Uma base ética das religiões mundiais em prol de uma ética mundial | An ethical basis of world religions

Maria Liliane Oliveira do Nascimento, Renato Kirchner

Resumo


Este artigo apresenta uma reflexão sobre a formulação da Declaração de Ética Mundial, apresentada por Hans Küng no Segundo Parlamento das Religiões Mundiais, no ano de 1993. De acordo com o referido documento, a base ética comum das religiões mundiais encontra-se, em primeiro lugar, no princípio da humanidade: todo ser humano deve receber tratamento humano, e, também, no princípio milenar da “regra de ouro”: faze aos outros o que desejas que façam a ti. Jamais haverá progresso humano a não ser que se reconheça que os direitos humanos não podem existir sem responsabilidades humanas. O artigo conclui que a Declaração corrige a forma de pensar e poderia ser adotada por todas as instituições no mundo de maneira livre, servindo como referência para o processo civilizatório da humanidade.


Palavras-chave


Segundo Parlamento. Religiões Mundiais. Ética Mundial. Hans Küng.

Texto completo:

PDF

Referências


HASSELMANN, C. A Declaração sobre Ética Global de Chicago 1993. Concilium, n. 302, p.25-39, 2003.

KÜNG, H. Projeto de ética mundial: uma moral ecumênica em vista da sobrevivência humana. 4. ed. São Paulo: Paulinas, 2003.

KÜNG, H. As religiões do mundo: em busca de pontos comuns. Campinas: Verus, 2004.

KÜNG, H. Para que um ethos mundial? Religião e ética em tempos de globalização. São Paulo: Loyola, 2005.

KÜNG, H.; SCHMIDT. Uma ética mundial e responsabilidades globais: duas declarações. São Paulo: Loyola, 2001.




DOI: https://doi.org/10.24220/2525-9180v4n12019a4644

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Cadernos de Fé e Cultura

ISSNe 2525-9180 (eletrônico)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.