 2009 jan 27]. Diário Oficial da União. 2003 2

jun. Disponível em: <http://e-legis.anvisa.gov.br/

leisref/public/search.php>.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Farmacopéia Brasileira. 4ª ed. São Paulo: Atheneu;

Parte I, v.1 e 2.

United States Pharmacopoeia Convention. United

States Pharmacopoeia 30 - National formulary 25.

th ed. Rockville: USP; 2007. v.3.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Resolução nº 67, de 8 de outubro de 2007. Boas práticas

de manipulação de preparações magistrais e

oficinais para uso humano em farmácias. [acesso

fev 1]. Diário Oficial da União. 2007 9 out. Disponível

em: <http://e-legis.anvisa.gov.br/leisref/public/

search.php>.

Andrade FRO, Souza AA, Arantes MCB, Paula JR, Bara

MTF. Análise microbiológica de matérias-primas e formulações

farmacêuticas magistrais. Rev Eletr Farm.

; 2(2):38-44.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0897v21n1/6a1876

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Ciências Médicas

ISSNe 2318-0897 (eletrônico)
ISSN 1415-5796 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.